Tag: perdao

Filho, volta

Filho, volta é uma mensagem que trata sobre o perdão e o amor de Deus pelos seus filhos.

É o convite do Senhor para seus filhos, que o abandonaram, para retornarem a casa Dele.

Muitos saíram literalmente da igreja, da Casa de Deus, mas há aqueles que ainda permanecem fisicamente, mas estão com seus corações distantes do Senhor.

O problema em ambas situações é que quanto mais longe de Deus e de seus propósitos, mais difícil fica a volta.

E essa volta torna-se dificultosa porque normalmente as pessoas têm dificuldade de pedir perdão e reconhecer seus erros.

Até apresentam remorso, que parece arrependimento, mas não passa de uma emoção momentânea.

Isso faz com que as pessoas vivam mais distantes dos planos e dos propósitos de Deus.

A questão é que Deus, como Pai, deseja o melhor para os seus filhos. Ele não tem prazer em ver o mal, a derrota ou a desgraça dos seus.

Para ilustrar esse amor imensurável do Senhor como Pai, Jesus contou a seguinte parábola:

“Jesus continuou: “Um homem tinha dois filhos.

O filho mais jovem disse ao pai: ‘Quero a minha parte da herança’, e o pai dividiu seus bens entre os filhos.

Alguns dias depois, o filho mais jovem arrumou suas coisas e se mudou para uma terra distante, onde desperdiçou tudo que tinha por viver de forma desregrada.

Quando seu dinheiro acabou, uma grande fome se espalhou pela terra, e ele começou a passar necessidade.

Convenceu um fazendeiro da região a empregá-lo, e esse homem o mandou a seus campos para cuidar dos porcos.

Embora quisesse saciar a fome com as vagens dadas aos porcos, ninguém lhe dava coisa alguma.

Quando finalmente caiu em si, disse: ‘Até os empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu estou aqui, morrendo de fome

Vou retornar à casa de meu pai e dizer: ‘Pai, pequei contra o céu e contra o senhor, e não sou mais digno de ser chamado seu filho. Por favor, trate-me como seu empregado’.

Então voltou para a casa de seu pai. Quando ele ainda estava longe, seu pai o viu. Cheio de compaixão, correu para o filho, o abraçou e o beijou.

O filho disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra o senhor, e não sou mais digno de ser chamado seu filho’.

O pai, no entanto, disse aos servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa da casa e vistam nele. Coloquem-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés.

Matem o novilho gordo. Faremos um banquete e celebraremos, pois este meu filho estava morto e voltou à vida. Estava perdido e foi achado!’. E começaram a festejar.

Enquanto isso, o filho mais velho trabalhava no campo. Na volta para casa, ouviu música e dança, e perguntou a um dos servos o que estava acontecendo.

 O servo respondeu: ‘Seu irmão voltou, e seu pai matou o novilho gordo, pois ele voltou são e salvo!’

O irmão mais velho se irou e não quis entrar. O pai saiu e insistiu com o filho, mas ele respondeu: 

‘Todos esses anos, tenho trabalhado como um escravo para o senhor e nunca me recu­sei a obedecer às suas ordens. E o senhor nunca me deu nem mesmo um cabrito para eu festejar com meus amigos.

Mas, quando esse seu filho volta, depois de desperdiçar o seu dinheiro com prostitutas, o senhor comemora matando o novilho!’.

O pai lhe respondeu: ‘Meu filho, você está sempre comigo, e tudo que eu tenho é seu.

Mas tínhamos de comemorar este dia feliz, pois seu irmão estava morto e voltou à vida. Estava perdido e foi achado!” (Lucas 15.11-32).

O desejo do pai da parábola era o melhor para seus dois filhos. Entretanto, chegou um ponto que o filho mais novo pediu sua herança e partiu da casa do pai.

O que ele não pensou é que longe do Pai, dos caminhos de Deus, não há razão de ser.

No princípio suas escolhas pareciam as mais corretas, afinal, tudo estava dando certo: dinheiro, diversão e muitos amigos.

Porém, depois que o dinheiro acabou, as amizades e alegrias foram embora. E ele ficou só.

Esse jovem estava sozinho, derrotado e em miséria ao ponto de que lhe restava apenas o trabalho e a comida dos porcos.

Muitas das vezes, assim como esse jovem da parábola, as pessoas vão de mal a pior.

E quando estão no fundo do poço reconhecem a miséria espiritual e a derrota que abrange todas as áreas da vida.

Então, nesse momento recordam-se da Casa do Pai.

Nesse momento é necessário fazer uma escolha: permanecer onde está ou retornar para os braços do Pai.

Talvez, seja esse o seu caso, você saiu da presença e da casa do Pai. Está vivendo longe dos propósitos de Deus.

O Senhor tem perdão e amor para você, por isso Ele diz: Filho, volta!

Hoje, o Senhor declara a você: Filho, volta! E para você retornar há dois passos fundamentais:

1- Reconhecer seus pecados e arrepender-se.

2- Regressar definitivamente para a Casa do Pai

Será na presença de Deus, na Casa Dele, que você será restaurado e cuidado para, então, retornar aos propósitos que Ele tem para a sua vida.

O Senhor tem perdão e amor para você, por isso Ele diz: Filho, volta!

Ouça esta canção e seja recebido nos braços do Pai

Filho, volta, pois o amor e o perdão do Pai te espera. Uma nova vida em Cristo Jesus está disponível para você!

Ouça a mensagem ‘Filho, volta’ e receba o amor e o perdão do Pai:

Comunicação CERV

Amar a Deus: a base do casamento

Ouça a mensagem Amar a Deus: a base do casamento e tenha seu casamento transformado e edificado

Todo problema que acontece entre o casal, no matrimônio, ocorre pela ausência de algo fundamental no relacionamento: amar a Deus sobre todas as coisas.

Para compreender a importância de amar a Deus para o casamento vejamos o que Deus ordena em sua Palavra:

“Estes são os mandamentos, os decretos e os estatutos que o Senhor, seu Deus, me encarregou de lhes ensinar. Não deixem de cumpri-los na terra que em breve vocês possuirão.

Vocês, seus filhos e netos temerão o Senhor, seu Deus, enquanto viverem. Se obedecerem a todos os seus decretos e mandamentos, desfrutarão de vida longa.

Ouça com atenção, Israel, e tenha o cuidado de obedecer. Então tudo irá bem com vocês e terão muitos filhos na terra que produz leite e mel com fartura, exatamente como lhes prometeu o Senhor, o Deus de seus antepassados.

 “Ouça, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, o Senhor é único!

Ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de toda a sua força.

Guarde sempre no coração as palavras que hoje eu lhe dou.

Repita-as com frequência a seus filhos. Converse a respeito delas quando estiver em casa e quando estiver caminhando, quando se deitar e quando se levantar.

Amarre-as às mãos e prenda-as à testa como lembrança.

Escreva-as nos batentes das portas de sua casa e em seus portões” (Dt 6.1-9)

O versículo cinco declara que os filhos de Deus devem amá-lo com todo seu coração, alma e força. Entretanto, não é isso que pode ser visto ao observar-se os problemas enfrentados no casamento.

A falta de amor a Deus acelera o processo do fim do casamento

Quando a pessoa escolhe não amar a Deus ela se torna egoísta. E o egoísta jamais amará a Deus. Mesmo que fale, suas atitudes demonstram o contrário.

E essa atitude prova que a Palavra de Deus não está guardada no mais profundo do coração da pessoa.

Triângulo perfeito: homem e mulher buscando Deus resultará em um casamento abençoado

Essa falta da presença de Deus no relacionamento é que resulta em graves problemas causando a dissolução do matrimônio.

Se Deus é que rege esse casamento, ainda que haja dificuldades, no Senhor conseguirão solucionar a situação.

Quando o casal não ama a Deus, não dando lugar no coração para a Palavra, surgem sentimentos malignos, tais como: desamor, falta de respeito, vingança, infidelidade, pirraça, ódio, dentre outros sentimentos terríveis.

E isso oferece a Satanás a oportunidade que Ele precisa para dominar e interferir na relação conjugal.

Saiba como salvar a sua família

Se não é Deus e nem as Suas Palavras que têm ocupado o coração e a mente do casal, com certeza são outras coisas.

Aí podem ser citadas: festas, amizades com pessoas que não temem ao Senhor, programas televisivos que não enriquecem a comunhão com Deus e um com o outro, e etc.

Logo, quem exerce influência e domínio no casamento é Satanás, não O Senhor.

Portanto é necessário que o casal mude começando por morrer para si mesmo e escolher a amar a Deus e a obedecê-lo.

Observe o que o apóstolo Paulo escreve ao marido e a esposa:

“Esposas, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor.

Pois o marido é o cabeça da esposa, como Cristo é o cabeça da igreja. Ele é o Salvador de seu corpo, a igreja.

Assim como a igreja se sujeita a Cristo, também vocês, esposas, devem se sujeitar em tudo a seu marido.

Maridos, ame cada um a sua esposa, como Cristo amou a igreja. Ele entregou a vida por ela,

a fim de torná-la santa, purificando-a ao lavá-la com água por meio da palavra” (Ef 5.22-26).

A mulher deve ser submissa ao marido, mas não ser feita de escrava, pelo contrário, ela é auxiliadora, não empregada.

Homem de verdade faz as mesmas atividades que a esposa dentro de casa.

E deve amar a esposa com o mesmo amor de Cristo.

Se cada um buscar com dedicação ser esse homem e essa mulher será um caminho excelente para o sucesso no casamento.

E que cada um possa, nessa busca de ser homem e a mulher que ama e agrada a Deus, zele pelo seu coração.

“Sobretudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida” (Pv 4.23)

Aprenda a valorizar seu casamento

Não permita que o Inimigo semeie o mal e contendas um contra o outro, pois é isso que Satanás deseja.

“Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor;
planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.
Então me invocareis, e ireis e orareis a mim, e eu vos ouvirei.
Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração.
E serei achado de vós, diz o Senhor” (Jr 29.11-14a)

Como casal, volte-se para o Senhor e abandone as coisas deste mundo e os seus deleites enganosos.

Foque seu coração em buscar o Reino de Deus, pois todas as demais coisas virá como acréscimo da parte do Senhor.

Não se esqueça:

Amar a Deus: a base do casamento

Construa seu casamento numa base sólida e essa base é Deus e a Sua Palavra!

Ouça a mensagem ‘Amar a Deus: a base do casamento’:
Parte1

 

Parte 2

 

 

Comunicação CERV

Salve a sua família

Salve a sua família é uma mensagem para incentiva-lo a zelar pela vida espiritual da sua família.

A partir do exemplo da prostituta Raabe, que encontra-se no livro de Josué. Aprenderemos a importância de nos esforçarmos para ver a salvação da nossa família.

Por meio da fita escarlate (tipifica o sangue de Jesus que nos dá a salvação) amarrada em sua janela, Raabe e sua casa foram salvos da destruição de Jericó.

Em primeiro lugar ela creu que o Deus de Israel era o único Deus, capaz de salvar e transformar.

Em segundo lugar ela clamou pela salvação de sua família e agiu para que isso acontecesse.

Diante da conduta dessa mulher podemos refletir: Como tenho desenvolvido a minha salvação?  E o que tenho feito para que toda a minha casa conheça e viva para o Senhor?

Saiba como fazer de Jesus o centro da sua família

Raabe, uma prostituta, conheceu a Deus e isso lhe concedeu duas importantes menções na Bíblia.

Ela apareceu na Genealogia de Jesus Cristo, como tetra avó de Davi. E na galeria dos heróis da fé é citada como exemplo de fé e perseverança.

Qual a sua proximidade com Jesus? Como está o seu relacionamento com o Ele que é a verdade e a Palavra?

Você tem se dedicado ao jejum, oração e estudo da Palavra? São essas disciplinas espirituais que lhe garantirá uma vida fixada e firmada na rocha, inabalável!

E a sua fé e perseverança em relação a sua família? O quanto você ora por seu cônjuge, filhos, pais e irmãos?

Deus pode realizar a obra de salvação, mas será que a incredulidade não dominou o seu coração a ponto de faze-lo desistir da sua família?

É necessário reexaminar o coração e verificar como estamos perante o conhecimento que temos de Deus e da Sua Palavra.

Refletir a respeito da nossa conduta em casa e para com Deus. Será que não temos side negligentes e temos sustentado uma aparência de espirituais para os outros?

Jesus reprovou a vida daqueles que se julgavam espirituais por orarem em voz alta e cumprirem cabalmente a lei, mas terem um coração impuro.

A sinceridade com nós mesmos e com Deus é fundamental para um relacionamento com Ele e com a nossa família.

Salve a sua família:
  • Orando
  • Jejuando
  • Estudando a Palavra
  • Dando bom testemunho dentro da sua casa
  • Participando dos cultos e eventos da igreja
  • Sendo sincero
  • E desafiando-se a cada dia ser um bom filho de Deus

 

Ouça a mensagem Salve a sua família e saiba como ser um instrumento de salvação e bênção no seu lar:
Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! A CERV fica à Rua Érico Veríssimo, 1167- Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

A diferença que Jesus faz na família

O texto de João 2.1-11, nos fala que Jesus foi a uma festa de casamento.

Por meio deste evento, podemos aprender algumas lições que podem restaurar a sua vida e salvar o seu casamento:

1- Jesus é a pessoa mais importante a ser convidada para o casamento. Ele estava presente naquele casamento e salvou aquela família de um grande constrangimento.

A maior necessidade das famílias hoje é a presença de Jesus.

2- Precisamos discernir com rapidez quando a alegria está acabando. Maria percebeu que o vinho estava acabando e que alguma coisa deveria ser feita. O vinho é símbolo da alegria.

Muitos casamentos naufragam porque os cônjuges não discernem as crises no seu nascedouro. Deixam o tempo passar sem nenhuma atitude tomar.

Aprenda como batalhar pela sua família

3- Precisamos recorrer à pessoa certa na hora da crise. Maria buscou a Jesus.

O segredo da felicidade conjugal não é a ausência de problemas, mas ter sabedoria e pressa para levar os problemas a Jesus.

Contudo, muitos casais, ao entrarem em crise, cavam cisternas rotas onde não há água. Buscam ajuda em caminhos que só os fazem desviar mais da vereda da felicidade.

4- Precisamos obedecer e fazer o que Jesus manda. Ele mandou os serventes encherem de água as talhas.

Sempre que o casal se dispõe a obedecer prontamente a Palavra de Deus, o vinho da alegria começa a jorrar de novo dentro do lar.

5- Precisamos ser guiados pela fé e não pelos nossos sentimentos. Aqueles serventes creram e encheram de água as talhas.

O milagre da transformação acontece quando nos dispomos a crer, mesmo que a nossa razão não consiga explicar.

6- Quando Jesus intervém na família, o melhor sempre vem depois. O vinho que Jesus ofereceu era de melhor qualidade. Assim, os melhores dias do casamento não são os da lua de mel e sim os que se seguem à entrada de Jesus na família.

Quando Ele reina plenamente a vida conjugal se torna mais consistente, profunda e madura.

Saiba como proteger sua família do mal

7- Quando Jesus intervém na família, as pessoas glorificam a Deus e passam a crer nele. Não há milagre maior do que uma família transformada. Jesus é o mesmo hoje.

Ele pode restaurar também a alegria lá na sua casa e fazer florescer no seu coração a esperança de uma nova vida, de uma família cheia de verdor e felicidade!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda sobre “A diferença que Jesus faz na família”. Participe do Culto da Família, celebrado hoje, às 19 horas, na CERV.
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Justiça à misericórdia: a expressão do amor de Deus

Justiça à misericórdia: a expressão do amor de Deus apresenta dois atributos do Senhor: a justiça e a misericórdia.

A justiça de Deus é eterna. Desde a criação até os dias de hoje ela permanece a mesma. Nele não há injustiça alguma.

Um exemplo da justiça de Deus encontra-se em Gênesis. Quando o Senhor estabelece para a Adão e Eva uma pena para o descumprimento da ordem divina.

A ordem era: não comam do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. E como a Bíblia nos conta eles comeram e receberam a pena do ato de injustiça.

Infelizmente as pessoas tendem a confundir a injustiça humana como sendo injustiça divina. Tendem a culpar Deus pelos atos injustos do ser humano.

Quando Deus estabelece a família e com ela a figura masculina paterna, o propósito era de que este homem fosse um representante do próprio Deus.

Que os filhos olhassem para seus pais e pudessem ver e receber deles o amor e o cuidado. Porém, o homem perverteu esse propósito divino.

Aprenda como clamar a Deus lendo este artigo

E o que acontece nos dias de hoje é  que vemos pais cruéis, desumanos, sem feição e até mesmo tirando a vida de seus próprios filhos.

Nessas atitudes é manifesta a injustiça humana. Que tem permanecido e predominado no coração humano.

E perante situações injustas entre amigos, cônjuges, familiares e sócios, surge no coração do homem o sentimento de vingança e o desejo de que a justiça seja feita.

Entretanto, a justiça humana é falha. Por isso a Bíblia declara que esperamos novos Céus e Nova Terra onde predominará a justiça de Deus. Isso porque em nosso mundo prevalece a injustiça.

A partir disso, uma pergunta que surge no coração de muitos é: Pra quê tanta injustiça? Já que Deus é justo, por que a injustiça ainda predomina?

A resposta está no coração do homem que escolhe vingar-se. Porém, os que esperam e confiam no Senhor devem clamar para que a justiça de Deus seja feita e não a dos homens.

Quando uma pessoa é injustiçada o seu desejo é assentar-se na cadeira da justiça e fazer com que ela se cumpra a qualquer preço.

Nesse momento há no coração o desejo que Deus faça a vontade humana de pagar na mesma moeda a injustiça recebida.

A justiça por si só não pode dar certo, afinal as pessoas desejam que a justiça se aplique apenas para o outro.

Dessa forma é fácil conduzir a justiça até que o injustiçado hoje, amanhã seja aquele que esteja sendo julgado por outra pessoa.

A Bíblia relata sobre a história de Davi envolvendo Urias e Bate-Seba.

Davi desejou a esposa de Urias e consumou seu desejo. Desse ato surgiu uma gravidez indesejada.

O rei tentou resolver a questão a sua maneira, para livrar-se do vestígio do seu erro. Ele tramou a morte de Urias e “livrou-se” do seu problema.

Mas, o rei esqueceu-se da justiça divina. Deus usa a vida do profeta Natã para contar uma história.

Ao ouvi-la Davi deseja fazer justiça ao injustiçado, matando-o. Até que ouve do profeta Natã que o homem errado era o rei.

A partir de então, a justiça já não satisfaria, seria necessário outro ato: o da misericórdia divina.

Davi reconhece a necessidade da benevolência de Deus, da misericórdia do Senhor para com o seu erro e não da justiça.

Ouça mais mensagens como esta e seja abençoado

Por meio desta história entendemos que por mais que a justiça venha de Deus, necessitamos mais das Suas misericórdias.

No livro de Tiago ele escreve que a misericórdia triunfa sobre a justiça. E sabendo disso cada pessoa deve escolher se pautará sua vida na justiça ou na misericórdia.

Jesus deixou o exemplo e ensino de que assim como desejamos o perdão de Deus devemos também desejar sempre perdoar os que mal nos fizeram.

A questão do perdão ela vai contrária a questão da justiça (olho por olho, dente por dente). Mas, em Cristo somos guiados a agir com perdão e misericórdia.

O primeiro ímpeto de quem é injustiçado e desejar ser justiçado. É tomar satisfação é querer a resposta para o seu problema.

Mas, a Bíblia nos ensina que devemos agir com misericórdia e perdoar, ainda que estejamos corretos e sofrendo injustiça.

Assim como o Senhor age com misericórdia diante dos pecados do homem e o perdoa Ele espera que a quem foi perdoado também perdoe quem o injustiçou.

E você? como tem agido perante situações nas quais é injustiçado?

Desejando que Deus pague a pessoa na mesma moeda que recebeu ou tem agido com a mesma misericórdia que recebeu do Senhor?

Lembre-se do que Jesus Cristo realizou na cruz por você! Ele era justo e não havia praticado injustiça alguma.

E tudo o que Ele padeceu na cruz do calvário foi para que a misericórdia do Senhor alcançasse a sua vida.

Se não fosse a misericórdia de Deus, seriamos consumidos. É por que Deus nos olha por meio de Jesus que alcançamos a misericórdia.

Que o Espírito Santo de Deus ministre esta Palavra ao seu coração te revelando a misericórdia de Deus. E que Ele também te ensine a agir em misericórdia para com o próximo.

Ouça a mensagem “Justiça à misericórdia: a expressão do amor de Deus” e seja edificado:
Conheça o nosso ministério! A CERV fica à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica/ BH. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br. 

Três histórias, um só Salvador

Em três histórias, um só Salvador o pastor George Foster compartilha suas experiência missionárias e a mensagem da Salvação

Três história, um só Salvador. A partir do relato de três histórias vivenciadas em um avião, o pastor George Foster aborda a respeito da Salvação.

Cada pessoa tem uma história antes de conhecer Jesus e todas necessitam conhecê-Lo e reescrever uma nova história Nele.

A Bíblia declara que não foi o ser humano por seus méritos e esforços que encontrou Jesus.

Pelo contrário, foi Ele que atraiu o coração do homem e o encontrou. Ele é o único mediador e caminho até o coração do Pai.

Três histórias, um só Salvador apresenta a história de:

1- Uma aeromoça que utilizava um cordão com a cruz, mas não acreditava ser necessário estar numa igreja e viver como a Bíblia diz;

2- Uma cientista que interessa-se pela Palavra de Deus e pede uma Bíblia de presente

3- Um homem que ouve o pastor pregar para outra pessoa alcoolizada e entende que a pregação era para Ele e não para o bêbado.

Todos os três ouviram a mensagem da Cruz, de vida, de salvação, cura e libertação. Mas diante desta mensagem cada um reagiu de uma maneira.

Leia e assista ao Testemunho de salvação do jovem Robson Jr.

Os que escolheram a Cristo puderam, então, desfrutar de uma comunhão íntima e sincera com o Senhor.

Não há nada mais precioso do quê ter comunhão e um relacionamento sincero com Deus.

Entretanto, existe algo que pode interferir nesta comunhão: o pecado.

Assim aconteceu no Jardim do Éden, a partir da escolha errada de Adão e Eva em desobedecer a Deus.

Para reconciliar o homem com Deus, o Senhor traçou o plano de salvação por meio de Jesus Cristo.

Esse plano perdura até hoje para todo aquele que Nele crê!

Outro exemplo de perda de comunhão com o Senhor é o do Rei Davi.

Ele era um homem segundo o coração de Deus. Porém, uma escolha errada o afastou do Senhor.

Não foi a guerra quando deveria ir e cobiçou uma mulher que não deveria possuir e a possuiu.

A mulher ficou grávida e Davi, de todas as formas, tentou encobrir o seu pecado, porém o pecado o achou.

Natã, usado por Deus, apontou a Davi o seu pecado e o Rei confessou o seu pecado e escreveu o Salmo 32.

Confessar os pecados diante do Senhor é melhor que encobri-los.

Pecados arrependidos e confessados geram perdão e restauração pelas mãos do Senhor. Logo, a comunhão é restabelecida.

Não adianta fugir, se esconder e encobrir o mal, pois Deus tudo vê e tudo sabe.

A melhor escolha para o ser humana é confessar, arrepender e mudar de vida. Isso gera bênçãos e mais vida para o arrependido.

Será que você não tem se comportado como Adão e Eva? Como Davi? Ocultando pecados e com isso se afastando cada vez mais de Deus.

O Senhor não tem prazer no pecado, mas deseja transformar a vida do pecador, mesmo que já conheça a verdade.

Hoje é dia de arrependimento, de abrir o seu coração e com sinceridade confessar diante do Senhor os pecados.

Permita que neste momento o Senhor toque no seu coração. Confesse cada pecado, cada atitude errada.

Peça, de todo o coração, que o Senhor Jesus o purifique com o seu precioso sangue, te tornando mais alvo que a neve.

Deus tem uma purificação muito grande para o seu coração. Ele pode e quer mudar sua vida para sempre!

Ouça a mensagem “Três histórias, um só Salvador” e descubra que Jesus deseja ser o autor da sua nova história:
Aprenda mais sobre este assunto, participe do Culto da Sociedade Com Deus, no próximo domingo, às 19 horas, na CERV. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Amigo de Deus

A Bíblia relata em João 1.12 que Cristo veio para os seus, mas os seus não o receberam. O propósito da vinda de Jesus Cristo era de restabelecer a aliança do povo para com Deus. Entretanto, os judeus rejeitaram o Salvador.

Deus demonstrou seu amor para com as pessoas que não eram merecedoras desse amor, mas ainda assim Ele amou.

E não muito diferente da época que Jesus veio a terra, hoje, muitos declaram amá-Lo e que desejam amá-Lo mais, entretanto perante circunstância e problemas logo deixam de amar a Jesus.

Porém, é possível verificar que ao contrário das pessoas que declaram amar a Deus, mas não amam. Há aquelas que verdadeiramente dedicaram um amor fiel para com o Pai.

Um exemplo de amigo de Deus que a Bíblia nos relata é Abraão. Ele foi chamado amigo de Deus, pois escolheu caminhar e investir tempo no seu relacionamento com o Senhor.

Outro exemplo bíblico é o de David. Um jovem pastor de ovelhas e depois um grande rei que amava a Deus, louvava ao Senhor, se dedicava de coração ao seu relacionamento com o Senhor.

E você? Se enquadra em qual tipo de pessoa: a que diz amar a Deus mas demonstra o contrário com palavras e atitudes ou aquelas que amam e desenvolvem um relacionamento sincero e amoroso com o Senhor?

Ouça está mensagem e permita que o Espírito Santo revele que tipo de pessoa você tem sido para com Deus:
Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br 

O amor do Pai

Deus nos ama, seu amor é imutável. Infelizmente o que muda é o amor dos filhos em relação ao Pai celestial.

Por meio da parábola do filho pródigo somos convidados a refletir a respeito do nosso relacionamento com o Pai.

Será que estamos nos relacionando com o Pai por amor ou por interesses? O que realmente buscamos quando vamos a casa de Deus?

Ouça a mensagem “O amor do Pai” e permita que o Espírito Santo revele que tipo de filho você tem sido para Deus:

 

 

Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica.

Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br 

O clamor de Deus

Referência: Jeremias 2.1-13

INTRODUÇÃO

jesus

São impressionantes as semelhanças que há entre a vida de Jeremias e a de Jesus:

1) Os dois nasceram e cresceram em pequenos povoados: Jeremias em Anatote e Jesus, em Nazaré.
2) Os habitantes de Anatote rejeitaram Jeremias e procuraram mata-lo, da mesma maneira que os habitantes de Nazaré rejeitaram Jesus.
3) Os líderes religiosos foram os principais inimigos de Jeremias, e a mesma coisa aconteceu com Jesus.
4) Jeremias confrontou o povo de então por causa da sua fé supersticiosa que tinham no Templo, e por crerem que a conduta moral não era importante, já que eles obedeciam ao ritual do Templo. Jeremias disse assim:

“Não confieis em palavras falsas, dizendo: Templo do Senhor, Templo do Senhor é este… Eis que vós confiais em palavras falsas, que para nada vos aproveitam…” (Jr 7.4,8-11).

Jesus “tendo entrado no templo, expulsou a todos os ali vendiam e compravam; também derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada Casa de oração; vós, porém, a transformais em covil de salteadores” (Mt 21.12-13).

5) Jeremias e Jesus choraram sobre Jerusalém. Vejamos primeiramente as palavras de Jeremias:

“(…) Estou quebrantado pela ferida da filha do meu povo; estou de luto (…) Oxalá a minha cabeça se tornasse em águas, e os meus olhos em fonte de lágrimas. Então choraria de dia e de noite os mortos da filha do meu povo” (Jr 8.20-9.1).

Agora, vejamos as palavras de Jesus:

“Jerusalém, Jerusalém (…) Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os pintos debaixo das asas, e tu não quiseste” (Mt 23.37).

6) Tanto Jeremias como Jesus sabiam que a palavra final de Deus ao seu povo não era de juízo, mas de uma nova aliança. Assim diz Jeremias: “Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá” (Jr 31.31).

E na noite em que foi traído, Jesus se reuniu com os seus discípulos no cenáculo, para celebrar a Páscoa. E, depois de haver tomado o cálice e orado, ele o deu aos seus discípulos, e disse: “Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados” (Mt 26.27-28).

7) Tomando-se em conta todas essas semelhanças não é de se admirar que, quando Jesus apareceu, algumas pessoas pensassem que ele fosse Jeremias (Mt 16.13,14).

Assim como Jesus veio para proclamar aos homens o amor de Deus e convocá-los para se voltarem para Deus, Jeremias também levanta aos ouvidos da nação o clamor de Deus de que retornassem para Ele.

deus-se-recordaI. A LEMBRANÇA DE DEUS – V. 1-3

1. Deus se recorda dos tempos áureos de afeição do seu povo por ele – v. 2

“Lembro-me de ti, da tua afeição…” (v. 2). O coração de Deus se move de amor por você. Ele se recorda daquele tempo quando você O conheceu, quando você se afeiçoou a Ele e entregou-lhe seu coração. Deus se recorda daquele tempo em que você se deleitava Nele e tinha prazer de ler  Sua Palavra e falar com Ele em oração.

Deus se recorda daquele tempo que você vinha a sua casa exultando de alegria e cantava louvores a Ele com todo o fervor da sua alma. Daquele tempo quando seu coração era totalmente Dele e você descansava Nele nas horas da sua aflição.

2. Deus se recorda dos tempos do seu primeiro amor por ele – v. 2
Naquele tempo você tinha afeição por Deus. Naquele tempo você estava envolvido pela graça de Deus. Você se assentava aos seus pés para adorar. Você não cessava de falar do seu doce nome. Naquele tempo seu coração exultava com as coisas de Deus.

Hoje, as coisas acontecem. Você vem a igreja, você gosta de participar do culto. Você mantém um compromisso externo, mas o seu coração está frio. O ritual tomou o lugar da devoção. O templo substituiu a comunhão com o Senhor do templo. Tudo continua acontecendo, mas seu coração já não é mais puro, sua vida já não é mais santa, Deus não é mais o prazer da sua alma (Jr 7.4).

3. Deus se recorda daquele tempo que você tinha comunhão com ele – v. 2
Deus se lembra daquele tempo que você era noiva. Oh! Como você se preparava para encontrar-se com o Senhor. Como você tinha prazer de estar com Ele. Como gostava de ouvir sua voz.

Oh! Como se deleitava nos seus conselhos! Deus se alegrava em você como o noivo se alegra com a sua noiva. Deus tinha em você todo o seu prazer. Você era a delícia de Deus. A menina dos olhos de Deus.

4. Deus se recorda daquele tempo que você o seguia no deserto – v. 2

Seu coração confiava no Senhor sem duvidar. Você saiu do cativeiro e mergulhou no deserto confiante no cuidado, no livramento, na proteção e na providência divina. Deus tem saudade desse tempo que não havia rebeldia no seu coração, nem incredulidade, nem dúvida.

5. Deus se recorda daquele tempo que você era consagrado a ele – v. 3

Você se entregou a Deus sem reservas. Seu coração, sua vida, seu destino, seu futuro: tudo você entregou ao Senhor. Você era totalmente Dele. Deus se recorda desse tempo quando Ele era o seu maior tesouro, maior riqueza, maior alegria, sua grande recompensa.

6. Deus se recorda daquele tempo que ele tinha profundo zelo pela sua vida – v. 3

Tocar em você era tocar na menina dos olhos de Deus. Aqueles que declaravam guerra contra você, declaravam guerra contra Deus. Ele ia à sua frente para lhe defender. Ele desalojava os seus inimigos. Ele guerreava as suas guerras. Ele desbaratava os seus adversários.

Sua confiança não estava na sua força, nem na sua riqueza, nem na sua inteligência, mas no Senhor. Você confiava Nele e Deus defendia você. Sua caminhada com Deus era uma deleitosa.


desertoII. O LAMENTO DE DEUS – V. 4-8

1. O povo de Deus de forma ingrata o abandonou a despeito da redenção de Deus – v. 5-6

A noiva amada de Deus tornou-se infiel. Ela se enamorou pelos seus muitos amantes e se afastou do amado da sua alma. A causa da sua infidelidade não estava em nenhuma injustiça do seu noivo, mas na sua própria infidelidade.

Deus tirou o povo do Egito, debaixo do chicote, das algemas de ferro, da escravidão opressa. Deus quebrou os seus grilhões, tirou-o das gargantas do inferno, mas agora, o seu povo o abandona apesar de tão grande redenção.

Deus nos tirou do império das trevas, da potestade de Satanás. Ele quebrou os nossos grilhões, perdoou-nos, remiu-nos. Éramos escravos e Ele nos amou, mas muitos hoje o abandonam e o trocam por outros deuses.

2. O povo de Deus de forma ingrata o abandonou a despeito da proteção de Deus – v. 6

Deus não só tirou o seu povo do cativeiro, mas o guiou pelo deserto. Deus o livrou dos seus inimigos. Deus lhe deu vestes e sandálias que não ficaram rotas. Deus lhe deu água no deserto. Deus lhe deu maná do céu. Deus lhe abriu fontes nas rochas.

Deus estampou diante deles milagres extraordinários. Deus guerreou suas guerras e lhes deu grandes vitórias. Mas apesar de tão grande amor, o seu povo o deixou e o trocou por outros deuses.

3. O povo de Deus de forma ingrata o abandonou a despeito da provisão divina – v. 7

Deus introduziu o seu povo em Canaã, uma terra deleitosa. Deus foi fiel em todas as suas promessas. A terra foi presente de Deus, não conquista do povo. A entrada na terra foi ação divina, não obra humana. Tudo foi feito por Deus. Tudo veio de Deus.

Mas quando o povo entrou na terra prometida, em vez de dar a glória devida ao Senhor, contaminaram a terra. Em vez de serem luz entre as nações, corromperam-se como as outras nações. Em vez de influenciar as outras nações, foram influenciadas por elas.

4. O povo de Deus de forma ingrata o abandonou por causa da corrupção de sua própria liderança – v. 8

O povo é um retrato da sua liderança. Enquanto estamos buscando melhores métodos, Deus está buscando melhores homens. Aqueles que deveriam conduzir o povo a Deus, a liderança, desviou o povo de Deus. Tornaram-se laço, em vez de canais. Tornaram-se lobos, em vez de pastores:

• Os sacerdotes tornaram-se omissos.
• Os mestres da Palavra tornaram-se ímpios.
• Os pastores tornaram-se aproveitadores.
• Os profetas tornaram-se apóstatas.

III. A INDIGNAÇÃO DE DEUS – V. 9-13

1. O povo de Deus tornou-se mais infiel do que os pagãos – v. 10-11

Os ímpios, mesmo adorando ídolos mudos, que não deuses, não trocavam esses ídolos por outros deuses. Mas, Israel mesmo servindo o Deus vivo, abandonou o Senhor e o trocou por ídolos de nenhum valor. A fidelidade dos ímpios aos seus deuses reprovava a infidelidade de Israel.

Os pagãos são mais dedicados aos seus deuses do que o povo de Deus ao Senhor. Eles são mais zelosos, do que o próprio povo de Deus.

2. O povo de Deus abandonou o Senhor, a fonte das águas vivas – v. 13aguas vivas

O pecado do povo de Deus é tão grave que até os céus ficam espantados. É algo inacreditável. O povo de Deus abandonou o seu Senhor. Que Senhor?

Jeremias retrata a Deus com uma figura. Para Davi Deus é o bom pastor. Para Moisés é um fogo que consome. Para Jeremias é a fonte das águas vivas.

a) Deus é a fonte da vida, nossa vida depende dele – A alma afastada de Deus já está morta. Sem Deus você não vive. Só na presença de Deus tem plenitude de alegria.

b) Deus é a fonte de vida abundante – Deus não é uma cisterna, mas uma fonte. Uma cisterna apenas armazena água, mas uma fonte produz água. A água corre da fonte. A fonte é inesgotável. A fonte tem água viva, água limpa, água que flui abundantemente. Isso é símbolo da vida que Cristo oferece.

Quem nele crê tem uma fonte a jorrar para a vida eterna. Quem nele crê nunca mais tem sede. Quem nele crê, rios de água viva fluem do seu interior. Jesus veio para lhe dar vida em abundância.

3. O povo de Deus cavou cisternas rotas que não retém as águas – v. 13

a) Se Deus é o manancial das águas vivas, por que seu o povo o abandona? – Muitas vezes, o povo de Deus tem se cansado de Deus. Tem sido atraído e seduzido pelo pecado, pelo mundo, pelas cisternas rotas.

Miquéias pergunta: “Povo meu, que te tenho feito? Por que te enfadaste de mim? Responde-me” (Mq 6.3).

O Filho Pródigo sentiu-se insatisfeito na casa do Pai e foi para um país distante, onde gastou tudo que tinha vivendo dissolutamente. Hoje, trocamos a Deus pelo prazer, pelo dinheiro, pelo sucesso, pelos ídolos modernos.

b) O perigo de ser seduzido por algo artificial – Israel deixou o Senhor e se deixou seduzir por ídolos. Israel pensou: O nosso Deus é muito exigente. Queremos uma religião que nos custe menos, que nos dê mais liberdade, que não nos cobre tanto. Queremos ser livres como os outros povos para fazermos tudo sem drama de consciência. Trocaram a verdade pela mentira e Deus pelos ídolos.

c) Alimentando-se de pó em vez de beber da fonte – Quem troca o Senhor por outras fontes começa a morrer de sede. Só o Senhor tem a água da vida. Só Ele pode matar a nossa sede. Só nele a sua alma pode dessedentar-se. Só ele satisfaz a sua alma.

Texto adaptado do Reverendo Hernandes Dias Lopes

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén