Tag: Senhor

Campanha termina sábado

Campanha termina sábado, com encontro no templo da CERV, às 19 horas, participe!

A campanha “Senhor, dá-me um coração novo” chega ao fim neste sábado, 31 de março.

Foram dias de batalha espiritual, nos quais todos foram convocados a jejuar, orar e estudar o livro de Hebreus.

Entenda como funciona nossa campanha

Essas práticas espirituais foram estabelecidas com o objetivo dos irmãos se consagrarem ao Senhor para receber Dele um novo coração.

A cada encontro, aos sábados, o Espírito Santo trouxe a comunidade ministrações de louvor e da Palavra de Deus, abençoadas.

A campanha termina sábado, até lá persevere em oração

Por meio da manifestação do poder do Espírito Santo pessoas foram libertas, restauradas e renovadas.

“Louvo a Deus por esta campanha, pois foi direcionada por Ele, para que seus filhos recebessem um novo coração. E a partir desse novo coração ter uma nova vida que demonstre a presença de Jesus”, afirma pastora Graça Pitzer.

Saiba mais sobre o coração novo

Se você não participou este ano, ore e abra seu coração para fazer parte dessa campanha, pois o maior beneficiado será você!

Para você que está firme, lembre-se, a campanha termina sábado. Até lá ainda há alguns dias de jejum, oração e estudo da Palavra, então, persevere!

Comunicação CERV

Lições da Santa Ceia do Senhor

O apóstolo Paulo, em sua primeira carta aos Coríntios, tratou de maneira objetiva sobre a Ceia do Senhor. Jesus mesmo instituiu esse sacramento como um meio de graça para sua igreja. Somente aqueles que foram remidos e lavados no sangue do Cordeiro e confessam o nome do Senhor Jesus, devem participar desse banquete da graça. Só aqueles que discernem o que Cristo fez na cruz são chamados para participar desse sacramento. À luz do texto bíblico (1Co 11.23-34) queremos extrair quatro lições importantes:

1. UMA GLORIOSA MENSAGEM É PROCLAMADA (1CO 11.23-26) – A Ceia do Senhor foi instituída para que a igreja pudesse recordar continuamente o sacrifício vicário de Cristo na cruz a seu favor. Jesus fez grandes milagres e ofereceu à igreja sublimes ensinamentos, mas instituiu um sacramento para ser memorial da sua morte. Todas as vezes que nos assentamos ao redor da mesa da comunhão, estamos proclamando que o corpo de Cristo foi partido e dado por nós e seu sangue foi vertido como símbolo da nova aliança. A morte de Cristo é o eixo central do evangelho. Fomos reconciliados com Deus pela morte de Cristo. É pela sua morte que temos vida. Devemos anunciar a sua morte até que ele venha em glória.

2. UMA SOLENE ADVERTÊNCIA É FEITA (1CO 11.27) – Participar da Ceia do Senhor indignamente é um grave pecado. O indivíduo que assim procede torna-se réu do corpo e do sangue do Senhor. Como uma pessoa pode participar da Ceia de forma indigna? Fazendo-o sem discernimento espiritual, ou seja, sem crer no sacrifício vicário de Cristo. Não podemos nos aproximar da mesa do Senhor de forma digna a menos que reconheçamos a hediondez dos nossos pecados e que foi por eles que Cristo verteu o seu sangue na cruz. Não podemos participar da Ceia dignamente, a não ser que tenhamos plena consciência da nossa indignidade. Essa participação não é um privilégio do mérito, mas uma oferta da graça.

3. UMA ORDEM CLARA É DADA (1CO 11.28,29) – Sempre que somos chamados à mesa da Comunhão olhamos para o passado e contemplamos a cruz. Olhamos para a frente e aguardamos a volta gloriosa de Cristo. Olhamos ao redor e acolhemos em amor os nossos irmãos. Mas, também, olhamos para dentro para examinarmo-nos a nós mesmos. Não somos chamados para examinar os outros, mas para examinar a nós mesmos. Se examinássemos detidamente os nossos próprios pecados, não teríamos tempo para ficar apontando os pecados dos outros. Um superficial exame do nosso próprio coração é que nos torna tão críticos e intolerantes com os outros.

4. UMA DOLOROSA REALIDADE É CONSTATADA (1CO 11.30-34) – A participação desatenta e descuidada da Ceia do Senhor produz resultados desastrosos. Em vez de edificação vem juízo. Em vez de deleite espiritual vem disciplina. Paulo menciona três níveis dessa disciplina: Enfraquecimento, doença e morte. Entre os crentes de Corinto havia gente fraca, enferma e alguns haviam sido ceifados pela disciplina divina. O pecado sempre produz resultados desastrosos, sobretudo, na vida dos crentes.

A Ceia do Senhor é um momento de autoexame e arrependimento, mas também de profunda gratidão e alegria. Devemos nos aproximar da mesa do Senhor com santa reverência e santo temor e ao mesmo tempo com profunda gratidão e imensa alegria. Devemos celebrar essa festa não com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade (1Co 5.7,8).

Rev. Hernandes Dias Lopes

Hoje celebramos a Santa Ceia do Senhor na CERV! Participe conosco deste solene momento. O culto inicia ás 19 horas, no templo que fica à Rua Érico Veríssimo, 1167- Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Totalmente entregue

Totalmente entregue. Essa não foi a postura do povo hebreu na travessia em meio ao deserto.

Ao ler a história é possível perceber que o povo ainda não havia compreendido quem era Deus, o grande EU SOU!

Suas mentes e corações ainda estavam cheios dos costumes e influências do Egito (simboliza o pecado e as práticas pecaminosas deste mundo).

Acostumados a olhar para o homem (Faraó) como líder e deus, eles agiam da mesma maneira com Moisés. Eles não haviam compreendido que Deus os havia liberto do jugo da escravidão e não o homem Moisés.

Mesmo com todos os sinais e maravilhas realizados por Deus, ainda permaneciam os mesmos comportamentos e atitudes do passado.

Escolhiam pecar e desobedecer a Deus e infelizmente não se achegavam a Deus e tinham uma atitude de arrependimento.

Eles não aproveitaram a oportunidade de ter comunhão com  Deus e não o conheceram e se relacionaram com Ele tal como Moisés.

Moisés era totalmente entregue a Deus, vivia em santidade e obediência, logo tinha uma comunhão plena com o Senhor.

Várias vezes intercedeu pelos pecados dos isralitas, clamando a misericórdia do Senhor.

Continuamente prostrava-se e falava face a face com o Senhor, como seu amigo. Em uma de suas orações em favor dos israelitas Moisés pediu:

“Toma-nos por sua herança” (Êx 34.9)

Com isso Moisés pedia a Deus que trabalhasse no caráter, coração e mente daquele povo infiel e desobediente e os transformassem em pessoas segundo o coração do Senhor.

Para ser herança de Deus é necessário ter uma atitude de entrega total ao Senhor. De abrir mão de si, dos seus sonhos, projetos e desejos para viver exatamente os planos de Deus.

E você? Como está sua vida perante Deus? Totalmente entregue ou parcialmente? Será que tem se prostrado na presença do Senhor e clamado para que Ele mude seu coração e para viver os planos Dele para você?

Ouça a mensagem “Totalmente entregue” e permita que o Espírito Santo mostre como você está perante Deus!

Ouça as nossas mensagens e seja edificado!

Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica.

Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br 

A Ressurreição de Cristo

A ressurreição de Cristo é o seu grito de triunfo sobre a morte. É a prova cabal de que sua morte foi eficaz, de que seu sacrifício vicário foi perfeito e de que a porta da esperança está aberta para nós.

Não adoramos o Cristo preso na cruz nem o Cristo vencido pela morte. Jesus ressuscitou. Ele está à destra de Deus, de onde voltará com grande poder e glória. Vamos abordar essa magna doutrina da ressurreição sob três perspectivas:

1. A ressurreição de Cristo é um fato inegável (1Co 15.1-8) – Cristo morreu, foi sepultado e ressuscitou segundo as Escrituras. Sua morte e ressurreição não foram um acidente, mas uma agenda.

Ele não morreu como um mártir, o Pai o entregou e ele voluntariamente se deu. Sua morte foi pública e sua ressurreição confirmada por várias testemunhas. Nossa fé não está fundamentada num mito.

O alicerce da nossa esperança não está numa lenda. Os céticos tentam desesperadamente negar essa verdade incontroversa. Alguns dizem que Jesus não chegou a morrer, mas apenas teve um desmaio na cruz.

Outros dizem que os discípulos roubaram o corpo de Cristo. Ainda outros dizem que as mulheres foram ao túmulo errado e divulgaram a notícia de que sua sepultura estava aberta.

As trevas do engano, entretanto, não podem prevalecer contra a luz da verdade. Jesus está vivo. A realidade de sua ressurreição mudou a vida daqueles discípulos pusilânimes. Dominados pela convicção da vitória de Cristo sobre a morte, eles tornaram-se homens ousados e enfrentaram com galhardia os açoites, as prisões e o martírio.

2. A ressurreição de Cristo é um fato indispensável (1Co 15.12-20a) – O apóstolo coloca o machado da verdade na raiz do falso pensamento grego acerca da ressurreição.

Pelo fato de eles considerarem a matéria má e o corpo como cárcere da alma, não aceitavam a ressurreição do corpo. Paulo argumenta que se não há ressurreição do corpo, então Cristo não ressuscitou, e se Cristo não ressuscitou é vã nossa pregação e a nossa fé.

Se Cristo não ressuscitou somos falsas testemunhas de Deus. Se Cristo não ressuscitou ainda permanecemos nos nossos pecados. Se Cristo não ressuscitou os que dormiram em Cristo pereceram.

Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens. Mas, de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos. A ressurreição de Cristo é a pedra de esquina que mantém o edifício do cristianismo de pé.

O túmulo vazio de Cristo é o berço da igreja. Porque Cristo ressuscitou, a morte não tem a última palavra. Porque Cristo ressuscitou o túmulo gelado não é nosso destino. Caminhamos não para um ocaso lúgubre, mas para uma manhã radiosa de imortalidade e gozo eterno.

3. A ressurreição de Cristo é um fato incomparável (1Co 15.20b-28) – Cristo levantou-se da morte como primícias dos que dormem. Ele abriu o caminho e após ele seguiremos.

Como morremos em Adão, seremos vivificados em Cristo. Quando ele vier em sua majestade e glória, os mortos ouvirão dos túmulos a sua voz e sairão, uns para a ressurreição da vida e outros para a ressurreição do juízo.

Ao vencer a morte, ele tirou o aguilhão da morte e matou a morte com sua morte, triunfando sobre ela na ressurreição. Sua ressurreição é a garantia da nossa ressurreição.

À semelhança dele teremos, também, um corpo de glória. Nosso corpo será imortal, incorruptível, poderoso, glorioso, espiritual e celestial. Vamos brilhar como as estrelas no firmamento e como o sol no seu fulgor.

Caminhamos, portanto, não para um horizonte pardacento, mas para um céu de glória, onde estaremos com Cristo eternamente e com ele reinaremos para sempre!

Não podemos nos esquecer do favor de Cristo

Hernandes Dias Lopes

Nossa igreja fica à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Reuniões da campanha encerram-se hoje

Lembre-se de levar seu coração de papel com seus pedidos para receber a última unção

As reuniões da campanha: “Senhor dá-me um coração novo”, encerram-se neste sábado, 25 de março,  às 19 horas, na igreja.

Os irmãos devem estar no horário marcado, no templo da igreja, e  levar seus pedidos de oração. Pois será realizada a última unção.

Além do seus pedidos de oração, leve também um coração aberto para receber a Palavra de Deus e a ministração dos louvores.

Creia que o Senhor preparou uma unção gloriosa para este dia. Tome posse de que até o término desta campanha você terá um coração novo, em nome de Jesus!

É importante ressaltar que a campanha encerra-se oficialmente no dia 31 de março. Hoje apenas as reuniões no templo que estão sendo encerradas.

Ore para que tudo aconteça debaixo do poder e autoridade do nosso Deus, pois Ele é poderoso e fiel para realizar o impossível na sua vida!

Menos pose mais coração

Todos nós nos ajeitamos um pouco na hora de tirar fotos. Uma pose, um sorriso e pronto: momento registrado. Seja o culto, a festa ou almoço a foto servirá para nos lembrar de tal momento. No entanto, por mais que a fotografia nos lembre do evento, nunca nos dirá como realmente foi o acontecido.  Já vi fotos de festas onde pessoas posaram com um sorriso e roupas bonitas, quando a celebração mais parecia um velório. Nesta época de redes sociais, como o facebook, vemos pessoas posarem para fotografias em lugares lindos, onde tudo parece maravilhoso. Porém, infelizmente, tudo pode não passar de mera glamourização e distorção do real.

Enquanto muitos se fotografam num palácio, o coração pode ser na verdade a imagem de um casebre. Relatam riqueza quando a realidade é miséria. Mostram sorrisos quando o interior está em lágrimas. Não se engane com multidões, beleza ou glamour, pois uma foto só mostra a aparência e não o coração. O Senhor Jesus, certa vez, ao se referir a um grupo de religiosos disse: “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim” (Mt 15.8). Diante dessa colocação podemos ver que é possível passar uma imagem a outros que não condiz exatamente com a realidade. Muitas pessoas posam não apenas nas fotos, mas na vida. Tentam esconder suas fraquezas e seus erros e não percebem que, enquanto sofrem debaixo de seus mistérios, o relógio da vida está passando há muito tempo.

Peço ao Senhor que nos livre de parecer mais do que realmente somos. Desejo que Ele possa não apenas nos fazer sorrir para um momento, mas tocar de forma eterna nossos corações. Que possamos ser radicalmente sinceros e nos entregarmos a Deus a ponto que o Senhor transforme toda mentira cativa em verdade dentro de nós. Oro a Deus para que Ele possa mudar mais corações do que rostos e assim nossas fotos serão não apenas imagens, mas retratos fiéis do que aconteceu dentro de nós. Clamo ao Senhor que haja menos pose e mais coração!

Texto adaptado de Drummond Lacerda, site ventonofogo.com

Saiba mais sobre o coração lendo o texto “Dá-me um coração igual ao Teu”

Este mês nossa igreja está aprendendo a respeito de um novo coração. Se você deseja conquistar um novo coração, venha nos fazer uma visita!

Nossa igreja fica à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Deus que fala

Deus é um Deus de relacionamento, de intimidade e que tem o interesse de se fazer conhecido ao homem.

O prazer Dele é ter comunhão com os seus filhos e de declarar seus caminhos perfeitos àqueles que o buscam.

Hoje, o Senhor quer estabelecer com você uma história de comunhão e amizade. Ensiná-lo a ouvi-Lo e a viver segundo a direção que Ele lhe conceder.

Ouça a mensagem “Deus que fala” e permita que o Espírito Santo desperte o seu coração para ouvir a voz do Deus Todo Poderoso:
Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br 

 

A importância da Palavra

a-importancia-da-palavra-de-deus-2Após uma longa trajetória de conquistas, Josué, um homem que demonstrou dedicação, obediência e santidade em sua vida, inicia uma série de conselhos à nação de Israel (Js 23.1,2,6,14). Embora muito já havia sido realizado, ainda restavam algumas cidades que Deus prometera ao Seu povo e que precisavam ser conquistadas.

Aquele que tem um Alvo não pode negligenciar a trajetória

Aquele que tem um alvo não pode negligenciar a trajetória. Por isso Josué está compartilhando com Israel o segredo do sucesso de sua jornada: apegar-se à Palavra de Deus e lhe dar a devida importância!

Infelizmente, nossa geração tem se preocupado demasiadamente com os resultados e negligenciado os processos que levam ao sucesso. Como parte do exército de Deus, precisamos aprender que a garantia da nossa vitória não está nas habilidades que possuímos. E sim em ouvir, acolher e obedecer a Palavra de Deus.

Precisamos aprender que a garantia da nossa vitória não está nas habilidades que possuímos. E sim em ouvir, acolher e obedecer a Palavra de Deus.

Josué sabia que a única coisa que poderia derrotar o exército de Israel era sua própria desobediência à Palavra. Se o povo aprendesse a dar a devida importância à ela, seria invencível diante de qualquer inimigo. Por isso, vale a pena dar ouvidos aos conselhos de Josué:

a-importancia-da-palavra-de-deusSe esforce em obedecer: a obediência é algo que precisa ser aprendido e requer disciplina. Aquele que ama a Palavra de Deus lutará contra suas vontades e desejos. Custe o que custar, fará tudo para permanecer obedecendo a Deus e contrariando a sua natureza humana, que gosta de avançar limites e quebrar regras.

Não se desvie: quando Josué fala ao povo para não se desviar da Palavra nem para a direita e nem para a esquerda, está alertando para os perigos existentes nos atalhos e nas margens do caminho. Permanecer no caminho é um ato de perseverança.

Tenha fé: é muito mais que acreditar, é confiar plenamente. Muitos acreditam que um avião pode voar, mas nem todos tem coragem de viajar em um. Assim são muitos cristãos – creem que a Bíblia é a verdade, mas não permitem que suas vidas sejam conduzidas por ela.

Josué foi bem-sucedido porque deu ouvidos aos conselhos de Moisés no início de sua caminhada e foi fiel até o fim. Ele deu primazia à Palavra de Deus em sua vida! Portanto, ainda que pareça loucura, permaneçamos firmes no que Deus nos falou em Sua Palavra!

Texto adaptado do estudo de células Josué, de consolidado a consolidador

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén