Tag: pecado (Page 1 of 2)

Obediência seletiva

Obediência seletiva é a forma como muitos crentes têm escolhido viver diante dos mandamentos de Deus. Obedecem em partes ou apenas no que concorda com suas intenções pessoais.
 A Bíblia apresenta vários exemplos sobre esse tipo de obediência, dentre eles está a história de Jeú:
“Então o profeta Eliseu chamou um dos filhos dos profetas, e lhe disse: Cinge os teus lombos; e toma este vaso de azeite na tua mão, e vai a Ramote de Gileade;
E, chegando lá, vê onde está Jeú, filho de Jeosafá, filho de Ninsi; entra, e faze que ele se levante do meio de seus irmãos, e leva-o à câmara interior.
E toma o vaso de azeite, e derrama-o sobre a sua cabeça, e dize: Assim diz o Senhor: Ungi-te rei sobre Israel. Então abre a porta, foge, e não te detenhas.
Foi, pois, o moço, o jovem profeta, a Ramote de Gileade.
E, entrando ele, eis que os capitães do exército estavam assentados ali; e disse: Capitão, tenho uma palavra que te dizer. E disse Jeú: A qual de todos nós? E disse: A ti, capitão!
Então se levantou, entrou na casa, e derramou o azeite sobre a sua cabeça, e disse: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Ungi-te rei sobre o povo do Senhor, sobre Israel.” (2Rs 9.1-6)
Além desses versículos, o restante do capítulo 9 e todo o capítulo 10 apresentam em detalhes a história de Jeú
Ele foi escolhido para realizar a justiça de Deus trazendo purificação para o Reino de Israel.
É possível notar, num primeiro momento, o quão zeloso Jeú foi, pois não descansou enquanto não concluiu sua missão.
A seguir, vejamos o quatro atos de Jeú:
1 – Matou os reis de Israel e de Judá (2 Rs 9.14-29);
 
2-  Mata Jezabel (2Rs 9.30-37);
 
3- Mata toda a descendência de Acabe (2Rs 10.1-17);
 
4- Acaba com a adoração a Baal (2Rs 10.18-28).
 
 

Ele foi incisivo, direto em tudo que realizou, entretanto, no final do capítulo 10, faz uma escolha que revela as profundezas do seu coração:

 

“Porém não se apartou Jeú de seguir os pecados de Jeroboão, filho de Nebate, com que fez pecar a Israel, a saber: dos bezerros de ouro, que estavam em Betel e em Dã.”  (2Rs 10.29).

 

Porém, essa palavra significa:

obediência seletiva

 

Aprenda a ser totalmente obediente

 

Porque? Porque Jeú demonstrou compromisso com Deus em seus atos, porém, ao seguir os atos de Jeroboão demonstrou que seu coração não estava de todo no Senhor.

 

 

Assim como Jeú, quantos crentes, hoje, são seletivos para obedecer as ordenanças do Senhor.

 

Entretanto, os filhos verdadeiros não selecionam qual parte da Bíblia devem crer e obedecer, a única opção existente é: obedeça a todo o livro da Lei.

 
“Mas Jeú não teve cuidado de andar com todo o seu coração na lei do Senhor Deus de Israel, nem se apartou dos pecados de Jeroboão, com que fez pecar a Israel.” (2Rs 10.31)
A partir desse versículo é possível inferir que Jeú escolheu imitar um rei que não amava Deus de todo o coração.
Mesmo tendo Davi como exemplo de um rei que andou com Deus e o serviu de todo o coração Jeú optou pelo mal exemplo.
Por isso, diante dessas duas opções é necessário escolher bons exemplos e modelos que inspirem a ter uma vida de santidade e obediência.
 
Diante disso é importante que você reflita:
Qual o interesse que está por atrás das atitudes do seu coração?
 
Quem é você?
 
Qual exemplo você tem seguido?
 
 
Não adianta fugir, se esconder ou ocultar nada do Senhor, pois Ele sonda e conhece seu coração!
“SENHOR, tu me sondaste, e me conheces.
Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento.
Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos.
Não havendo ainda palavra alguma na minha língua, eis que logo, ó Senhor, tudo conheces.
Tu me cercaste por detrás e por diante, e puseste sobre mim a tua mão.
Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta que não a posso atingir.
 Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?”
 
Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.” (Sl 139.1-7;14)

 

 

Deus te criou, Deus te conhece, e você bem sabe disso, então diante de ti está a escolha de abandonar a obediência seletiva e ser totalmente obediente ou permanecer no engano e na hipocrisia, desobedecendo a Deus.

 
 Ouça a mensagem Obediência seletiva e reflita sobre a sua obediência a Deus:

 

Comunicação CERV

E Jesus? perdido na história

E Jesus? perdido na história. Se alguém perguntasse se Jesus está próximo de você, qual seria sua resposta? ‘Sim, somos íntimos!’ ou ‘não, faz tempo que nem sei onde deixei Jesus’.

 

Entretanto, o triste é que muitos afirmam que estão em comunhão com Cristo baseadas na presença em cultos, atividades e eventos da igreja. Porém, isso não é garantia de relacionamento e intimidade com Deus.

 

A Bíblia relata que Maria, José e Jesus, foram celebrar a páscoa indo ao Templo. Após apresentarem seus sacrifícios retornaram para casa, mas no caminho de três dias perceberam que Jesus não estava com eles.

 

“Ora, todos os anos iam seus pais a Jerusalém à festa da páscoa; E, tendo ele já doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume do dia da festa.
 
 
E, regressando eles, terminados aqueles dias, ficou o menino Jesus em Jerusalém, e não o soube José, nem sua mãe.
 
 
Pensando, porém, eles que viria de companhia pelo caminho, andaram caminho de um dia, e procuravam-no entre os parentes e conhecidos;
 
E, como o não encontrassem, voltaram a Jerusalém em busca dele.
 
E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os, e interrogando-os.
 
 
E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas.
 
 
E quando o viram, maravilharam-se, e disse-lhe sua mãe: Filho, por que fizeste assim para conosco? Eis que teu pai e eu ansiosos te procurávamos.
 
 
E ele lhes disse: Por que é que me procuráveis? Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai?
 
E eles não compreenderam as palavras que lhes dizia.
 
E desceu com eles, e foi para Nazaré, e era-lhes sujeito. E sua mãe guardava no seu coração todas estas coisas.
 
 
E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens (Lucas 2.41-52)”.
 
Como os pais de Jesus, muitos têm o perdido por causa de escolhas que vão contra a Palavra de Deus. Estão sinceramente enganados pensando que a presença na igreja faz delas intimas de Jesus, mal sabem que estão mais longe do que nunca!
Não são os atos de religiosidade que conduz o homem a Deus, mas sim o relacionamento estabelecido com Ele, no coração. Veja a vida dos fariseus: participavam das celebrações, sacrifícios, festas, oravam, dizimava e até ensinavam as Leis, entretanto seus corações estavam longe do Senhor.
A comunhão com o Corpo de Cristo faz parte do crescimento espiritual, mas não é garantia de intimidade com Deus. Intimidade é construída na intimidade, só a pessoa e Deus. O ir a igreja é um resultado desse relacionamento.
 Muitas pessoas iniciam bem sua trajetória ao lado de Jesus, têm intimidade com Ele, mas, no meio do caminho vão permitindo o engano entrar no coração e o que não era normal, passa a ser normal. Quando alguém diz: “Ah! isso não tem nada a ver!”, pode saber que o engano já está alojado no coração.

 E Jesus? perdido na história.

 Jesus ficou para trás e a pessoa continua no caminho do pecado, longe, distante e com os lábios permanece afirmando: “Jesus está comigo! Eu sou de Jesus!
Será que é mesmo?  Leia o que Jesus declarou acerca da igreja de Laodicéia:
“E ao anjo da igreja de Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus:
Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!
Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.
Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;
Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.
Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te.
Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.
Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Apocalipse 3.14-22). 
 
 
 No texto bíblico, Jesus acusa a Igreja de não ser quente, nem fria e que por ser morna o seu desejo era de  vomitá-la. Em outras palavras: é melhor que viva logo no mundo do que permanecer dentro da igreja vivendo de aparência!
 
Jesus não está interessado em ativismo, de fazer, fazer e fazer. Ele está interessado no ser, ser e ser. O coração, o que está dentro dele é que interessa o Senhor.
E Jesus? perdido na história.
Perdido na história de muitos que nominalmente se declaram crentes, mas não o são. Vivem de aparência, vivem no engano e com isso a história está paralisada, não há progressos.
No texto acima, de Apocalipse, o Senhor aconselha que as pessoas deem ouvidos as suas palavras, a correção, para terem mudança de vida. A saírem da condição de morno para ser quente.
A pessoa que é quente é cheia da presença do Espírito Santo e vive um relacionamento de intimidade com Jesus. Vive com Ele e para Ele fora do culto.
Ouça a mensagem ‘E Jesus? perdido na história’ e pense sobre como está seu relacionamento com o Senhor:

 

Comunicação CERV

Uma amizade perigosa

Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tg 4.4).

O mundo, kosmos, aqui, não é o mundo físico, geográfico ou habitado pelo homens, mas um sistema de valores que está em aberta oposição a Deus e à sua palavra.

Não se trata de algo material, mas espiritual. Não se refere à criação, mas à cosmovisão que conspira contra os preceitos de Deus.

É uma maneira ver a vida, a família, a sociedade, a igreja, o dinheiro, o sexo, os prazeres, as oportunidades, o tempo e a eternidade deixando de lado a realidade de Deus e de sua Palavra.

Ser amigo desse sistema é um ato de infidelidade a Deus. É como um adultério espiritual.

Deus firmou um pacto conosco, onde somos o seu povo e ele é o nosso Deus. Estamos numa relação de aliança com ele. Devemos a ele fidelidade e obediência.

Portanto, ser amigo do mundo, amar o mundo e conformar-se com o mundo, é virar as costas para Deus, repudiá-lo e ser infiel a ele.

Consequentemente, a amizade do mundo é inimiga de Deus. Não dá para ser amigo de Deus e do mundo ao mesmo tempo.

É impossível viver enamorado do mundo e ter comunhão com Deus. A amizade do mundo exclui a amizade com Deus e a amizade com Deus impede a amizade com o mundo.

Esse sistema chamado “mundo” é governado por um ser maligno. O mundo tem um príncipe que está em oposição a Deus. O príncipe deste mundo é o Diabo.

Ele é mentiroso, ladrão e assassino. Ele é enganador, tentador e destruidor. Veio para roubar, matar e destruir.

Entenda a importância das escolhas para ter uma vida feliz

Este príncipe das trevas mantém as pessoas cativas em sua casa, na sua potestade e no seu reino lúgubre e lôbrego. Ser amigo do mundo é viver debaixo desse influência maligna.

O mundo tem o seu glamour. Suas ofertas são sedutoras. Suas propostas são aparentemente vantajosas.

O Diabo é um embusteiro. Oferece o que não pode dar. Seus banquetes têm muitas taças transbordantes de prazer, mas ao fim são taças cheias de veneno.

Ao mesmo que oferecem prazer, trazem desgosto; ao mesmo tempo que fazem promessas de liberdade, escravizam. Ao mesmo tempo que anunciam vida, pagam com a morte.

Oh, Deus é a fonte da vida! Na sua presença há plenitude de alegria. Ele é a fonte de todo o bem. Só ele pode trazer alegria para a alma, descanso para a mente, alívio para o coração.

Só ele pode tirar o fardo pesado da dor, perdoar os pecados e fazer novas todas as coisas em nossa vida. A amizade de Deus é o mais sublime privilégio da vida. Ser amigo de Deus é desfrutar de alegria indizível e cheia de glória.

Desfrutar da intimidade de Deus é beber as taças da verdadeira felicidade. Obedecer a Deus é a essência do nosso verdadeiro prazer. Só quando conhecemos a amizade de Deus, temos pleno discernimento de quão enganoso é o mundo.

Só quando saboreamos a alegria da vida eterna e os privilégios que ela traz temos uma noção cristalina de quão perverso é o mundo, quão iníquos são seus valores e quão terrível é o Diabo.

É tempo de rompermos com a amizade do mundo. É tempo de olharmos para a vida na perspectiva de Deus e quebrarmos todos os vínculos que ainda tentam nos prender ao mundo.

Saiba mais sobre as amizade offline e online

O caminho do mundo é largo, mas leva à perdição. A porta do mundo é espaçosa, mas conduz à morte. O mundo é uma mentira. Suas vantagens são pura perda. Seus prazeres são notórios pesados. Seu caminho leva ao inferno. Sua amizade é inimiga de Deus.

Porém, a amizade de Deus é o caminho mais seguro para a nossa plena felicidade aqui e por toda a eternidade, uma vez que a própria essência da vida eterna é conhecer a Deus e deleitarmo-nos nele para sempre e sempre.

 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda sobre o tema ‘Uma amizade perigosa’, participe dos cultos da Mocidade Restaurando Vidas, aos sábados, às 19 horas.
Mais informações ligue: (31) 98425-5591 (Raquel Almeida)

Filho, volta

Filho, volta é uma mensagem que trata sobre o perdão e o amor de Deus pelos seus filhos.

É o convite do Senhor para seus filhos, que o abandonaram, para retornarem a casa Dele.

Muitos saíram literalmente da igreja, da Casa de Deus, mas há aqueles que ainda permanecem fisicamente, mas estão com seus corações distantes do Senhor.

O problema em ambas situações é que quanto mais longe de Deus e de seus propósitos, mais difícil fica a volta.

E essa volta torna-se dificultosa porque normalmente as pessoas têm dificuldade de pedir perdão e reconhecer seus erros.

Até apresentam remorso, que parece arrependimento, mas não passa de uma emoção momentânea.

Isso faz com que as pessoas vivam mais distantes dos planos e dos propósitos de Deus.

A questão é que Deus, como Pai, deseja o melhor para os seus filhos. Ele não tem prazer em ver o mal, a derrota ou a desgraça dos seus.

Para ilustrar esse amor imensurável do Senhor como Pai, Jesus contou a seguinte parábola:

“Jesus continuou: “Um homem tinha dois filhos.

O filho mais jovem disse ao pai: ‘Quero a minha parte da herança’, e o pai dividiu seus bens entre os filhos.

Alguns dias depois, o filho mais jovem arrumou suas coisas e se mudou para uma terra distante, onde desperdiçou tudo que tinha por viver de forma desregrada.

Quando seu dinheiro acabou, uma grande fome se espalhou pela terra, e ele começou a passar necessidade.

Convenceu um fazendeiro da região a empregá-lo, e esse homem o mandou a seus campos para cuidar dos porcos.

Embora quisesse saciar a fome com as vagens dadas aos porcos, ninguém lhe dava coisa alguma.

Quando finalmente caiu em si, disse: ‘Até os empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu estou aqui, morrendo de fome

Vou retornar à casa de meu pai e dizer: ‘Pai, pequei contra o céu e contra o senhor, e não sou mais digno de ser chamado seu filho. Por favor, trate-me como seu empregado’.

Então voltou para a casa de seu pai. Quando ele ainda estava longe, seu pai o viu. Cheio de compaixão, correu para o filho, o abraçou e o beijou.

O filho disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra o senhor, e não sou mais digno de ser chamado seu filho’.

O pai, no entanto, disse aos servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa da casa e vistam nele. Coloquem-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés.

Matem o novilho gordo. Faremos um banquete e celebraremos, pois este meu filho estava morto e voltou à vida. Estava perdido e foi achado!’. E começaram a festejar.

Enquanto isso, o filho mais velho trabalhava no campo. Na volta para casa, ouviu música e dança, e perguntou a um dos servos o que estava acontecendo.

 O servo respondeu: ‘Seu irmão voltou, e seu pai matou o novilho gordo, pois ele voltou são e salvo!’

O irmão mais velho se irou e não quis entrar. O pai saiu e insistiu com o filho, mas ele respondeu: 

‘Todos esses anos, tenho trabalhado como um escravo para o senhor e nunca me recu­sei a obedecer às suas ordens. E o senhor nunca me deu nem mesmo um cabrito para eu festejar com meus amigos.

Mas, quando esse seu filho volta, depois de desperdiçar o seu dinheiro com prostitutas, o senhor comemora matando o novilho!’.

O pai lhe respondeu: ‘Meu filho, você está sempre comigo, e tudo que eu tenho é seu.

Mas tínhamos de comemorar este dia feliz, pois seu irmão estava morto e voltou à vida. Estava perdido e foi achado!” (Lucas 15.11-32).

O desejo do pai da parábola era o melhor para seus dois filhos. Entretanto, chegou um ponto que o filho mais novo pediu sua herança e partiu da casa do pai.

O que ele não pensou é que longe do Pai, dos caminhos de Deus, não há razão de ser.

No princípio suas escolhas pareciam as mais corretas, afinal, tudo estava dando certo: dinheiro, diversão e muitos amigos.

Porém, depois que o dinheiro acabou, as amizades e alegrias foram embora. E ele ficou só.

Esse jovem estava sozinho, derrotado e em miséria ao ponto de que lhe restava apenas o trabalho e a comida dos porcos.

Muitas das vezes, assim como esse jovem da parábola, as pessoas vão de mal a pior.

E quando estão no fundo do poço reconhecem a miséria espiritual e a derrota que abrange todas as áreas da vida.

Então, nesse momento recordam-se da Casa do Pai.

Nesse momento é necessário fazer uma escolha: permanecer onde está ou retornar para os braços do Pai.

Talvez, seja esse o seu caso, você saiu da presença e da casa do Pai. Está vivendo longe dos propósitos de Deus.

O Senhor tem perdão e amor para você, por isso Ele diz: Filho, volta!

Hoje, o Senhor declara a você: Filho, volta! E para você retornar há dois passos fundamentais:

1- Reconhecer seus pecados e arrepender-se.

2- Regressar definitivamente para a Casa do Pai

Será na presença de Deus, na Casa Dele, que você será restaurado e cuidado para, então, retornar aos propósitos que Ele tem para a sua vida.

O Senhor tem perdão e amor para você, por isso Ele diz: Filho, volta!

Ouça esta canção e seja recebido nos braços do Pai

Filho, volta, pois o amor e o perdão do Pai te espera. Uma nova vida em Cristo Jesus está disponível para você!

Ouça a mensagem ‘Filho, volta’ e receba o amor e o perdão do Pai:

Comunicação CERV

O que posso aprender com a igreja de Éfeso

O que posso aprender com a igreja de Éfeso? Você já se fez está pergunta?

Se não, a partir desta mensagem você será convidado a examinar a história desta igreja e aprender com seus erros e acertos.

A igreja de Éfeso, no ano de 53 d.C, foi fundada pelo apóstolo Paulo em sua terceira viagem missionária.

Vejamos o que acontece assim que Paulo chega a cidade:

“Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo viajou pelas regiões do interior até chegar a Éfeso, no litoral, onde encontrou alguns discípulos.

 Ele lhes perguntou: “Vocês receberam o Espírito Santo quando creram?”. “Não”, responderam eles. “Nem sequer ouvimos que existe o Espírito Santo.”

“Então que batismo vocês receberam?”, perguntou ele. “O batismo de João”, responderam.

Paulo disse: “João batizava com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que viria depois, isto é, em Jesus”.

Assim que ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus.

Paulo lhes impôs as mãos e o Espírito Santo veio sobre eles, e falaram em línguas e profetizaram.

Eram ao todo uns doze homens.

Em seguida, Paulo foi à sinagoga e ali pregou corajosamente durante três meses, argumentando de modo convincente sobre o reino de Deus.” (Atos 19.1 -8)

Para compreender  de forma ampla a história desta igreja é fundamental saber a sua história e contexto da época.

Éfeso era a principal igreja da Ásia menor, região pertencente ao Império Romano.

Era a capital, e seu território fazia parte de várias rotas comerciais, por isso, muito rica e avançada.

Para se ter uma ideia da sua importância, para entrar na cidade o visitante deveria pagar.

A riqueza de Éfeso era visível em um tour pela sua avenida principal. Suas construções eram belíssimas e de grande porte.

Ao final desta avenida o visitante encontrava um teatro no qual cabia 25 mil pessoas.

Entretanto, a atração principal da cidade era o templo dedicado a deusa Diana, pois a economia local girava em torno desta deusa.

Paulo pregou e ensinou em Éfeso por 2 anos e 3 meses e o número de conversões genuínas foi grande:

“Muitos dos que creram confessaram suas obras pecaminosa.

Vários deles, que haviam praticado feitiçaria, trouxeram seus livros de encantamentos e os queimaram publicamente. O valor dos livros totalizou cinquenta mil moedas de prata.

Assim, a mensagem a respei­to do Senhor se espalhou amplamente e teve efeito poderoso.” (At 19.18,19 e 20)

Tamanha era a convicção de pecados que os novos convertidos confessavam publicamente suas mazelas e atos pecaminosos.

Pessoas abriam mão das magias, feitiçarias e levavam seus livros de magia em praça pública para serem queimados.

Estas atitudes começaram a mexer na economia da cidade, ao ponto da população ter o desejo de expulsar o apóstolo Paulo de lá.

E no capítulo seguinte, em Atos 20-25,-32, é possível ver a despedida de Paulo, mas antes deixa um alerta para a igreja, a respeito das falsas doutrinas e dos falsos mestres:

“Agora sei que nenhum de vocês, a quem anunciei o reino, me verá outra vez.

Por isso, declaro hoje que, se alguém se perder, não será por minha culpa,

pois não deixei de anunciar tudo que Deus quer que vocês saibam.

“Portanto, cuidem de si mesmos e do rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos, a fim de pastorearem sua igreja, comprada com seu próprio sangue.

Sei que depois de minha partida surgirão em seu meio falsos mestres, lobos ferozes que não pouparão o rebanho.

Até mesmo entre vocês se levantarão homens que distorcerão a verdade a fim de conquistar seguidores.

Portanto, vigiem! Lembrem-se dos três anos que estive com vocês, de como dia e noite nunca deixei de aconselhar com lágrimas cada um de vocês.

“E, agora, eu os entrego a Deus e à mensagem de sua graça que pode edificá-los e dar-lhes uma herança junto com todos que ele separou para si.”

No ano de 62 d.C, Paulo está em sua prisão domiciliar, em Roma, e escreve uma carta para a igreja de Éfeso.

É uma carta que não apresentava correções severas, acusações ou apontamento de práticas de pecado.

A todo momento o apóstolo os exortava que se mantivessem no que foram ensinados.

E também a viverem em novidade de vida, em Cristo Jesus. Outros assuntos que estavam escritos eram sobre a comunidade da fé e os novos padrões de relacionamento.

Após a morte de Paulo, Timóteo assume o pastorado da igreja até que é direcionado a outras missões.

Passados alguns líderes, no ano de 81 d.C, o apóstolo João, o discípulo amado de Cristo, é quem assumia a liderança da igreja.

Neste período, João é exilado na Ilha de Patmos e lá  tem a experiência sobrenatural descrita no livro de Apocalipse.

No inicio do livro, dentre as cartas escritas a igrejas, há uma direcionada a igreja de Éfeso. Quarenta anos depois da fundação da igreja, no ano de 95 d.C, esta carta chega a liderança da igreja.

Agora atente-se com o que aconteceu com esta igreja, com o passar dos anos, e faça um paralelo com a sua vida, desde quando foi salvo até a presente data.

Vamos ver o que Jesus fala sobre esta igreja:

 “Escreva esta carta ao anjo da igreja em Éfeso. Esta é a mensagem daquele que segura na mão direita as sete estrelas, daquele que anda entre os sete candelabros de ouro:

“Sei de tudo que você faz. Vi seu trabalho árduo e sua perseverança, e sei que não tolera os perversos. Examinou as pretensões dos que se dizem apóstolos, mas não são, e descobriu que são mentirosos.

Sofreu por meu nome com paciência, sem desistir

“Contudo, tenho contra você uma queixa: você abandonou o amor que tinha no princípio.

Veja até onde você caiu! Arrependa-se e volte a praticar as obras que no início praticava. Do contrário, virei até você e tirarei seu candelabro de seu lugar entre as igrejas

Mas há isto a seu favor: você odeia as obras dos nicolaítas, como eu também odeio.

“Quem tem ouvidos para ouvir, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vitorioso, darei o fruto da árvore da vida que está no paraíso de Deus.” (At 2.1-7).

A partir da leitura desta carta, pense: hoje, depois de (coloque os anos que você já se converteu), o que Jesus tem para falar a seu respeito?

Como foi possível ler, o alerta que Paulo deu a igreja permaneceu sendo cumprindo: a reprovação de falsas doutrinas e ensinos.

Éfeso era uma igreja que servia, trabalhava em favor do Reino de Deus, uma igreja que tinha discernimento.

Portanto, tudo que ouviam do seu líder, a respeito destes assuntos, praticavam.

E você? Tem ouvido seu líder? Tem dado a devida importância as instruções dele?

Ainda na fala de Jesus, sobre esta igreja, após exaltar seus bons atributos o Senhor alerta, que havia um problema: eles abandonaram o primeiro amor.

E é neste ponto que é necessário refletir: Qual é a motivação que está no seu coração?

Será que você não está automatizado suas ações para Deus?

Parafraseando o que Jesus disse para a igreja de Éfeso: você guarda a Palavra e trabalha, mas o que o motiva a fazer isto?

O que o motiva se você já abandounou o primeiro amor? (se for este o seu caso)

Se não é o amor que o motiva a servir a Deus e a adorá-Lo, o que te motiva, então?

A igreja de Éfeso tinha uma habilidade grande olhar para os outros e detectar o erro, entretanto, não olhava para si.

E, hoje, no meio da igreja, há pessoas que se comportam da mesma maneira.

Examine a si mesmo, abra seus ouvidos para o quê o Espírito Santo ministra nesta Palavra.

Como você está? Quais têm sido as suas motivações?

Assim como Jesus disse a Éfeso: “Lembra-te de onde caíste”. Ele também diz para você.

Faça uma autoavaliação. Será que houve algum tempo na sua vida que você orou, estudou a Palavra, jejuou e participou dos cultos e programações da igreja mais do que hoje?

E o Senhor diz mais: “Arrependa-se!”

Então, tenha coragem de, após se examinar, de se arrepender do seus erros e pecados.

E por último Jesus diz: prática!

Não basta apenas identificar os erros e se arrepender deles, é necessário ter uma nova postura, voltar ao primeiro amor.

A partir desta leitura, portanto, convidamos a você a ouvir esta mensagem e avaliar o que pode aprender com a igreja de Éfeso!

Ouça a mensagem ‘O que posso aprender com a igreja de Éfeso’ e permita o Espírito Santo falar ao seu coração sobre como está o seu amor por Jesus Cristo:

 

Comunicação CERV

O poder da escolha na família

O poder da escolha na família trata sobre a importância das escolhas corretas para o sucesso das relações no seio familiar.

A Bíblia relata que Adão e Eva, primeiro casal criado por Deus, receberam do Senhor o poder da escolha.

No capítulo 2 de Gênesis, Deus concede a Adão e Eva o direito de desfrutar de todas as árvores do jardim.

A única árvore proibida era a árvore do fruto do Bem e do Mal. Junto a proibição Deus apresenta a punição, caso escolhessem desobedecer.

Aprenda sobre a importância da obediência para a sua família

O casal era conhecedor da verdade, porém, a invigilância de ambos trouxe um sério problema para a família.

Eva foi a primeira a ser enganada. Seu primeiro erro foi estabelecer diálogo com a serpente.

Como conhecedora de toda a criação de Deus a mulher deveria saber que serpentes não falam.

Naquele momento Eva não teve discernimento espiritual para entender que quem falava com ela era Satanás.

Muitas vezes o Inimigo usa a vida de um dos membros da família para tentar causar situações de conflito.

Por isso, é necessário que todos busquem estar vigilantes e orem por discernimento para não caírem na cilada de Satanás.

Além de conversar com o Diabo, Eva cometeu outro erro: transmitir ao Inimigo palavras que Deus havia dito apenas a ela e ao seu esposo.

A partir dessas brechas a serpente pode começar a lançar dúvidas no coração de Eva quanto a Palavra de Deus.

E o poder de escolha na família tem peso maior a partir desse diálogo.

A dúvida é lançada e entre a Palavra de Deus e a de Satanás, Eva escolhe dar ouvidos as palavras do Inimigo.

A escolha é individual, entretanto, tanto a escolha do homem quanto a da mulher geraram consequências para toda a família.

Saiba como ser a diferença na sua família

Na história, os dois escolheram errado. A culpa não é apenas de um, mas nenhum dos dois assumiu a responsabilidade da escolha que fizeram.

Na Bíblia é possível ler que Adão responsabiliza Eva pela escolha que fez e Eva responsabiliza a serpente.

Nenhum deles teve a coragem de assumir que erraram porque escolheram errado.

Hoje, em muitos relacionamentos conjugais e dentro da família acontece a mesma situação.

Ocorre um problema e a culpa não é da pessoa, mas sim do outro. Não é porque o outro errou que a pessoa também deve errar.

O pecado de Eva não justifica o de Adão e vice- versa.

A história da primeira família criada por Deus serve para nos ensinar que cada membro da família deve se responsabilizar por suas escolhas.

Cada um, como conhecedor da Palavra de Deus deve buscar viver em obediência e cumprindo de forma correta o seu papel na família.

Não é necessário esperar do outro ou basear sua conduta na do outro. O caminho correto está traçado pelas Sagradas Escrituras.

Portanto, faça suas escolhas corretas e seja uma bênção para a sua família, independente de como está o seu lar.

Faça você a sua parte para viver em paz com todos da sua casa.

Ouça a mensagem “O poder da escolha na família” e permita que o Espírito Santo revele ao seu coração se você tem feito as escolhas corretas no seu lar:

 

Aprenda mais sobre “O poder da escolha na família”, participe dos Cultos da Família celebrados mensalmente, no último domingo.
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Seja santo como o seu Pai

Seja santo como o seu Pai. Essa é uma ordenança bíblica a ser seguida por aqueles que renderam suas vidas ao Senhor Jesus Cristo. Ser filho de Deus implica em sermos parecidos com Ele. Quando o apóstolo Paulo diz que nos despimos do velho homem (Ef 4.22), significa que tiramos tudo o que nos deixava iguais às trevas e nos revestimos do Espírito Santo, que é luz.

Se observarmos um filho com o pai, digo na relação natural, notaremos algumas semelhanças físicas e comportamentais tais como: os traços do rosto, a cor do cabelo, o jeito de sorrir, de andar e até mesmo de se expressar. Há características herdadas geneticamente e outras adquiridas pela convivência. A crianças observa o jeito do pai conversar e expressar, e principalmente nos primeiros anos de vida, tende a imita-lo.

E na relação dos filhos com o Deus Pai deve acontecer a mesma forma. É necessário imitar a Deus em tudo. Não se pode ver a Deus, pois a Palavra afirma que ninguém jamais o viu, mas Ele enviou Jesus, que também é Deus, para nos dar o exemplo:

Eu falo do que vi junto de meu Pai, e vós fazeis o que também vistes junto de vosso pai (Jo 8.38)

As Sagradas Escrituras revelam vários atributos ativos de Deus, os mais conhecidos são a sua onipotência, onipresença e onisciência. Porém, há outro muito importante que é a santidade.

No Antigo Testamento, especialmente no livro de Levítico, Deus afirma em vários versículos: “Eu sou santo”. O livro fala a respeito de como o povo de Israel deveria ser para o Senhor: Santos. O Senhor ordena que o povo se separe de tudo que é imundo e pecaminoso. Ele queria uma nação exclusiva e santa para que as outras nações da época olhassem para Israel e reconhecessem Deus em suas vidas.

Porque eu sou o SENHOR, que vos fiz subir da terra do Egito, para que eu seja vosso Deus, e para que sejais santos; porque eu sou santo (Lv 11.45)

A Bíblia não oferece duas alternativas para escolher uma: Letra A, se você quiser, na hora que quiser, seja santo. Ou letra B, “Sede santos porque Eu Sou Santo”. Se você tem optado pela primeira opção, sinto lhe informar, mas ela é a resposta errada. A alternativa correta é a letra “B”. O Senhor ordena que seus filhos santifiquem-se, separem-se do pecado. Ou você é santo ou não é. Não existe meio termo.

A Palavra é clara ao dizer que sem santidade ninguém verá a Deus (Hb 12.14). A ordem para os filhos do Pai eterno é:

Portanto, santificai-vos, e sede santos, pois eu sou o SENHOR vosso Deus. E guardai os meus estatutos, e cumpri-os. Eu sou o SENHOR que vos santifica (Levítico 20.7-8)

O primeiro passo para ser santo tem que partir de você. Quando escolhe se separar, eliminar as velhas práticas pecaminosas, se afasta das companhias que o levam para o mal, o Senhor, por meio do Espírito Santo, completa em sua vida a obra de santificação.

Na sua mente pode surgir a pergunta: “Mas o que devo fazer para ser santo, quais atitudes devo escolher?” Busque o Reino de Deus e sua Justiça em primeiro lugar. Vigie, ore, jejue, estude a Bíblia e congregue em uma igreja que vive os princípios imutáveis da Palavra. Invista em amizades, relacionamentos que lhe impulsionem a estar mais perto do Senhor. E o principal: afaste o que lhe afasta de Deus. Se for uma determinada amizade, a internet, a televisão ou um lugar, passe longe. Tentação não se enfrenta, foge.

Seja o filho que alegra o coração do Pai. Queira imita-lo em tudo, principalmente na santidade. Escolha dia após dia ser santo e a tornar cada vez mais clara as suas vestes diante do Pai.

Aprenda mais sobre “Seja santo como o seu Pai” participe da Escola Bíblica Dominical, aos domingos, às 9 horas, na CERV.
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Três histórias, um só Salvador

Em três histórias, um só Salvador o pastor George Foster compartilha suas experiência missionárias e a mensagem da Salvação

Três história, um só Salvador. A partir do relato de três histórias vivenciadas em um avião, o pastor George Foster aborda a respeito da Salvação.

Cada pessoa tem uma história antes de conhecer Jesus e todas necessitam conhecê-Lo e reescrever uma nova história Nele.

A Bíblia declara que não foi o ser humano por seus méritos e esforços que encontrou Jesus.

Pelo contrário, foi Ele que atraiu o coração do homem e o encontrou. Ele é o único mediador e caminho até o coração do Pai.

Três histórias, um só Salvador apresenta a história de:

1- Uma aeromoça que utilizava um cordão com a cruz, mas não acreditava ser necessário estar numa igreja e viver como a Bíblia diz;

2- Uma cientista que interessa-se pela Palavra de Deus e pede uma Bíblia de presente

3- Um homem que ouve o pastor pregar para outra pessoa alcoolizada e entende que a pregação era para Ele e não para o bêbado.

Todos os três ouviram a mensagem da Cruz, de vida, de salvação, cura e libertação. Mas diante desta mensagem cada um reagiu de uma maneira.

Leia e assista ao Testemunho de salvação do jovem Robson Jr.

Os que escolheram a Cristo puderam, então, desfrutar de uma comunhão íntima e sincera com o Senhor.

Não há nada mais precioso do quê ter comunhão e um relacionamento sincero com Deus.

Entretanto, existe algo que pode interferir nesta comunhão: o pecado.

Assim aconteceu no Jardim do Éden, a partir da escolha errada de Adão e Eva em desobedecer a Deus.

Para reconciliar o homem com Deus, o Senhor traçou o plano de salvação por meio de Jesus Cristo.

Esse plano perdura até hoje para todo aquele que Nele crê!

Outro exemplo de perda de comunhão com o Senhor é o do Rei Davi.

Ele era um homem segundo o coração de Deus. Porém, uma escolha errada o afastou do Senhor.

Não foi a guerra quando deveria ir e cobiçou uma mulher que não deveria possuir e a possuiu.

A mulher ficou grávida e Davi, de todas as formas, tentou encobrir o seu pecado, porém o pecado o achou.

Natã, usado por Deus, apontou a Davi o seu pecado e o Rei confessou o seu pecado e escreveu o Salmo 32.

Confessar os pecados diante do Senhor é melhor que encobri-los.

Pecados arrependidos e confessados geram perdão e restauração pelas mãos do Senhor. Logo, a comunhão é restabelecida.

Não adianta fugir, se esconder e encobrir o mal, pois Deus tudo vê e tudo sabe.

A melhor escolha para o ser humana é confessar, arrepender e mudar de vida. Isso gera bênçãos e mais vida para o arrependido.

Será que você não tem se comportado como Adão e Eva? Como Davi? Ocultando pecados e com isso se afastando cada vez mais de Deus.

O Senhor não tem prazer no pecado, mas deseja transformar a vida do pecador, mesmo que já conheça a verdade.

Hoje é dia de arrependimento, de abrir o seu coração e com sinceridade confessar diante do Senhor os pecados.

Permita que neste momento o Senhor toque no seu coração. Confesse cada pecado, cada atitude errada.

Peça, de todo o coração, que o Senhor Jesus o purifique com o seu precioso sangue, te tornando mais alvo que a neve.

Deus tem uma purificação muito grande para o seu coração. Ele pode e quer mudar sua vida para sempre!

Ouça a mensagem “Três histórias, um só Salvador” e descubra que Jesus deseja ser o autor da sua nova história:
Aprenda mais sobre este assunto, participe do Culto da Sociedade Com Deus, no próximo domingo, às 19 horas, na CERV. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Receba um novo coração

Quero plantar em seu coração uma promessa do Senhor:

“E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis” Ezequiel, capítulo 36, versos 26 e 27.

Essa passagem bíblica nos traz uma promessa aparentemente estranha, diferente. Ela é como se fosse uma cirurgia de transplante de coração.

Você precisa compreender que a nossa fé não é uma religião ou um conjunto de doutrinas. Ela é um relacionamento de intimidade com Deus, o qual nos permitirá andar segundo Sua vontade para nossa vida. Não conseguiremos andar na vontade do Senhor pelos nossos próprios esforços, mas somente por meio do nosso relacionamento com Ele.

E isso acontecerá quando recebermos Dele um novo coração, conforme registrado em Sua palavra: “Dar-vos-ei um coração novo”. E por que precisamos de um coração novo? Porque o próprio Deus declarou que não existe nada mais corrupto, podre, mal cheiroso do que o coração do homem. Ele não tem conserto e, é por isso que todo homem precisa passar por essa cirurgia de transplante. Nessa cirurgia o Senhor arrancará o coração velho e podre e colocará Seu próprio coração no lugar.

Um coração podre, repleto de pecados faz com que nosso espírito permaneça separado do espírito de Deus. Porém, quando Jesus torna-se nosso Senhor e Salvador, nosso espírito, que estava separado de Deus, passa a ter comunhão com o Senhor e nos tornamos morada do Espírito Santo.

O coração de pedra é frio, insensível, duro e ninguém pode ser feliz ou ter uma vida com sentido enquanto tiver um coração de pedra.

Como é bom saber que o Senhor pode arrancar de dentro de nós um coração de pedra e nos dar um coração de carne.

O coração de pedra é frio, insensível, duro e ninguém pode ser feliz ou ter uma vida com sentido enquanto tiver um coração de pedra.

Talvez, seu coração de pedra ainda não foi arrancado; por isso, suas palavras são tão duras e sua vida tão marcada pela dificuldade de perdoar as pessoas, de amar e de ser amado.

Permita-se receber um novo coração do Pai. Com esse  novo coração você verá coisas maravilhosas acontecerem não só na sua vida, mas na  de outras pessoas também.

Não sei qual é a sua idade, mas isso não importa. O que realmente importa é a sua decisão de clamar por um coração novo crendo que o receberá

O apóstolo Paulo traduziu essa experiência em Gálatas 2.20, dizendo:

“Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”.

A vida de Paulo foi mudada a partir do momento em que o coração de Jesus passou a pulsar dentro do seu peito.

Essa transformação fez dele o homem que mudou não apenas a própria história, mas a da humanidade, ao pregar o Evangelho, levando as pessoas a desfrutarem de uma nova vida e com um novo coração.

Guarde essa verdade e permita receber das mãos do Senhor um novo coração.

Pr. Márcio Valadão

“É Jesus, é Jesus e é Jesus”

Meu nome é Robson de Almeida Lage Junior, tenho 21 anos e há 1 ano e 2 meses sou membro da CERV. Antes de conhecer a Jesus Cristo, eu era um jovem irado que facilmente se enraivecia. Xingava palavrões e utilizava palavras ásperas de forma muito natural, pois me sentia no direito de agir dessa maneira.

Meu relacionamento com meus pais era muito difícil. Não os respeitava de forma alguma e constantemente discutia com eles por motivos banais. Um dos assuntos que geravam brigas era a constante cobrança a respeito de estudos e trabalho. Não tinha interesse algum em estudar e menos ainda em trabalhar. Meu projeto era ficar em casa sem fazer nada e curtir a vida com meus “amigos”. A relação com meu irmão mais velho era péssima, não conversávamos e quando tínhamos algum diálogo logo aconteciam discussões. Os motivos? Sempre fúteis. A única pessoa com quem convivia bem era minha irmã de 7 anos. E as vezes com meus pais, principalmente quando não estavam me cobrando de alguma coisa.

Por não ter paz dentro do meu lar preferia passar horas fora de casa. Me sentia melhor na rua, na companhia dos meus “amigos”, e fazendo tudo que tinha vontade. Enquanto estávamos juntos falávamos e fazíamos muitas besteiras, tínhamos comportamentos e atitudes que nem vale a pena mencionar. Nossos lugares preferidos eram os bares ou os estádios de futebol ou ficar na rua, perto de casa. Não tinha o hábito de consumir bebida alcoólica, raramente consumia. O que valia a pena era ficar longe de casa, pois não haveria cobranças e nem brigas.

Entretanto, em meio a tanta euforia e curtição, no meu interior, dentro do meu coração, havia apenas vazio e tristeza. Quando esses sentimentos ruins aumentavam, o meu desejo era ficar isolado, não queria falar com ninguém, queria ficar sozinho. Em meio a essa situação, meus vizinhos, que são evangélicos e membros da CERV, falaram comigo a respeito de Jesus e da Palavra. Foi a primeira vez que realmente me interessei em aprender sobre o Evangelho, pois já havia ido a  cultos em outras igrejas, porém não tive vontade de permanecer nessas igrejas.  Recebi desses vizinhos o convite para participar do Culto de Ano Novo 2015-2016, na CERV.

Realmente gostei muito da CERV, pois vi nas pessoas sinceridade e nas palavras pregadas a verdade sobre o pecado. Passei a frequentar a igreja aos domingos. Ficava admirado em ver como pessoas tão diferentes podiam viver tão unidas, falando a mesma língua, sendo gentis e amorosas. Continuei a frequentar a igreja até que chegou o Acampadentro de 2016. Participei das pregações pelas manhãs e nos períodos da noite.

Quando cheguei a igreja no domingo à noite, 7 de fevereiro, estava pensativo a respeito da minha vida. Não me recordo muito da pregação do pastor Rafael, mas me lembro de ter, naquela noite, olhado bem para quem eu era, para as minhas atitudes, e compará-las com a verdade que ouvia dentro da igreja. A pregação acabou e permaneci assentado, pensando, até que uma irmã da igreja chegou até mim e perguntou se eu já havia entregado a minha vida a Jesus. Respondi que não. A partir daí ela contou um pouco seu testemunho e falou do amor de Jesus pela minha vida. Em meio à conversa comecei a chorar, pois senti algo no meu coração, hoje sei que era o Espírito Santo me tocando, e percebi que precisava tomar uma atitude e mudar de vida.

Nesse dia entreguei meu coração a Jesus Cristo e me senti uma pessoa melhor, mais leve, diferente. Muitos comportamentos mudaram, entretanto, havia pecados na minha vida que não tinha forças para abandonar. Mas à medida que buscava o Senhor e frequentava os cultos da igreja Ele foi me ajudando a vencê-los. O Espírito Santo me dava, a cada dia, convicção de que Deus tinha um plano para a minha vida e minha família. E para que esse plano se cumprisse, precisaria verdadeiramente me consagrar a Ele e ter um relacionamento íntimo com Cristo.

Passei a orar e a jejuar diariamente, a me separar do pecado e a buscar a santidade no Senhor. Além disso, iniciei aconselhamentos semanais que me ajudaram e ajudam muito a ficar mais firme e forte no Senhor. A pastora Graça, líder da CERV, também conversou muito comigo e me orientou a respeito de muitos assuntos, o que foi de bênção para mim.

Iniciei uma busca incessante pelo batismo com o Espírito Santo, orando, jejuando, estudando a Palavra e participando dos cultos. E também comecei a orar clamando pela salvação da minha família e a interceder pela igreja e meus irmãos em Cristo. Todos os eventos da igreja e cultos sempre clamava a Deus pelo Batismo com o Espírito Santo, queria muito ser batizado.

Após 1 ano, desde a minha conversão, se aproximava mais uma vez o Acampadentro. Minha expectativa era grande, queria muito participar, mas não tinha recursos financeiros. Comecei a orar e a pedir a Deus essa provisão. Dois dias antes de iniciar o Acampadentro recebi a boa notícia de que um irmão da igreja havia me abençoado. Fiquei muito feliz e grato!

Assim que recebi essa notícia a minha oração para Deus foi: “Senhor, que aconteça tudo conforme a sua vontade”. Eu sabia que Deus tinha algum propósito para minha vida neste Acampadentro, pois havia respondido minhas orações a respeito do dinheiro para participar. Permaneci em jejum durante o Acampadentro e orando para ser batizado.

Na segunda, 27 de fevereiro, no período da manhã, o Senhor realizou uma obra de libertação na vida de vários irmãos. Logo em seguida uma unção gloriosa foi derramada na igreja. Nessa hora clamei: “Me batiza, Senhor, me batiza”. E nada aconteceu. Comecei a chorar pensando que devia haver algo errado comigo. Porém, o Senhor usou a vida da pastora Deuslira para me mostrar que precisava continuar buscando e sem desanimar.

No mesmo dia à noite, na vigília, fomos orientados a orar em duplas. Estava orando com um irmão, e enquanto orávamos podia ouvir as pessoas orando em línguas, sapateando, e queria que Deus me tocasse para que acontecesse o mesmo comigo.  Minha dupla de oração estava pulando no Espírito, orando em línguas e segurando as minhas mãos e eu não sentia absolutamente nada. Permanecia orando: “Senhor me batiza, me batiza”. Nesse momento uma obreira da igreja chegou perto de mim e começou a orar batendo na minha cabeça e dizia: “Fala só glória, fala só glória”.

Teve um momento que estava ficando cansado de falar tanta glória. Então a obreira colocou a mão no meu pescoço e repreendeu o Inimigo. Quando ela colocou a mão na minha cabeça novamente veio uma vontade forte de gritar “glória”. Subiu um calor inexplicável. Senti meu rosto queimar e minhas mãos também de forma que não conseguia senti-las.  Enquanto falava “glória” ouvi a irmã dizer: “Você foi batizado, Robson, a língua é sua, a língua é sua”.  Não tinha percebido, mas já estava falando em línguas. De repente caiu um fogo tão grande que não conseguia ficar parado, apenas sapateava e rodava. Foi maravilhoso, foi muito, muito bom!

Deitei no chão, pois não conseguia ficar em pé, de tanto poder. Quando abri os olhos pensei: “Meu Deus o que será que aconteceu comigo, será que já acabou a vigília? ” Não sei dizer quanto tempo fiquei deitado. Assim que levantei me assentei, porque não conseguia ficar em pé. Depois levantei novamente e encostei na parede, e Deus derramou mais fogo sobre mim e sapateei e falei em línguas mais uma vez.

Quando parei de falar em línguas me ajoelhei e comecei a declarar: “É Jesus, é Jesus, é Jesus” e o tempo todo tinha vontade de declarar essa verdade. Não estava preocupado, muito menos com vergonha de estar ali e as pessoas me verem.  Só tinha vontade de dizer: “É Jesus, é Jesus e é Jesus” (assista ao vídeo que registrou esse momento tão especial na vida de Robson). Algumas vezes falava sorrindo, outras chorando, às vezes mais sério, às vezes mais alto, não importava, só queria declarar: “É Jesus! ” Naquele dia fui dormir quase amanhecendo o dia, pois não conseguia parar de falar em línguas e de sentir aquele poder de Deus na minha vida.

Depois dessa experiência gloriosa, me sinto uma pessoa muito mais feliz, principalmente por saber que agora estou revestido de poder do Espírito Santo, e isso é maravilhoso! Sou muito grato a Cristo por ter me salvado, libertado e batizado. Sou um novo Robson Junior, para a glória de Deus, e a cada dia, sempre melhorando na presença do Senhor!

Robson Almeida Lage Junior

Assista ao vídeo que registrou uma porção do que foi o glorioso batismo com o Espírito Santo, recebido por Robson:

Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica.
Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

Page 1 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén