Tag: restauração (Page 1 of 2)

O Deus doméstico

O Deus doméstico é a presença do Senhor dentro do lar e nos corações das pessoas que compõe a família que habita nesse lar.
 
Trazer Jesus para dentro do ambiente doméstico é fundamental para o sucesso da família.
 
Por meio de Cristo há amor, alegria, paz, perdão, humildade e comunhão para o seio familiar.
 Na Bíblia há dois versículos que apresentam o momento que Jesus entra na casa de Pedro, seu discípulo.
 
Ao entrar o mestre encontra a sogra de Pedro acamada, com febre. Logo Jesus a curou e a mulher passou a servi-lo.
 
Entrando Jesus na casa de Pedro, viu a sogra deste de cama, com febre. Tomando-a pela mão, a febre a deixou, e ela se levantou e começou a servi-lo
(Mateus 8. 14 e 15).
 Nesse trecho, chama a atenção, o fato de que não foi Pedro ou sua esposa que se aproximaram de Jesus e relataram o problema da mulher.
 
A Bíblia afirma que Jesus “viu a sogra deste de cama, com febre” e em seguida a curou.
 
Muitas vezes, assim como Pedro, pessoas que caminham com Jesus e têm comunhão com Ele estão negligenciando necessidades de familiares.
 
Essas necessidades podem ser de ordem física, espiritual, emocional e/ou material.
 
Se você fecha os olhos para as dificuldades dos seus familiares é preciso repensar o seu relacionamento com Deus e com a sua família.
O Deus doméstico precisa fazer parte da vida do seu lar
 
Além das orações é necessário levar Jesus para dentro de casa, por meio de exemplos que glorifiquem o nome Dele.
A sogra de Pedro, assim que recebeu a cura, passou a servir a Jesus e também as demais pessoas.
Esse deve ser o resultado do agir de Jesus na sua vida. Após receber a Cristo e ser transformado, você precisa servir a Deus o apresentando a sua família.
Qual o papel que você exerce, atualmente, na sua casa? Pai? Mãe? Filho (a)? Esposo? Esposa?
Tem cumprido, segundo o que é ensinado nas Sagradas Escrituras?
O Deus doméstico precisa fazer parte da vida do seu lar. Nos relacionamentos, onde reine o amor, onde um serva ao outro em amor.
Ouça a mensagem ‘O Deus doméstico’ e seja uma bênção para o seu lar:

 

 
Comunicação CERV

Como ter uma família feliz?

Como ter uma família feliz?

Com certeza você já fez ou ouviu essa pergunta alguma vez em sua vida. As respostas podem ser as mais variadas.

Mas dentre essas respostas qual garante o êxito de desfrutar da felicidade dentro do lar?

Essa questão e outras que envolvem a família serão respondidas no:

III Congresso Legislativo, Direito e Igreja 

Revendo conceitos: Família de Deus nos dias de hoje

O congresso será realizado no dia 26 de maio (sábado), das 8 às 21 horas, na Comunidade Evangélica Restaurando Vidas (CERV).

Os temas que serão abordados nas palestras e painéis são:

-Casamento

– Criação de Filhos

– O plano de Deus para a família

– O poder legislativo e a família

– O poder judiciário e a família

 

Aprenda mais sobre princípios importantes para construir a sua família

 

Todos esses assuntos serão elucidados aos participantes à luz das Sagradas Escrituras, pelos seguintes palestrantes:

 

Promotor Joaquim Miranda

Graduado em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia (1990), mestre em Ciências Jurídico-Criminais pela Universidade de Coimbra (2001) e doutor em Ciências Jurídico-Sociais pela Universidade do Museu Social Argentino (2008). Atualmente, compõe o Comitê Acadêmico do novo Doutorado em Ciências Jurídicas da Universidad del Museo Social Argentino

 

Deputado João Leite

Ex-atleta profissional e bacharel em História. Ao encerrar a carreira de atleta, João Leite dedicou-se à política. Foi vereador por Belo Horizonte e deputado estadual, e eleito deputado estadual por seis mandatos sucessivos. Atualmente é deputado estadual e exerce seu sexto mandato consecutivo na Assembleia de Minas, onde ingressou em 1995.

 

 
Antônio Viana

Há 17 anos exerce o pastorado e foi o pastor presidente e fundador da Comunidade Evangélica Palavra Viva em Paraobeba (MG). Atualmente é pastor da Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte e líder do Culto Jeová Rafá.

 

 

 

 

Conheça nosso curso de teologia

 

Nélson e Solange Gouvêa

Casados há 39 anos, Nélson e Solange são formados em teologia pelo Seminário Evangélico Betânia de Coronel Fabriciano (MG). Atuaram por muitos anos da área de ensino e louvor. Desde 2001 fazem parte do Corpo Pastoral da Igreja Batista da Renascença de Belo Horizonte (MG), trabalhando como pastores da família. Receberam da parte de Deus um Ministério específico com famílias, no qual trabalham há vários anos.

 

Ruy Mota

 

Fundador, junto ao seu irmão, da empresa Bello Cards, em Belo Horizonte. É pastor e adorador do Senhor Jesus. Seu último trabalho musical é o CD “Põe o trem nos trilhos”.

 

 

Marcelo Leocádio

Casado há 17 anos com Sandra, Marcelo é membro da Igreja Evangélica Betânia de Venda Nova, onde atua no ministério de louvor.

 

 

Para ter acesso ao conhecimento que será compartilhado pelos convidados, acima, você investirá apenas R$30,00 reais.

Neste valor está incluído: material do congresso, acesso as palestras e painéis, almoço e jantar.

Faça esse investimento na sua vida e na sua família!

Para se inscrever, entre em contato com a diretoria do seminário, Kátia Brito: (31) 3504-1341 / 993096957. Ou envie um e-mail para: seminarioteologico@restaurandovidascerv.com.br.

 

Saiba ‘Como ter uma família feliz’ inscreva-se no congresso! As inscrições encerram-se no dia 22 de maio!
Mais informações ligue: (31) 3504-1341 / 99309-6957 (fale com Kátia)

 

Comunicação CERV

Campanha termina sábado

Campanha termina sábado, com encontro no templo da CERV, às 19 horas, participe!

A campanha “Senhor, dá-me um coração novo” chega ao fim neste sábado, 31 de março.

Foram dias de batalha espiritual, nos quais todos foram convocados a jejuar, orar e estudar o livro de Hebreus.

Entenda como funciona nossa campanha

Essas práticas espirituais foram estabelecidas com o objetivo dos irmãos se consagrarem ao Senhor para receber Dele um novo coração.

A cada encontro, aos sábados, o Espírito Santo trouxe a comunidade ministrações de louvor e da Palavra de Deus, abençoadas.

A campanha termina sábado, até lá persevere em oração

Por meio da manifestação do poder do Espírito Santo pessoas foram libertas, restauradas e renovadas.

“Louvo a Deus por esta campanha, pois foi direcionada por Ele, para que seus filhos recebessem um novo coração. E a partir desse novo coração ter uma nova vida que demonstre a presença de Jesus”, afirma pastora Graça Pitzer.

Saiba mais sobre o coração novo

Se você não participou este ano, ore e abra seu coração para fazer parte dessa campanha, pois o maior beneficiado será você!

Para você que está firme, lembre-se, a campanha termina sábado. Até lá ainda há alguns dias de jejum, oração e estudo da Palavra, então, persevere!

Comunicação CERV

Campanha: “Senhor, dá-me um coração novo”

A Campanha: “Senhor, dá-me um coração novo” inicia-se hoje e se encerrará no dia 31 deste mês

A partir de hoje os membros da CERV estão engajados na campanha: “Senhor dá-me um coração novo”.

O propósito dessa campanha é clamar a Deus por um novo coração, transformado, regenerado pelas mãos de Deus, como está descrito em Ezequiel 36.26:

 Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e lhes darei um coração de carne

Neste período todos devem orar por 1 hora, jejuar e estudar um capítulo por dia da carta aos Hebreus. E aos sábados, participar das reuniões que acontecem às 19 horas, no templo.

Saiba qual o coração que toca o coração de Deus

É a oportunidade de conquistar um coração transformado pelo poder de Deus e que agrada totalmente ao Senhor.

Participe e seja perseverante na conquista do seu novo coração!

Comunicação CERV

A CERV fica à Rua Érico Veríssimo, 1167- Santa Mônica.
Mais informações ligue: (31) 3451- 5956 / 99309-6957 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Obedeça e receba a vitória

Obedeça e receba a vitória. A frase pode parecer simples, mas carrega em si uma verdade com embasamento bíblico.

De Gênesis a Apocalipse, toda a Bíblia tratará da obediência como a chave para a vitória em todas as áreas da vida.

Esse princípio também pode ser observado na história de Naamã, relatada em 2 Reis capítulo 5.

O texto Sagrado afirma que Naamã era comandante vitorioso da Síria, muito respeitado e estimado pelo rei, pelo povo e pela sua família.

Entretanto, apesar de tanta estima o comandante sofria de uma terrível doença: a lepra.

Talvez, assim como esse homem você tem uma boa fama, por ser obediente e zeloso com a obra de Deus.

Porém, há algo que afeta a sua vida, seja um problema espiritual, familiar, financeiro, profissional ou físico.

E diante dessa situação incômoda você não sabe como agir.

Muitas vezes a sua dificuldade, em qualquer uma das áreas citadas anteriormente,também tem atingido a sua família.

Trazendo dor, sofrimento, dificuldades, desgaste nos relacionamentos e etc.

Com Naamã devia ser da mesma forma, afinal a lepra privava o seu portador de contatos íntimos, deixava as roupas do doente sujas e causava desconforto a todos.

A lepra era considerada uma doença incurável. Apenas uma intervenção sobrenatural poderia solucionar o problema de Naamã.

Talvez como Naamã você também possuí uma situação sem solução e que precisa urgente de uma ação divina.

A Palavra afirma que “para Deus nada é impossível” (Lc 1.37). Portanto, Ele pode resolver todas as coisas.

Deus pode tocar e mudar o seu espírito, alma e corpo, mas tudo dependerá da sua fé.

Entenda como a obediência é a chave da vitória

Além da lepra física, Naamã também possuía a lepra do pecado, pois não conhecia ao Deus de Israel e adorava outros deuses.

O que o comandante não sabia era que a solução para as suas doenças estava dentro da sua casa.

Em uma das investidas da Síria contra Israel,  Naamã capturou uma menina e a deu como escrava para a sua esposa.

A Bíblia não relata, mas por ser israelita podemos supor que ela fora criada nos costumes e nas Leis de Deus.

E é essa menina, serva de Deus, que apresenta para sua senhora a solução para Naamã:

Antes o meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria da sua lepra 2 Reis 5.3

Naamã deu ouvidos ao conselho de sua escrava e pediu cartas ao rei da Síria para que pudesse ir até Israel buscar a solução do seu problema.

O rei de Israel diante do que lê nas cartas, rasga suas vestes e declara:

Sou eu Deus, para matar e para vivificar, para que este envie a mim um homem, para que eu o cure da sua lepra? Pelo que deveras notai, peço-vos, e vede que busca ocasião contra mim 2 Reias 5.7

Saiba como a obediência nos faz vitoriosos

O rei israelita agiu corretamente, pois realmente não tinha nada que pudesse fazer pelo general sírio.

A verdade é que Naamã foi buscar ajuda no lugar errado e na pessoa errada. Será que, assim como ele, você também não está procurando ajuda no lugar errado?

Onde ou em quem está a sua esperança e expectativa? Saiba que apenas o Senhor Deus tem todas as respostas que precisa!

O profeta Eliseu fica sabendo sobre Naamã e por meio do seu servo manda um recado para o rei:

Por que rasgaste as tuas vestes? Deixa-o vir a mim, e saberá que há profeta em Israel 2 Reis 5.8

Naamã  vai ao encontro de Eliseu, que não se apresenta pessoalmente, mas envia a seguinte mensagem:”Vai e lava-te sete vezes no rio Jordão”.

A Bíblia afirma que o comandante se sentiu contrariado e ofendido.

E com isso o seu orgulho e desobediência quase o impediram de receber a cura.

De repente Deus quer que você desça, humilhe-se e apenas ouça e obedeça a voz do Senhor para que seu problema seja solucionado.

Não se importe com o que as pessoas dirão ao seu respeito, apenas obedeça e receba a vitória, o milagre de Deus!

Os servos de Naamã insistiram com ele, pois viram que era algo simples de se realizar, bastava descer sete vezes no Rio Jordão.

Será que não é isso que Deus quer de você? Que desça, humilhe-se e reconheça sua pequenez diante Dele para que Ele realize o milagre?

Naamã desceu e saiu das águas curado e reconhecendo que não havia outro Deus, que não fosse o Deus de Israel.

Ele foi livre da lepra física e da lepra espiritual!

Se Naamã não fizesse isso, morreria debaixo daquela maldição e não teria uma vida abundante com Deus.

Por isso, hoje, escolha descer e obedecer. Quem assim procede recebe do Senhor  vitória e bênçãos maravilhosas!

Missª Nágila Araújo

Aprenda mais sobre o tema “Obedeça e receba a vitória” participe do Culto das Causas Impossíveis. Celebrado às sextas, às 19h30, na CERV.
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para contato@restaurandovidascerv.com.br

A graça e a estação

A Graça e a estação. São duas palavras diferentes, mas que fazem parte da vida de todo filho de Deus.

A graça ela vem da parte do próprio Senhor, é um favor, um presente que o ser humano não merece.

Entretanto, mesmo não merecendo o Deus concede esse presente.

Na vida há várias situações nas quais a pessoa pede a Deus respostas e muitas vezes elas não chegam.

O apóstolo Paulo experimentou isso e como resposta ouviu do Senhor: “A minha graça te basta”

Paulo tinha um espinho na carne e clamou para que fosse retirado, mas recebeu de Deus graça.

Por meio deste exemplo podemos compreender algo: o mais importante em nossa vida é a graça de Deus.

Por isso, faz-se necessário que, diariamente clamemos pela graça do Senhor.

Na Palavra há homens de Deus que receberam do Pai graça: Moisés, Daniel, José, dentre outros.

Saiba como conquistar a sua vitória em Cristo Jesus

Então, ore pedindo a graça do Pai, pois por meio desta graça concedida o nome do Senhor seja honrado por meio da nossa vida.

É importante enxergar a graça em tudo, na vida espiritual, emocional, familiar, financeira, no físico, dentre outras.

Já a estação, tem relação com o tempo no qual as promessas de Deus se cumprem na vida do filho de Deus.

Há muitas orações que ainda não foram respondidas porque ainda não chegou a estação certa, não chegou o tempo.

Um bom exemplo disso é o ministério do Senhor Jesus.

Antes de nascer Maria ouviu do Anjo que estava grávida do Filho de Deus e que Ele faria grandes obras em nome do Pai.

Entretanto, Maria só viu a concretização desta promessa quando Jesus atingiu a idade de 30 anos.

A partir disso é possível compreender que há tempo para certas experiências.Existe um tempo e uma estação própria para que as coisas aconteçam em nossa vida.

existe um tempo para termos experiências e cumprirmos os propósitos de Deus em nossa vida.

Há uma estação para todas as coisas que Deus planejou na sua vida, portanto seja paciente e aguarde por Ele!

Se você tem vivido em obediência a Palavra e buscado a Deus de todo o seu coração, creia que a estação da bênção e da cura chegará!

Talvez há algo na sua vida que você sabe que depende exclusivamente de um milagre.

Então, não deixe de crer continue, pois Deus tem uma estação especial para este milagre chegar!

 

Não desista!

Persevere na oração e creia no poder de Deus, poder que se manifesta por meio da Palavra falada e destrói as obras do Diabo feitas contra a sua vida!

Jesus é o mesmo que opera ontem, hoje e eternamente. Portanto, não seja incrédulo para que as promessa de Deus se cumpram em sua vida!

Ouça esta mensagem e permita que Deus encha seu coração de fé e esperança:
Aprenda mais sobra A graça e a estação, participe do Culto das Causas Impossíveis, às sextas, às 19h30, na CERV. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

A diferença que Jesus faz na família

O texto de João 2.1-11, nos fala que Jesus foi a uma festa de casamento.

Por meio deste evento, podemos aprender algumas lições que podem restaurar a sua vida e salvar o seu casamento:

1- Jesus é a pessoa mais importante a ser convidada para o casamento. Ele estava presente naquele casamento e salvou aquela família de um grande constrangimento.

A maior necessidade das famílias hoje é a presença de Jesus.

2- Precisamos discernir com rapidez quando a alegria está acabando. Maria percebeu que o vinho estava acabando e que alguma coisa deveria ser feita. O vinho é símbolo da alegria.

Muitos casamentos naufragam porque os cônjuges não discernem as crises no seu nascedouro. Deixam o tempo passar sem nenhuma atitude tomar.

Aprenda como batalhar pela sua família

3- Precisamos recorrer à pessoa certa na hora da crise. Maria buscou a Jesus.

O segredo da felicidade conjugal não é a ausência de problemas, mas ter sabedoria e pressa para levar os problemas a Jesus.

Contudo, muitos casais, ao entrarem em crise, cavam cisternas rotas onde não há água. Buscam ajuda em caminhos que só os fazem desviar mais da vereda da felicidade.

4- Precisamos obedecer e fazer o que Jesus manda. Ele mandou os serventes encherem de água as talhas.

Sempre que o casal se dispõe a obedecer prontamente a Palavra de Deus, o vinho da alegria começa a jorrar de novo dentro do lar.

5- Precisamos ser guiados pela fé e não pelos nossos sentimentos. Aqueles serventes creram e encheram de água as talhas.

O milagre da transformação acontece quando nos dispomos a crer, mesmo que a nossa razão não consiga explicar.

6- Quando Jesus intervém na família, o melhor sempre vem depois. O vinho que Jesus ofereceu era de melhor qualidade. Assim, os melhores dias do casamento não são os da lua de mel e sim os que se seguem à entrada de Jesus na família.

Quando Ele reina plenamente a vida conjugal se torna mais consistente, profunda e madura.

Saiba como proteger sua família do mal

7- Quando Jesus intervém na família, as pessoas glorificam a Deus e passam a crer nele. Não há milagre maior do que uma família transformada. Jesus é o mesmo hoje.

Ele pode restaurar também a alegria lá na sua casa e fazer florescer no seu coração a esperança de uma nova vida, de uma família cheia de verdor e felicidade!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda sobre “A diferença que Jesus faz na família”. Participe do Culto da Família, celebrado hoje, às 19 horas, na CERV.
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Lições da Santa Ceia do Senhor

O apóstolo Paulo, em sua primeira carta aos Coríntios, tratou de maneira objetiva sobre a Ceia do Senhor. Jesus mesmo instituiu esse sacramento como um meio de graça para sua igreja. Somente aqueles que foram remidos e lavados no sangue do Cordeiro e confessam o nome do Senhor Jesus, devem participar desse banquete da graça. Só aqueles que discernem o que Cristo fez na cruz são chamados para participar desse sacramento. À luz do texto bíblico (1Co 11.23-34) queremos extrair quatro lições importantes:

1. UMA GLORIOSA MENSAGEM É PROCLAMADA (1CO 11.23-26) – A Ceia do Senhor foi instituída para que a igreja pudesse recordar continuamente o sacrifício vicário de Cristo na cruz a seu favor. Jesus fez grandes milagres e ofereceu à igreja sublimes ensinamentos, mas instituiu um sacramento para ser memorial da sua morte. Todas as vezes que nos assentamos ao redor da mesa da comunhão, estamos proclamando que o corpo de Cristo foi partido e dado por nós e seu sangue foi vertido como símbolo da nova aliança. A morte de Cristo é o eixo central do evangelho. Fomos reconciliados com Deus pela morte de Cristo. É pela sua morte que temos vida. Devemos anunciar a sua morte até que ele venha em glória.

2. UMA SOLENE ADVERTÊNCIA É FEITA (1CO 11.27) – Participar da Ceia do Senhor indignamente é um grave pecado. O indivíduo que assim procede torna-se réu do corpo e do sangue do Senhor. Como uma pessoa pode participar da Ceia de forma indigna? Fazendo-o sem discernimento espiritual, ou seja, sem crer no sacrifício vicário de Cristo. Não podemos nos aproximar da mesa do Senhor de forma digna a menos que reconheçamos a hediondez dos nossos pecados e que foi por eles que Cristo verteu o seu sangue na cruz. Não podemos participar da Ceia dignamente, a não ser que tenhamos plena consciência da nossa indignidade. Essa participação não é um privilégio do mérito, mas uma oferta da graça.

3. UMA ORDEM CLARA É DADA (1CO 11.28,29) – Sempre que somos chamados à mesa da Comunhão olhamos para o passado e contemplamos a cruz. Olhamos para a frente e aguardamos a volta gloriosa de Cristo. Olhamos ao redor e acolhemos em amor os nossos irmãos. Mas, também, olhamos para dentro para examinarmo-nos a nós mesmos. Não somos chamados para examinar os outros, mas para examinar a nós mesmos. Se examinássemos detidamente os nossos próprios pecados, não teríamos tempo para ficar apontando os pecados dos outros. Um superficial exame do nosso próprio coração é que nos torna tão críticos e intolerantes com os outros.

4. UMA DOLOROSA REALIDADE É CONSTATADA (1CO 11.30-34) – A participação desatenta e descuidada da Ceia do Senhor produz resultados desastrosos. Em vez de edificação vem juízo. Em vez de deleite espiritual vem disciplina. Paulo menciona três níveis dessa disciplina: Enfraquecimento, doença e morte. Entre os crentes de Corinto havia gente fraca, enferma e alguns haviam sido ceifados pela disciplina divina. O pecado sempre produz resultados desastrosos, sobretudo, na vida dos crentes.

A Ceia do Senhor é um momento de autoexame e arrependimento, mas também de profunda gratidão e alegria. Devemos nos aproximar da mesa do Senhor com santa reverência e santo temor e ao mesmo tempo com profunda gratidão e imensa alegria. Devemos celebrar essa festa não com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade (1Co 5.7,8).

Rev. Hernandes Dias Lopes

Hoje celebramos a Santa Ceia do Senhor na CERV! Participe conosco deste solene momento. O culto inicia ás 19 horas, no templo que fica à Rua Érico Veríssimo, 1167- Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

A Ressurreição de Cristo

A ressurreição de Cristo é o seu grito de triunfo sobre a morte. É a prova cabal de que sua morte foi eficaz, de que seu sacrifício vicário foi perfeito e de que a porta da esperança está aberta para nós.

Não adoramos o Cristo preso na cruz nem o Cristo vencido pela morte. Jesus ressuscitou. Ele está à destra de Deus, de onde voltará com grande poder e glória. Vamos abordar essa magna doutrina da ressurreição sob três perspectivas:

1. A ressurreição de Cristo é um fato inegável (1Co 15.1-8) – Cristo morreu, foi sepultado e ressuscitou segundo as Escrituras. Sua morte e ressurreição não foram um acidente, mas uma agenda.

Ele não morreu como um mártir, o Pai o entregou e ele voluntariamente se deu. Sua morte foi pública e sua ressurreição confirmada por várias testemunhas. Nossa fé não está fundamentada num mito.

O alicerce da nossa esperança não está numa lenda. Os céticos tentam desesperadamente negar essa verdade incontroversa. Alguns dizem que Jesus não chegou a morrer, mas apenas teve um desmaio na cruz.

Outros dizem que os discípulos roubaram o corpo de Cristo. Ainda outros dizem que as mulheres foram ao túmulo errado e divulgaram a notícia de que sua sepultura estava aberta.

As trevas do engano, entretanto, não podem prevalecer contra a luz da verdade. Jesus está vivo. A realidade de sua ressurreição mudou a vida daqueles discípulos pusilânimes. Dominados pela convicção da vitória de Cristo sobre a morte, eles tornaram-se homens ousados e enfrentaram com galhardia os açoites, as prisões e o martírio.

2. A ressurreição de Cristo é um fato indispensável (1Co 15.12-20a) – O apóstolo coloca o machado da verdade na raiz do falso pensamento grego acerca da ressurreição.

Pelo fato de eles considerarem a matéria má e o corpo como cárcere da alma, não aceitavam a ressurreição do corpo. Paulo argumenta que se não há ressurreição do corpo, então Cristo não ressuscitou, e se Cristo não ressuscitou é vã nossa pregação e a nossa fé.

Se Cristo não ressuscitou somos falsas testemunhas de Deus. Se Cristo não ressuscitou ainda permanecemos nos nossos pecados. Se Cristo não ressuscitou os que dormiram em Cristo pereceram.

Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens. Mas, de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos. A ressurreição de Cristo é a pedra de esquina que mantém o edifício do cristianismo de pé.

O túmulo vazio de Cristo é o berço da igreja. Porque Cristo ressuscitou, a morte não tem a última palavra. Porque Cristo ressuscitou o túmulo gelado não é nosso destino. Caminhamos não para um ocaso lúgubre, mas para uma manhã radiosa de imortalidade e gozo eterno.

3. A ressurreição de Cristo é um fato incomparável (1Co 15.20b-28) – Cristo levantou-se da morte como primícias dos que dormem. Ele abriu o caminho e após ele seguiremos.

Como morremos em Adão, seremos vivificados em Cristo. Quando ele vier em sua majestade e glória, os mortos ouvirão dos túmulos a sua voz e sairão, uns para a ressurreição da vida e outros para a ressurreição do juízo.

Ao vencer a morte, ele tirou o aguilhão da morte e matou a morte com sua morte, triunfando sobre ela na ressurreição. Sua ressurreição é a garantia da nossa ressurreição.

À semelhança dele teremos, também, um corpo de glória. Nosso corpo será imortal, incorruptível, poderoso, glorioso, espiritual e celestial. Vamos brilhar como as estrelas no firmamento e como o sol no seu fulgor.

Caminhamos, portanto, não para um horizonte pardacento, mas para um céu de glória, onde estaremos com Cristo eternamente e com ele reinaremos para sempre!

Não podemos nos esquecer do favor de Cristo

Hernandes Dias Lopes

Nossa igreja fica à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

“É Jesus, é Jesus e é Jesus”

Meu nome é Robson de Almeida Lage Junior, tenho 21 anos e há 1 ano e 2 meses sou membro da CERV. Antes de conhecer a Jesus Cristo, eu era um jovem irado que facilmente se enraivecia. Xingava palavrões e utilizava palavras ásperas de forma muito natural, pois me sentia no direito de agir dessa maneira.

Meu relacionamento com meus pais era muito difícil. Não os respeitava de forma alguma e constantemente discutia com eles por motivos banais. Um dos assuntos que geravam brigas era a constante cobrança a respeito de estudos e trabalho. Não tinha interesse algum em estudar e menos ainda em trabalhar. Meu projeto era ficar em casa sem fazer nada e curtir a vida com meus “amigos”. A relação com meu irmão mais velho era péssima, não conversávamos e quando tínhamos algum diálogo logo aconteciam discussões. Os motivos? Sempre fúteis. A única pessoa com quem convivia bem era minha irmã de 7 anos. E as vezes com meus pais, principalmente quando não estavam me cobrando de alguma coisa.

Por não ter paz dentro do meu lar preferia passar horas fora de casa. Me sentia melhor na rua, na companhia dos meus “amigos”, e fazendo tudo que tinha vontade. Enquanto estávamos juntos falávamos e fazíamos muitas besteiras, tínhamos comportamentos e atitudes que nem vale a pena mencionar. Nossos lugares preferidos eram os bares ou os estádios de futebol ou ficar na rua, perto de casa. Não tinha o hábito de consumir bebida alcoólica, raramente consumia. O que valia a pena era ficar longe de casa, pois não haveria cobranças e nem brigas.

Entretanto, em meio a tanta euforia e curtição, no meu interior, dentro do meu coração, havia apenas vazio e tristeza. Quando esses sentimentos ruins aumentavam, o meu desejo era ficar isolado, não queria falar com ninguém, queria ficar sozinho. Em meio a essa situação, meus vizinhos, que são evangélicos e membros da CERV, falaram comigo a respeito de Jesus e da Palavra. Foi a primeira vez que realmente me interessei em aprender sobre o Evangelho, pois já havia ido a  cultos em outras igrejas, porém não tive vontade de permanecer nessas igrejas.  Recebi desses vizinhos o convite para participar do Culto de Ano Novo 2015-2016, na CERV.

Realmente gostei muito da CERV, pois vi nas pessoas sinceridade e nas palavras pregadas a verdade sobre o pecado. Passei a frequentar a igreja aos domingos. Ficava admirado em ver como pessoas tão diferentes podiam viver tão unidas, falando a mesma língua, sendo gentis e amorosas. Continuei a frequentar a igreja até que chegou o Acampadentro de 2016. Participei das pregações pelas manhãs e nos períodos da noite.

Quando cheguei a igreja no domingo à noite, 7 de fevereiro, estava pensativo a respeito da minha vida. Não me recordo muito da pregação do pastor Rafael, mas me lembro de ter, naquela noite, olhado bem para quem eu era, para as minhas atitudes, e compará-las com a verdade que ouvia dentro da igreja. A pregação acabou e permaneci assentado, pensando, até que uma irmã da igreja chegou até mim e perguntou se eu já havia entregado a minha vida a Jesus. Respondi que não. A partir daí ela contou um pouco seu testemunho e falou do amor de Jesus pela minha vida. Em meio à conversa comecei a chorar, pois senti algo no meu coração, hoje sei que era o Espírito Santo me tocando, e percebi que precisava tomar uma atitude e mudar de vida.

Nesse dia entreguei meu coração a Jesus Cristo e me senti uma pessoa melhor, mais leve, diferente. Muitos comportamentos mudaram, entretanto, havia pecados na minha vida que não tinha forças para abandonar. Mas à medida que buscava o Senhor e frequentava os cultos da igreja Ele foi me ajudando a vencê-los. O Espírito Santo me dava, a cada dia, convicção de que Deus tinha um plano para a minha vida e minha família. E para que esse plano se cumprisse, precisaria verdadeiramente me consagrar a Ele e ter um relacionamento íntimo com Cristo.

Passei a orar e a jejuar diariamente, a me separar do pecado e a buscar a santidade no Senhor. Além disso, iniciei aconselhamentos semanais que me ajudaram e ajudam muito a ficar mais firme e forte no Senhor. A pastora Graça, líder da CERV, também conversou muito comigo e me orientou a respeito de muitos assuntos, o que foi de bênção para mim.

Iniciei uma busca incessante pelo batismo com o Espírito Santo, orando, jejuando, estudando a Palavra e participando dos cultos. E também comecei a orar clamando pela salvação da minha família e a interceder pela igreja e meus irmãos em Cristo. Todos os eventos da igreja e cultos sempre clamava a Deus pelo Batismo com o Espírito Santo, queria muito ser batizado.

Após 1 ano, desde a minha conversão, se aproximava mais uma vez o Acampadentro. Minha expectativa era grande, queria muito participar, mas não tinha recursos financeiros. Comecei a orar e a pedir a Deus essa provisão. Dois dias antes de iniciar o Acampadentro recebi a boa notícia de que um irmão da igreja havia me abençoado. Fiquei muito feliz e grato!

Assim que recebi essa notícia a minha oração para Deus foi: “Senhor, que aconteça tudo conforme a sua vontade”. Eu sabia que Deus tinha algum propósito para minha vida neste Acampadentro, pois havia respondido minhas orações a respeito do dinheiro para participar. Permaneci em jejum durante o Acampadentro e orando para ser batizado.

Na segunda, 27 de fevereiro, no período da manhã, o Senhor realizou uma obra de libertação na vida de vários irmãos. Logo em seguida uma unção gloriosa foi derramada na igreja. Nessa hora clamei: “Me batiza, Senhor, me batiza”. E nada aconteceu. Comecei a chorar pensando que devia haver algo errado comigo. Porém, o Senhor usou a vida da pastora Deuslira para me mostrar que precisava continuar buscando e sem desanimar.

No mesmo dia à noite, na vigília, fomos orientados a orar em duplas. Estava orando com um irmão, e enquanto orávamos podia ouvir as pessoas orando em línguas, sapateando, e queria que Deus me tocasse para que acontecesse o mesmo comigo.  Minha dupla de oração estava pulando no Espírito, orando em línguas e segurando as minhas mãos e eu não sentia absolutamente nada. Permanecia orando: “Senhor me batiza, me batiza”. Nesse momento uma obreira da igreja chegou perto de mim e começou a orar batendo na minha cabeça e dizia: “Fala só glória, fala só glória”.

Teve um momento que estava ficando cansado de falar tanta glória. Então a obreira colocou a mão no meu pescoço e repreendeu o Inimigo. Quando ela colocou a mão na minha cabeça novamente veio uma vontade forte de gritar “glória”. Subiu um calor inexplicável. Senti meu rosto queimar e minhas mãos também de forma que não conseguia senti-las.  Enquanto falava “glória” ouvi a irmã dizer: “Você foi batizado, Robson, a língua é sua, a língua é sua”.  Não tinha percebido, mas já estava falando em línguas. De repente caiu um fogo tão grande que não conseguia ficar parado, apenas sapateava e rodava. Foi maravilhoso, foi muito, muito bom!

Deitei no chão, pois não conseguia ficar em pé, de tanto poder. Quando abri os olhos pensei: “Meu Deus o que será que aconteceu comigo, será que já acabou a vigília? ” Não sei dizer quanto tempo fiquei deitado. Assim que levantei me assentei, porque não conseguia ficar em pé. Depois levantei novamente e encostei na parede, e Deus derramou mais fogo sobre mim e sapateei e falei em línguas mais uma vez.

Quando parei de falar em línguas me ajoelhei e comecei a declarar: “É Jesus, é Jesus, é Jesus” e o tempo todo tinha vontade de declarar essa verdade. Não estava preocupado, muito menos com vergonha de estar ali e as pessoas me verem.  Só tinha vontade de dizer: “É Jesus, é Jesus e é Jesus” (assista ao vídeo que registrou esse momento tão especial na vida de Robson). Algumas vezes falava sorrindo, outras chorando, às vezes mais sério, às vezes mais alto, não importava, só queria declarar: “É Jesus! ” Naquele dia fui dormir quase amanhecendo o dia, pois não conseguia parar de falar em línguas e de sentir aquele poder de Deus na minha vida.

Depois dessa experiência gloriosa, me sinto uma pessoa muito mais feliz, principalmente por saber que agora estou revestido de poder do Espírito Santo, e isso é maravilhoso! Sou muito grato a Cristo por ter me salvado, libertado e batizado. Sou um novo Robson Junior, para a glória de Deus, e a cada dia, sempre melhorando na presença do Senhor!

Robson Almeida Lage Junior

Assista ao vídeo que registrou uma porção do que foi o glorioso batismo com o Espírito Santo, recebido por Robson:

Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica.
Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

Page 1 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén