Tag: transformacao (Página 1 de 2)

Cristo ressuscitou, aleluia!

Cristo ressuscitou, aleluia! Essa é uma novidade de esperança!

Se Cristo não tivesse ressuscitado o que seria da humanidade? Teriam todos perecido em seus pecados.

Entretanto, desde a época que Cristo morreu e ressuscitou, até hoje, há pessoas que questionam a veracidade desse fato.

No período que o apóstolo Paulo viveu teve que enfrentar esse tipo de questionamento na igreja de Corínto.

Havia membros da igreja duvidando da morte e ressurreição de Jesus, então o apóstolo escreve a seguinte explicação, em sua primeira carta a igreja:

 

“Mas, pela graça de Deus, sou o que sou, e sua graça para comigo não foi em vão; antes, trabalhei mais do que todos eles; contudo, não eu, mas a graça de Deus comigo.
 
Portanto, quer tenha sido eu, quer tenham sido eles, é isto que pregamos, e é isto que vocês creram.
 
Ora, se está sendo pregado que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como alguns de vocês estão dizendo que não existe ressurreição dos mortos?
 
Se não há ressurreição dos mortos, então nem mesmo Cristo ressuscitou;
e, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm.
 
Mais que isso, seremos considerados falsas testemunhas de Deus, pois contra ele testemunhamos que ressuscitou a Cristo dentre os mortos.
 
Mas se de fato os mortos não ressuscitam, ele também não ressuscitou a Cristo.
 
Pois, se os mortos não ressuscitam, nem mesmo Cristo ressuscitou.
E, se Cristo não ressuscitou, inútil é a fé que vocês têm, e ainda estão em seus pecados”  (1 Co 15.10-17).
Se Cristo não tivesse ressuscitado, como Paulo escreveu a humanidade teria morrido em seus pecados, sem perdão de Deus.
 
 
A humanidade estaria numa condição deplorável e sem possibilidade alguma de serem filhos e pertencentes a família de Deus.
 
 
Se não houvesse a ressurreição toda a pregação do Evangelho, desde Cristo até a atualidade, foi e é inútil.
 
 
Todas as pessoas que têm ouvido e crido na pregação a respeito da pessoa de Jesus, podem testificar da transformação pela qual passaram.
 
 
De onde viria essa transformação? Homem algum, por mais sábio e capacitado que seja, não consegue transformar a si mesmo ou ao próximo.
 
 
Somente uma obra sobrenatural é capaz de mudar o coração do ser humano.
 
 
Por isso, aqueles que recebem Jesus em seu coração podem declarar com alegria:
 
Cristo ressuscitou, aleluia!
Pois, foi por meio dessa morte e ressurreição, que as pessoas receberam perdão, uma nova vida e a esperança de uma vida eterna.
Por isso, não apenas no dia oficial que é celebrada a ressurreição de Cristo, todos os dias, os filhos de Deus, devem celebrar, com alegria a ressurreição de Jesus.
Por que Ele vive, você pode crer num hoje, num amanhã e num futuro de esperança e vida!
Ouça a mensagem ‘Cristo ressuscitou, aleluia’ e tenha sua esperança renovada:

 

Comunicação CERV

Campanha termina sábado

Campanha termina sábado, com encontro no templo da CERV, às 19 horas, participe!

A campanha “Senhor, dá-me um coração novo” chega ao fim neste sábado, 31 de março.

Foram dias de batalha espiritual, nos quais todos foram convocados a jejuar, orar e estudar o livro de Hebreus.

Entenda como funciona nossa campanha

Essas práticas espirituais foram estabelecidas com o objetivo dos irmãos se consagrarem ao Senhor para receber Dele um novo coração.

A cada encontro, aos sábados, o Espírito Santo trouxe a comunidade ministrações de louvor e da Palavra de Deus, abençoadas.

A campanha termina sábado, até lá persevere em oração

Por meio da manifestação do poder do Espírito Santo pessoas foram libertas, restauradas e renovadas.

“Louvo a Deus por esta campanha, pois foi direcionada por Ele, para que seus filhos recebessem um novo coração. E a partir desse novo coração ter uma nova vida que demonstre a presença de Jesus”, afirma pastora Graça Pitzer.

Saiba mais sobre o coração novo

Se você não participou este ano, ore e abra seu coração para fazer parte dessa campanha, pois o maior beneficiado será você!

Para você que está firme, lembre-se, a campanha termina sábado. Até lá ainda há alguns dias de jejum, oração e estudo da Palavra, então, persevere!

Comunicação CERV

O que posso aprender com a igreja de Éfeso

O que posso aprender com a igreja de Éfeso? Você já se fez está pergunta?

Se não, a partir desta mensagem você será convidado a examinar a história desta igreja e aprender com seus erros e acertos.

A igreja de Éfeso, no ano de 53 d.C, foi fundada pelo apóstolo Paulo em sua terceira viagem missionária.

Vejamos o que acontece assim que Paulo chega a cidade:

“Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo viajou pelas regiões do interior até chegar a Éfeso, no litoral, onde encontrou alguns discípulos.

 Ele lhes perguntou: “Vocês receberam o Espírito Santo quando creram?”. “Não”, responderam eles. “Nem sequer ouvimos que existe o Espírito Santo.”

“Então que batismo vocês receberam?”, perguntou ele. “O batismo de João”, responderam.

Paulo disse: “João batizava com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que viria depois, isto é, em Jesus”.

Assim que ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus.

Paulo lhes impôs as mãos e o Espírito Santo veio sobre eles, e falaram em línguas e profetizaram.

Eram ao todo uns doze homens.

Em seguida, Paulo foi à sinagoga e ali pregou corajosamente durante três meses, argumentando de modo convincente sobre o reino de Deus.” (Atos 19.1 -8)

Para compreender  de forma ampla a história desta igreja é fundamental saber a sua história e contexto da época.

Éfeso era a principal igreja da Ásia menor, região pertencente ao Império Romano.

Era a capital, e seu território fazia parte de várias rotas comerciais, por isso, muito rica e avançada.

Para se ter uma ideia da sua importância, para entrar na cidade o visitante deveria pagar.

A riqueza de Éfeso era visível em um tour pela sua avenida principal. Suas construções eram belíssimas e de grande porte.

Ao final desta avenida o visitante encontrava um teatro no qual cabia 25 mil pessoas.

Entretanto, a atração principal da cidade era o templo dedicado a deusa Diana, pois a economia local girava em torno desta deusa.

Paulo pregou e ensinou em Éfeso por 2 anos e 3 meses e o número de conversões genuínas foi grande:

“Muitos dos que creram confessaram suas obras pecaminosa.

Vários deles, que haviam praticado feitiçaria, trouxeram seus livros de encantamentos e os queimaram publicamente. O valor dos livros totalizou cinquenta mil moedas de prata.

Assim, a mensagem a respei­to do Senhor se espalhou amplamente e teve efeito poderoso.” (At 19.18,19 e 20)

Tamanha era a convicção de pecados que os novos convertidos confessavam publicamente suas mazelas e atos pecaminosos.

Pessoas abriam mão das magias, feitiçarias e levavam seus livros de magia em praça pública para serem queimados.

Estas atitudes começaram a mexer na economia da cidade, ao ponto da população ter o desejo de expulsar o apóstolo Paulo de lá.

E no capítulo seguinte, em Atos 20-25,-32, é possível ver a despedida de Paulo, mas antes deixa um alerta para a igreja, a respeito das falsas doutrinas e dos falsos mestres:

“Agora sei que nenhum de vocês, a quem anunciei o reino, me verá outra vez.

Por isso, declaro hoje que, se alguém se perder, não será por minha culpa,

pois não deixei de anunciar tudo que Deus quer que vocês saibam.

“Portanto, cuidem de si mesmos e do rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos, a fim de pastorearem sua igreja, comprada com seu próprio sangue.

Sei que depois de minha partida surgirão em seu meio falsos mestres, lobos ferozes que não pouparão o rebanho.

Até mesmo entre vocês se levantarão homens que distorcerão a verdade a fim de conquistar seguidores.

Portanto, vigiem! Lembrem-se dos três anos que estive com vocês, de como dia e noite nunca deixei de aconselhar com lágrimas cada um de vocês.

“E, agora, eu os entrego a Deus e à mensagem de sua graça que pode edificá-los e dar-lhes uma herança junto com todos que ele separou para si.”

No ano de 62 d.C, Paulo está em sua prisão domiciliar, em Roma, e escreve uma carta para a igreja de Éfeso.

É uma carta que não apresentava correções severas, acusações ou apontamento de práticas de pecado.

A todo momento o apóstolo os exortava que se mantivessem no que foram ensinados.

E também a viverem em novidade de vida, em Cristo Jesus. Outros assuntos que estavam escritos eram sobre a comunidade da fé e os novos padrões de relacionamento.

Após a morte de Paulo, Timóteo assume o pastorado da igreja até que é direcionado a outras missões.

Passados alguns líderes, no ano de 81 d.C, o apóstolo João, o discípulo amado de Cristo, é quem assumia a liderança da igreja.

Neste período, João é exilado na Ilha de Patmos e lá  tem a experiência sobrenatural descrita no livro de Apocalipse.

No inicio do livro, dentre as cartas escritas a igrejas, há uma direcionada a igreja de Éfeso. Quarenta anos depois da fundação da igreja, no ano de 95 d.C, esta carta chega a liderança da igreja.

Agora atente-se com o que aconteceu com esta igreja, com o passar dos anos, e faça um paralelo com a sua vida, desde quando foi salvo até a presente data.

Vamos ver o que Jesus fala sobre esta igreja:

 “Escreva esta carta ao anjo da igreja em Éfeso. Esta é a mensagem daquele que segura na mão direita as sete estrelas, daquele que anda entre os sete candelabros de ouro:

“Sei de tudo que você faz. Vi seu trabalho árduo e sua perseverança, e sei que não tolera os perversos. Examinou as pretensões dos que se dizem apóstolos, mas não são, e descobriu que são mentirosos.

Sofreu por meu nome com paciência, sem desistir

“Contudo, tenho contra você uma queixa: você abandonou o amor que tinha no princípio.

Veja até onde você caiu! Arrependa-se e volte a praticar as obras que no início praticava. Do contrário, virei até você e tirarei seu candelabro de seu lugar entre as igrejas

Mas há isto a seu favor: você odeia as obras dos nicolaítas, como eu também odeio.

“Quem tem ouvidos para ouvir, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vitorioso, darei o fruto da árvore da vida que está no paraíso de Deus.” (At 2.1-7).

A partir da leitura desta carta, pense: hoje, depois de (coloque os anos que você já se converteu), o que Jesus tem para falar a seu respeito?

Como foi possível ler, o alerta que Paulo deu a igreja permaneceu sendo cumprindo: a reprovação de falsas doutrinas e ensinos.

Éfeso era uma igreja que servia, trabalhava em favor do Reino de Deus, uma igreja que tinha discernimento.

Portanto, tudo que ouviam do seu líder, a respeito destes assuntos, praticavam.

E você? Tem ouvido seu líder? Tem dado a devida importância as instruções dele?

Ainda na fala de Jesus, sobre esta igreja, após exaltar seus bons atributos o Senhor alerta, que havia um problema: eles abandonaram o primeiro amor.

E é neste ponto que é necessário refletir: Qual é a motivação que está no seu coração?

Será que você não está automatizado suas ações para Deus?

Parafraseando o que Jesus disse para a igreja de Éfeso: você guarda a Palavra e trabalha, mas o que o motiva a fazer isto?

O que o motiva se você já abandounou o primeiro amor? (se for este o seu caso)

Se não é o amor que o motiva a servir a Deus e a adorá-Lo, o que te motiva, então?

A igreja de Éfeso tinha uma habilidade grande olhar para os outros e detectar o erro, entretanto, não olhava para si.

E, hoje, no meio da igreja, há pessoas que se comportam da mesma maneira.

Examine a si mesmo, abra seus ouvidos para o quê o Espírito Santo ministra nesta Palavra.

Como você está? Quais têm sido as suas motivações?

Assim como Jesus disse a Éfeso: “Lembra-te de onde caíste”. Ele também diz para você.

Faça uma autoavaliação. Será que houve algum tempo na sua vida que você orou, estudou a Palavra, jejuou e participou dos cultos e programações da igreja mais do que hoje?

E o Senhor diz mais: “Arrependa-se!”

Então, tenha coragem de, após se examinar, de se arrepender do seus erros e pecados.

E por último Jesus diz: prática!

Não basta apenas identificar os erros e se arrepender deles, é necessário ter uma nova postura, voltar ao primeiro amor.

A partir desta leitura, portanto, convidamos a você a ouvir esta mensagem e avaliar o que pode aprender com a igreja de Éfeso!

Ouça a mensagem ‘O que posso aprender com a igreja de Éfeso’ e permita o Espírito Santo falar ao seu coração sobre como está o seu amor por Jesus Cristo:

 

Comunicação CERV

O sentido do Natal

O sentido do Natal se encontra no nascimento de Cristo no seu coração

Todos sabem que, no natal, comemora-se o nascimento de Jesus Cristo. Mas, quem é Jesus e para que ele nasceu?

Para responder esta pergunta vejamos o que o apóstolo Paulo escreveu para seu filho na fé, Timóteo:

Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal (1Timóteo 1.15)

Que Jesus veio ao mundo, ninguém duvida. A própria historia geral cita esse fato. Alias, todos os outros fatos históricos ficaram divididos entre antes e depois de Cristo.

Ele se tornou um ponto de referência universal. Quanto a veracidade de sua existência, existe comum acordo. Mas, quanto ao propósito da sua vinda, começam as polêmicas, que se originam em meras opiniões humanas.

O que o texto bíblico diz é que Jesus veio para salvar os pecadores. Ele não veio fundar uma nova religião, nem criar uma nova linha de pensamento filosófico. Ele veio salvar os pecadores.

Saiba um pouco mais sobre o Natal

O que é salvação? Libertação e livramento. Libertação no sentido presente: Quando alguém se entrega a Cristo, ele o liberta dos vícios, das angustias existenciais, da infelicidade, e das opressões espirituais.

A salvação é também livramento no sentido futuro. Os que aceitam a Cristo ficam livres da condenação eterna que sobre eles recairia no juízo final.

O apóstolo Paulo termina o versículo com as seguintes palavras :

dos quais eu sou o principal

Ele disse que a salvação era para os pecadores e que ele se considerava o principal deles. Isto é reconhecimento do estado pecaminoso.

A parte de Deus na obra da salvação foi enviar Jesus para morrer em nosso lugar, recebendo sobre si o castigo que seria nosso. A nossa parte é reconhecer que somos pecadores e que precisamos do perdão que Cristo oferece.

Jesus é o medico espiritual que atende com amor a todos os que reconhecem a doença do pecado. Ele ama a todos e diz: “Vinde a mim todos vos que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei.” (Mateus 11.28)

Reconheçamos pois nossa situação e oremos :

Senhor Jesus, sou pecador. Estou perdido e condenado. Preciso de ti. Eu creio que tu morreste em meu lugar. Tu assumiste a minha culpa e o castigo que seria meu. Agora, eu te aceito como meu Senhor e suficiente Salvador. Entrego a ti a minha vida e tudo que sou. Perdoa todos os meus pecados e ajuda-me a evita-los. Transforma-me para que eu possa viver para a tua honra e morar contigo na eternidade, Amém!

Entenda o significado do Natal

Você pode falar com Cristo agora mesmo onde você estiver. Se você o fizer com fé e com um sincero desejo de ter uma experiência real com ele, sua vida será transformada.

Só assim você poderá ter um FELIZ NATAL, pois, dessa forma, o nascimento de Jesus fará diferença para a sua vida, como fez para mim e para milhares de pessoas em todo o mundo.

Pr. Anísio Renato de Andrade

Aprenda sobre “O sentido do Natal” participe dos nossos cultos. Para saber sobre e dias e horários de celebração ligue: (31) 3451-5956 ou envie e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Missões na família

Missões na família começa por meio da primeira alma que é salva por Jesus. E você que lê este texto pode ser a chave para Jesus entrar na sua família.

Quando Jesus salva uma pessoa e passa habitar no coração dela, é iniciada uma obra de transformação e santificação.

Os vícios e maus hábitos são eliminados e as ações e reações são modificadas.

Isso ocorre porque não é mais a carne que domina o homen, mas sim o Espírito Santo de Deus.

Aprenderemos a respeito de missões na família por meio da história da prostituta Raabe.

Em Josué, capítulo 2, a Bíblia nos relata como a salvação entrou na casa desta mulher.

Raabe já tinha ouvido falar do Deus de Israel e fez um pedido aos espias que iam destruir Jericó:

Agora pois, peço-vos, jurai-me pelo Senhor que, como usei de bondade para convosco, vós também usareis de bondade para com a casa e meu pai; e dai-me um sinal seguro Js 2.12

Saiba como salvar a sua família

Ela pediu para que toda a sua família fosse salva. E para que isso acontecesse era necessário colocar uma fita vermelha na janela, como sinal para os espias.

A questão é que Raabe precisaria levar toda a sua família para a casa dela, que possivelmente poderia ser o local onde ela se prostituía.

Era necessário que ela tivesse coragem para salvar toda a sua casa.

E você, será que tem sido corajoso (a) para pregar o Evangelho a sua família? Você é um bom exemplo?

Para levar uma pessoa a Jesus Cristo é necessário dedicação em oração, jejum e também investir tempo com essa pessoa.

 

 

Entenda o poder que há na sua oração

As almas estão clamando por socorro, por auxílio e somente nós, que temos Jesus, podemos levar salvação e auxilio a elas.

É necessário mostrar para as pessoas a pessoa preciosa de Jesus que mora em nosso coração.

Retornando para a história de Raabe, a Bíblia nos conta que ela e toda a sua família foi salva.

Aquela mulher, prostituta, sem valor para a sociedade, mas especial para Deus trouxe vida para a sua casa.

Muitos livros a frente do de Josué, já no livro de Mateus, é possível encontrar a genealogia de Jesus.

Nesta genealogia encontra-se o nome de Raabe. Ela faz parte da família de Davi e Jesus é nascido da raiz de Davi.

Jesus mudou a história desta mulher e ela mudou a história da própria família.

E você? Já teve a sua história transformada por Jesus? Se sim, o que tem feito para mudar a história da sua família?

Ouça a mensagem Missões na família e permita que o Espírito Santo mostre a você como salvar a sua família:

 

Saiba mais sobre o assunto “Missões na família”, participe do Culto da Família celebrado mensalmente, no último domingo, às 19 horas, na CERV.
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para contato@restaurandovidascerv.com.br

A graça e a estação

A Graça e a estação. São duas palavras diferentes, mas que fazem parte da vida de todo filho de Deus.

A graça ela vem da parte do próprio Senhor, é um favor, um presente que o ser humano não merece.

Entretanto, mesmo não merecendo o Deus concede esse presente.

Na vida há várias situações nas quais a pessoa pede a Deus respostas e muitas vezes elas não chegam.

O apóstolo Paulo experimentou isso e como resposta ouviu do Senhor: “A minha graça te basta”

Paulo tinha um espinho na carne e clamou para que fosse retirado, mas recebeu de Deus graça.

Por meio deste exemplo podemos compreender algo: o mais importante em nossa vida é a graça de Deus.

Por isso, faz-se necessário que, diariamente clamemos pela graça do Senhor.

Na Palavra há homens de Deus que receberam do Pai graça: Moisés, Daniel, José, dentre outros.

Saiba como conquistar a sua vitória em Cristo Jesus

Então, ore pedindo a graça do Pai, pois por meio desta graça concedida o nome do Senhor seja honrado por meio da nossa vida.

É importante enxergar a graça em tudo, na vida espiritual, emocional, familiar, financeira, no físico, dentre outras.

Já a estação, tem relação com o tempo no qual as promessas de Deus se cumprem na vida do filho de Deus.

Há muitas orações que ainda não foram respondidas porque ainda não chegou a estação certa, não chegou o tempo.

Um bom exemplo disso é o ministério do Senhor Jesus.

Antes de nascer Maria ouviu do Anjo que estava grávida do Filho de Deus e que Ele faria grandes obras em nome do Pai.

Entretanto, Maria só viu a concretização desta promessa quando Jesus atingiu a idade de 30 anos.

A partir disso é possível compreender que há tempo para certas experiências.Existe um tempo e uma estação própria para que as coisas aconteçam em nossa vida.

existe um tempo para termos experiências e cumprirmos os propósitos de Deus em nossa vida.

Há uma estação para todas as coisas que Deus planejou na sua vida, portanto seja paciente e aguarde por Ele!

Se você tem vivido em obediência a Palavra e buscado a Deus de todo o seu coração, creia que a estação da bênção e da cura chegará!

Talvez há algo na sua vida que você sabe que depende exclusivamente de um milagre.

Então, não deixe de crer continue, pois Deus tem uma estação especial para este milagre chegar!

 

Não desista!

Persevere na oração e creia no poder de Deus, poder que se manifesta por meio da Palavra falada e destrói as obras do Diabo feitas contra a sua vida!

Jesus é o mesmo que opera ontem, hoje e eternamente. Portanto, não seja incrédulo para que as promessa de Deus se cumpram em sua vida!

Ouça esta mensagem e permita que Deus encha seu coração de fé e esperança:
Aprenda mais sobra A graça e a estação, participe do Culto das Causas Impossíveis, às sextas, às 19h30, na CERV. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

Cristo: a viva esperança

Cristo: a viva esperança! Sim, aquele que estava morto e foi ressuscitado ao terceiro dia. O plano de Deus para resgatar o homem encontrou sua plena realização.

Para muitos a morte de Cristo significou o fim da esperança, de um novo tempo. Entretanto a ressurreição aconteceu para mostrar o contrário.

Os discípulos que caminharam com Jesus por três anos haviam perdido a esperança, muitos voltaram a velha vida.

Porém, ao reverem a Cristo foi reacendido em seus coração a esperança. E com essa esperança  e após o batismo com o Espírito Santo. Eles começaram a pregar a respeito dessa esperança

E foi para isso que Jesus ressuscitou: para conceder a humanidade a esperança que o mundo não pode dar.

Apesar de muitas pessoas saberem dessa verdade, ainda possuem um coração desesperançoso. Mesmo aquelas que um dia foram ressuscitados em Cristo, permitem essa desesperança ocupar seus corações.

E, hoje, muitos têm abandonado Cristo, a viva esperança por motivos muitas das vezes banais. Desvalorizando, assim, essa entrega de Jesus na cruz para resgate da humanidade.

Há aqueles ainda que afirmam caminhar com Cristo, entretanto já não concedem espaço para Jesus, deixando-O em último plano.

Cristo, a viva esperança ressuscitou, Ele vive! E será que você tem valorizado a morte e ressurreição de Cristo?

Leia a respeito da crucificação de Cristo

Ele tem sido a razão do seu viver? Ou você facilmente tem trocado a presença do Senhor por pessoas e coisas que te afastam Dele?

Será que você está precisando que Cristo ressuscite a sua vida espiritual? Seu casamento? Sua família?

Cristo, a viva esperança te chama para estar com Ele, para viver para Ele e para transmitir essa esperança para todo o mundo.

Sem Cristo, não há esperança, mas como Ele a vitória sobre o mal, as dores, a morte é possível!

Ouça a mensagem Cristo: a viva esperança e permita que o Espírito Santo ressuscite a esperança em seu coração:
Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br 

A Ressurreição de Cristo

A ressurreição de Cristo é o seu grito de triunfo sobre a morte. É a prova cabal de que sua morte foi eficaz, de que seu sacrifício vicário foi perfeito e de que a porta da esperança está aberta para nós.

Não adoramos o Cristo preso na cruz nem o Cristo vencido pela morte. Jesus ressuscitou. Ele está à destra de Deus, de onde voltará com grande poder e glória. Vamos abordar essa magna doutrina da ressurreição sob três perspectivas:

1. A ressurreição de Cristo é um fato inegável (1Co 15.1-8) – Cristo morreu, foi sepultado e ressuscitou segundo as Escrituras. Sua morte e ressurreição não foram um acidente, mas uma agenda.

Ele não morreu como um mártir, o Pai o entregou e ele voluntariamente se deu. Sua morte foi pública e sua ressurreição confirmada por várias testemunhas. Nossa fé não está fundamentada num mito.

O alicerce da nossa esperança não está numa lenda. Os céticos tentam desesperadamente negar essa verdade incontroversa. Alguns dizem que Jesus não chegou a morrer, mas apenas teve um desmaio na cruz.

Outros dizem que os discípulos roubaram o corpo de Cristo. Ainda outros dizem que as mulheres foram ao túmulo errado e divulgaram a notícia de que sua sepultura estava aberta.

As trevas do engano, entretanto, não podem prevalecer contra a luz da verdade. Jesus está vivo. A realidade de sua ressurreição mudou a vida daqueles discípulos pusilânimes. Dominados pela convicção da vitória de Cristo sobre a morte, eles tornaram-se homens ousados e enfrentaram com galhardia os açoites, as prisões e o martírio.

2. A ressurreição de Cristo é um fato indispensável (1Co 15.12-20a) – O apóstolo coloca o machado da verdade na raiz do falso pensamento grego acerca da ressurreição.

Pelo fato de eles considerarem a matéria má e o corpo como cárcere da alma, não aceitavam a ressurreição do corpo. Paulo argumenta que se não há ressurreição do corpo, então Cristo não ressuscitou, e se Cristo não ressuscitou é vã nossa pregação e a nossa fé.

Se Cristo não ressuscitou somos falsas testemunhas de Deus. Se Cristo não ressuscitou ainda permanecemos nos nossos pecados. Se Cristo não ressuscitou os que dormiram em Cristo pereceram.

Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens. Mas, de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos. A ressurreição de Cristo é a pedra de esquina que mantém o edifício do cristianismo de pé.

O túmulo vazio de Cristo é o berço da igreja. Porque Cristo ressuscitou, a morte não tem a última palavra. Porque Cristo ressuscitou o túmulo gelado não é nosso destino. Caminhamos não para um ocaso lúgubre, mas para uma manhã radiosa de imortalidade e gozo eterno.

3. A ressurreição de Cristo é um fato incomparável (1Co 15.20b-28) – Cristo levantou-se da morte como primícias dos que dormem. Ele abriu o caminho e após ele seguiremos.

Como morremos em Adão, seremos vivificados em Cristo. Quando ele vier em sua majestade e glória, os mortos ouvirão dos túmulos a sua voz e sairão, uns para a ressurreição da vida e outros para a ressurreição do juízo.

Ao vencer a morte, ele tirou o aguilhão da morte e matou a morte com sua morte, triunfando sobre ela na ressurreição. Sua ressurreição é a garantia da nossa ressurreição.

À semelhança dele teremos, também, um corpo de glória. Nosso corpo será imortal, incorruptível, poderoso, glorioso, espiritual e celestial. Vamos brilhar como as estrelas no firmamento e como o sol no seu fulgor.

Caminhamos, portanto, não para um horizonte pardacento, mas para um céu de glória, onde estaremos com Cristo eternamente e com ele reinaremos para sempre!

Não podemos nos esquecer do favor de Cristo

Hernandes Dias Lopes

Nossa igreja fica à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Saiba como andar em santidade

É preciso entender que todo cristão deve trazer em si a marca de “santidade ao Senhor”, à semelhança do sacerdote da lei mosaica, que trazia esta inscrição na mitra (Ex 28.36-39).

Portanto queremos trazer luz sobre o processo de santificação e, em especial, a santificação do corpo, uma vez que vivemos dias em que a imoralidade que impera no mundo tem entrado pelos portões da Igreja.

É necessário começar estabelecendo fundamentos da doutrina de santificação, portanto quero iniciar pelo que considero o fundamento principal deste assunto:

“À igreja de Deus que está em Corinto, aos SANTIFICADOS em Cristo Jesus, CHAMADOS PARA SEREM SANTOS, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso.” (1 Coríntios 1.2)

O texto acima nos mostra que a santificação tem duas etapas:

inicial “santificados em Cristo Jesus”;

progressiva“chamados para serem santos”.

Quando a Bíblia usa o termo “santificados” em Cristo Jesus, não fala de algo que está acontecendo, mas sim de algo que já aconteceu; está no tempo passado.

Vários outros textos confirmam que ao encontrarmos Jesus e nascermos de novo, fomos santificados (At 26.18, 1 Co 6.11, etc).

Todo o passado de pecado foi removido e a sujeira espiritual foi lavada (Tt 3.5); tornamo-nos novas criaturas e as coisas velhas já passaram (2 Co 5.17).

Por outro lado, a mesma Bíblia mostra que depois de termos passado por esta santificação, ainda há necessidade de algo mais, pois o mesmo texto também diz: “chamados para serem santos”.

Estes mesmos que foram santificados inicialmente (uma experiência instantânea) são chamados para SEREM santos. Em outras palavras, o que Deus começou agora deve ser mantido e desenvolvido por cada um de nós.

“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá a Deus” (Hebreus 12.14)

Ao falar sobre seguir a santificação, a Bíblia está falando de um processo. Esta carta foi dirigida a pessoas cristãs, portanto já haviam passado pela santificação inicial do novo nascimento.

Porém, elas necessitavam de algo mais: um processo de santificação. E o que diferencia estas duas etapas da santificação?

O fato do homem ser tripartido (composto de três partes distintas), bem como o da salvação divina tocar de modo distinto cada uma destas partes:

“E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso ESPÍRITO e ALMA e CORPO sejam conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Tessalonicenses 5.23)

Quando o apóstolo Paulo fala sobre Deus nos santificar “completamente”, está falando sobre o nosso ser inteiro, que é composto de espírito, alma e corpo.

Seu espírito é a parte de si que tem consciência de Deus e das coisas espirituais. Sua alma é a parte de si que tem consciência de si mesmo.

Já seu corpo é a parte de si que tem consciência das coisas naturais. A salvação divina atinge cada uma destas três partes da seguinte maneira:

ESPÍRITO – já passou pela santificação inicial que se deu na ocasião da regeneração (2 Co 1.21 – Tg 1.18 – 1 Pe 1.21). Agora se desenvolve mediante o processo de crescimento (1 Pe 2.2 – Ef 5.15) que corresponde ao crescimento natural (1 Co 3.1-3 – Hb 5.13,14);

ALMA – é a nossa personalidade; sede das emoções, intelecto e vontade. Não é regenerada, mas restaurada (Tg 1.21) pela Palavra de Deus.

Enquanto a santificação do espírito é inicial e imediata, a santificação progressiva tem seu lugar na alma e no corpo.

É o processo de mudança de valores (Lc 5.33-39 – Ef 4.23 – Jr 18.1-6 – Rm 12.1,2) que também chamamos de desenvolver a salvação (Fl.1:6 e 2:12) e despir-se do velho homem (Ef 4.20 a 5.21);

CORPO – nosso corpo só será totalmente santificado depois de transformado (Rm 8.23 – Fl 2.21 – 1 Co 15.50-53).

Até que isto aconteça, a santificação do corpo é o processo contínuo de sujeitar a carne (1 Co 9.27), guardar-se da imoralidade (1 Co 6.13-20 – 1 Ts 4.1-8) e usar adequadamente os membros do corpo.

A santificação do corpo abrange ainda a nossa forma de falar e de vestir (Ef 4.25,29 – 1 Tm 2.9,10).

O que aconteceu em nosso espírito – a regeneração – é o que chamamos de santificação inicial.

Porém o processo de restauração da alma e sujeição da carne é o que chamamos de santificação progressiva.

Ao destacar cada uma das três partes que compõem nosso ser enquanto falava da santificação, o apóstolo Paulo estava nos mostrando a necessidade de trabalharmos com cada parte em separado.

Escrevendo aos Coríntios, ele falou sobre nos purificarmos das imundícies tanto da carne como do espírito (2 Co 7.1).

Reconhecida esta diferença, avancemos em nossa meditação considerando o que a Bíblia fala sobre a santificação do corpo, que é o enfoque deste estudo:

“Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição;

QUE CADA UM DE VÓS SAIBA POSSUIR O SEU VASO EM SANTIDADE E HONRA,

não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a Deus;

ninguém iluda ou defraude nisso a seu irmão, porque o Senhor é vingador de todas estas coisas, como também antes vo-lo dissemos e testificamos.

Porque Deus não nos chamou para a imundície, mas para a santificação.

Portanto, quem rejeita isso não rejeita ao homem, mas sim a Deus, que vos dá o seu Espírito Santo” (1 Tessalonicenses 4.3-8)

Diante do que as Sagradas Escrituras afirmam neste texto, podemos extrair cinco princípios:

1) abster-se da prostituição;

2) possuir o corpo em santidade e honra;

3) não iludir ou defraudar o irmão nesta área;

4) Deus é vingador;

5) rejeitar a santificação é rejeitar a Deus.

Examinemos o que a Bíblia tem a dizer sobre cada um deles…

Abster-se da prostituição

É impressionante a quantia de vezes em que a Bíblia adverte seus leitores (o povo de Deus) quanto aos perigos deste tipo de pecado! A prostituição (este termo inclui todos os pecados de ordem sexual) é um pecado diferente dos demais:

“Fugi da prostituição. Qualquer outro pecado que o homem comete, é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo” (1 Coríntios 6.18)

Há algo por trás deste tipo de pecado que ainda não temos percebido.

O que Paulo está enfatizando na carta aos irmãos de Corinto é o valor e santidade que o corpo deve ter como templo do Espírito Santo. Observe o contexto deste texto:

“Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos; Deus, porém, aniquilará, tanto um como os outros. Mas o corpo não é para a prostituição, mas para o Senhor, e o Senhor para o corpo.

Ora, Deus não somente ressuscitou ao Senhor, mas também nos ressuscitará a nós pelo seu poder. Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei pois os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz? De modo nenhum.

Ou não sabeis que o que se une à meretriz, faz-se um só corpo com ela? Porque, como foi dito, os dois serão uma só carne. Mas o que se une ao Senhor é um só espírito com ele.

Fugi da prostituição. Qualquer outro pecado que o homem comete, é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.

Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?

Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo” (1 Coríntios 6.13-20)

Quando meditamos nesta porção bíblica a ponto de deixa-la penetrar em nosso íntimo, uma nova consciência vai se formando.

Abster-se da prostituição é um imperativo para todo cristão porque seu corpo é templo do Espírito Santo de Deus!

O corpo não foi feito pelo Criador para se prostituir, e sim para carregar em si a presença de Deus, o que não pode acontecer quando o santuário é maculado.

Deus criou o corpo do homem com um destino bem definido. Assim como Ele fez o estômago para os alimentos (e vice-versa), o que revela um propósito e destino bem específico, assim também projetou e idealizou o corpo para ser seu santuário.

Desde o início Deus queria fazer de nós sua habitação.

O corpo não foi criado para a prostituição, mas para ser SANTO de modo a servir como morada de um Deus santo!

Conheça os estudos do pastor Luciano Subirá

Possuir o corpo em santidade e honra

Não somos donos de nós mesmos. Foi exatamente isto que Paulo afirmou aos Coríntios:

“Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo” (1 Coríntios 6.13-20)

Deus nos comprou pelo sangue vertido de Jesus na cruz. Agora não mais pertencemos a nós mesmos, mas sim a Deus. Nosso corpo deixou de ser nosso e passou a ser do Senhor, e Ele deseja que o glorifiquemos com o uso correto do nosso corpo.

Precisamos aprender a “possuir” (usar, ser mordomo) o corpo em santidade e honra. Isto fala na apenas de na nos prostituirmos, mas até mesmo da maneira como tratamos nosso corpo: alimentação, vestuário, etc. isto serve para todos, mas em especial para as mulheres! Não creio que possuir o corpo em santidade (diante de Deus) e honra (diante dos homens) inclua o uso de roupas sensuais e provocantes. O crente deve ser diferente! Isto não significa que teremos algum tipo de uniforme (terno para os homens e vestido para as mulheres, por exemplo), mas que devemos mostrar zelo pelo santuário de Deus e não defraudarmos uns aos outros nesta matéria. O ensino bíblico não deixa isto passar em branco:

“Quero, do mesmo modo, que as mulheres se ataviem COM TRAJE DECOROSO, com modéstia e sobriedade…” (1 Timóteo 2.9a)

Não devemos faltar com o decoro, mas honrar ao Senhor até na forma como nos vestimos. Isto também é possuir o corpo em santidade e honra!

Pr. Luciano Subirá

Na próxima quarta daremos continuidade a este estudo!
Deseja aprender a respeito da santificação, participe dos nossos cultos e Escola Bíblica Dominical! Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

Dá-me um CORAÇÃO igual ao Teu

Na Bíblia temos muitas orações que foram realizadas por homens e mulheres de Deus. E essas orações, tocaram o coração de Deus.

E como é importante que também façamos essas orações. Tomemos a oração de Davi no livro de Salmos 51.10:

“Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto”.

Davi passava por um momento de tribulação em sua vida. Ele suplicava pela oportunidade de novamente experimentar a graça da comunhão com o Senhor e de viver algo glorioso em Sua presença.

Não existe nada neste mundo mais corrupto que o coração do homem (Jr 17.9). Jesus Cristo disse que do coração do homem procedem os maus desígnios (Mc 7.21-23).

Quando me refiro ao coração, não falo do órgão que está no peito. O que quero dizer é que o coração é o centro da nossa alma.

Por isso, peça ao Senhor que crie em você um novo e puro coração. Clame pela renovação do seu interior com um espírito inabalável.

Num sentido figurativo, é como se pedisse ao Senhor para arrancar o seu coração corrupto e colocar o próprio coração Dele em você. Assim, situações como desemprego, pressões do dia a dia, conflitos familiares e tantas outras coisas não o abalarão (Sl 91.7).

Quando seus olhos estão firmados em Deus, quando você tem confiança na Palavra do Senhor e pauta sua vida nos ensinamentos contidos nela, sua caminhada é completamente diferente.

Você se torna inabalável. Não que você se tornará insensível. Em alguns momentos chorará e em outros sorrirá, mas com a certeza de que sua fé, que está no Senhor, jamais será abalada, bem como o amor que Ele tem por você.

Lembre-se: nada pode separar você do amor de Deus que está em Jesus Cristo nosso Senhor (Rm 8.38,39).

E, se durante a sua caminhada, você perdeu a alegria da salvação ou o primeiro amor por Jesus, você pode chegar diante do Senhor, como Davi, e clamar por um novo coração e pela restituição da alegria da salvação!

 Texto adaptado do e-book Retratos do Coração, do Pr. Márcio Valadão

Página 1 de 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén