Tag: igreja (Página 1 de 2)

O que posso aprender com a igreja de Éfeso

O que posso aprender com a igreja de Éfeso? Você já se fez está pergunta?

Se não, a partir desta mensagem você será convidado a examinar a história desta igreja e aprender com seus erros e acertos.

A igreja de Éfeso, no ano de 53 d.C, foi fundada pelo apóstolo Paulo em sua terceira viagem missionária.

Vejamos o que acontece assim que Paulo chega a cidade:

“Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo viajou pelas regiões do interior até chegar a Éfeso, no litoral, onde encontrou alguns discípulos.

 Ele lhes perguntou: “Vocês receberam o Espírito Santo quando creram?”. “Não”, responderam eles. “Nem sequer ouvimos que existe o Espírito Santo.”

“Então que batismo vocês receberam?”, perguntou ele. “O batismo de João”, responderam.

Paulo disse: “João batizava com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que viria depois, isto é, em Jesus”.

Assim que ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus.

Paulo lhes impôs as mãos e o Espírito Santo veio sobre eles, e falaram em línguas e profetizaram.

Eram ao todo uns doze homens.

Em seguida, Paulo foi à sinagoga e ali pregou corajosamente durante três meses, argumentando de modo convincente sobre o reino de Deus.” (Atos 19.1 -8)

Para compreender  de forma ampla a história desta igreja é fundamental saber a sua história e contexto da época.

Éfeso era a principal igreja da Ásia menor, região pertencente ao Império Romano.

Era a capital, e seu território fazia parte de várias rotas comerciais, por isso, muito rica e avançada.

Para se ter uma ideia da sua importância, para entrar na cidade o visitante deveria pagar.

A riqueza de Éfeso era visível em um tour pela sua avenida principal. Suas construções eram belíssimas e de grande porte.

Ao final desta avenida o visitante encontrava um teatro no qual cabia 25 mil pessoas.

Entretanto, a atração principal da cidade era o templo dedicado a deusa Diana, pois a economia local girava em torno desta deusa.

Paulo pregou e ensinou em Éfeso por 2 anos e 3 meses e o número de conversões genuínas foi grande:

“Muitos dos que creram confessaram suas obras pecaminosa.

Vários deles, que haviam praticado feitiçaria, trouxeram seus livros de encantamentos e os queimaram publicamente. O valor dos livros totalizou cinquenta mil moedas de prata.

Assim, a mensagem a respei­to do Senhor se espalhou amplamente e teve efeito poderoso.” (At 19.18,19 e 20)

Tamanha era a convicção de pecados que os novos convertidos confessavam publicamente suas mazelas e atos pecaminosos.

Pessoas abriam mão das magias, feitiçarias e levavam seus livros de magia em praça pública para serem queimados.

Estas atitudes começaram a mexer na economia da cidade, ao ponto da população ter o desejo de expulsar o apóstolo Paulo de lá.

E no capítulo seguinte, em Atos 20-25,-32, é possível ver a despedida de Paulo, mas antes deixa um alerta para a igreja, a respeito das falsas doutrinas e dos falsos mestres:

“Agora sei que nenhum de vocês, a quem anunciei o reino, me verá outra vez.

Por isso, declaro hoje que, se alguém se perder, não será por minha culpa,

pois não deixei de anunciar tudo que Deus quer que vocês saibam.

“Portanto, cuidem de si mesmos e do rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos, a fim de pastorearem sua igreja, comprada com seu próprio sangue.

Sei que depois de minha partida surgirão em seu meio falsos mestres, lobos ferozes que não pouparão o rebanho.

Até mesmo entre vocês se levantarão homens que distorcerão a verdade a fim de conquistar seguidores.

Portanto, vigiem! Lembrem-se dos três anos que estive com vocês, de como dia e noite nunca deixei de aconselhar com lágrimas cada um de vocês.

“E, agora, eu os entrego a Deus e à mensagem de sua graça que pode edificá-los e dar-lhes uma herança junto com todos que ele separou para si.”

No ano de 62 d.C, Paulo está em sua prisão domiciliar, em Roma, e escreve uma carta para a igreja de Éfeso.

É uma carta que não apresentava correções severas, acusações ou apontamento de práticas de pecado.

A todo momento o apóstolo os exortava que se mantivessem no que foram ensinados.

E também a viverem em novidade de vida, em Cristo Jesus. Outros assuntos que estavam escritos eram sobre a comunidade da fé e os novos padrões de relacionamento.

Após a morte de Paulo, Timóteo assume o pastorado da igreja até que é direcionado a outras missões.

Passados alguns líderes, no ano de 81 d.C, o apóstolo João, o discípulo amado de Cristo, é quem assumia a liderança da igreja.

Neste período, João é exilado na Ilha de Patmos e lá  tem a experiência sobrenatural descrita no livro de Apocalipse.

No inicio do livro, dentre as cartas escritas a igrejas, há uma direcionada a igreja de Éfeso. Quarenta anos depois da fundação da igreja, no ano de 95 d.C, esta carta chega a liderança da igreja.

Agora atente-se com o que aconteceu com esta igreja, com o passar dos anos, e faça um paralelo com a sua vida, desde quando foi salvo até a presente data.

Vamos ver o que Jesus fala sobre esta igreja:

 “Escreva esta carta ao anjo da igreja em Éfeso. Esta é a mensagem daquele que segura na mão direita as sete estrelas, daquele que anda entre os sete candelabros de ouro:

“Sei de tudo que você faz. Vi seu trabalho árduo e sua perseverança, e sei que não tolera os perversos. Examinou as pretensões dos que se dizem apóstolos, mas não são, e descobriu que são mentirosos.

Sofreu por meu nome com paciência, sem desistir

“Contudo, tenho contra você uma queixa: você abandonou o amor que tinha no princípio.

Veja até onde você caiu! Arrependa-se e volte a praticar as obras que no início praticava. Do contrário, virei até você e tirarei seu candelabro de seu lugar entre as igrejas

Mas há isto a seu favor: você odeia as obras dos nicolaítas, como eu também odeio.

“Quem tem ouvidos para ouvir, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vitorioso, darei o fruto da árvore da vida que está no paraíso de Deus.” (At 2.1-7).

A partir da leitura desta carta, pense: hoje, depois de (coloque os anos que você já se converteu), o que Jesus tem para falar a seu respeito?

Como foi possível ler, o alerta que Paulo deu a igreja permaneceu sendo cumprindo: a reprovação de falsas doutrinas e ensinos.

Éfeso era uma igreja que servia, trabalhava em favor do Reino de Deus, uma igreja que tinha discernimento.

Portanto, tudo que ouviam do seu líder, a respeito destes assuntos, praticavam.

E você? Tem ouvido seu líder? Tem dado a devida importância as instruções dele?

Ainda na fala de Jesus, sobre esta igreja, após exaltar seus bons atributos o Senhor alerta, que havia um problema: eles abandonaram o primeiro amor.

E é neste ponto que é necessário refletir: Qual é a motivação que está no seu coração?

Será que você não está automatizado suas ações para Deus?

Parafraseando o que Jesus disse para a igreja de Éfeso: você guarda a Palavra e trabalha, mas o que o motiva a fazer isto?

O que o motiva se você já abandounou o primeiro amor? (se for este o seu caso)

Se não é o amor que o motiva a servir a Deus e a adorá-Lo, o que te motiva, então?

A igreja de Éfeso tinha uma habilidade grande olhar para os outros e detectar o erro, entretanto, não olhava para si.

E, hoje, no meio da igreja, há pessoas que se comportam da mesma maneira.

Examine a si mesmo, abra seus ouvidos para o quê o Espírito Santo ministra nesta Palavra.

Como você está? Quais têm sido as suas motivações?

Assim como Jesus disse a Éfeso: “Lembra-te de onde caíste”. Ele também diz para você.

Faça uma autoavaliação. Será que houve algum tempo na sua vida que você orou, estudou a Palavra, jejuou e participou dos cultos e programações da igreja mais do que hoje?

E o Senhor diz mais: “Arrependa-se!”

Então, tenha coragem de, após se examinar, de se arrepender do seus erros e pecados.

E por último Jesus diz: prática!

Não basta apenas identificar os erros e se arrepender deles, é necessário ter uma nova postura, voltar ao primeiro amor.

A partir desta leitura, portanto, convidamos a você a ouvir esta mensagem e avaliar o que pode aprender com a igreja de Éfeso!

Ouça a mensagem ‘O que posso aprender com a igreja de Éfeso’ e permita o Espírito Santo falar ao seu coração sobre como está o seu amor por Jesus Cristo:

 

Comunicação CERV

De volta ao Evangelho

O evangelho é a melhor notícia que já ecoou nos ouvidos da história. É a boa nova da salvação vinda de Deus a pecadores perdidos. É o transbordamento do amor divino aos filhos da ira. É a graça sem par a pessoas indignas. É a misericórdia estendida a indivíduos arruinados. O evangelho é o novo e vivo caminho que Deus abriu desde o céu para o céu. Esse não é o caminho das obras, mas da graça. Não é o caminho do mérito, mas da oferta gratuita. Não é o caminho da religião, mas da cruz. A salvação é uma obra monergística de Deus, trazendo libertação aos cativos, redenção aos escravos e vida aos mortos.

Com respeito ao evangelho, precisamos estar alertas sobre alguns perigos. Tanto no passado como no presente, ataques frontais foram e ainda são feitos para esvaziar o evangelho, distorcer o evangelho e substituir o evangelho por outro evangelho, que em essência, não tem nada de evangelho. Quais são esses perigos?

Saiba mais sobre evangelização e missões

Em primeiro lugar, o perigo de substituir o evangelho da graça pelo evangelho das obras. O mundo odeia o evangelho, porque este é um golpe fatal em seu orgulho. O evangelho anula completamente qualquer possibilidade do homem vangloriar-se. Reduz o homem à sua condição de completo desamparo. Mostra sua ruína absoluta, sua depravação total, sua escravidão ao diabo, ao mundo e à carne, sua corrupção moral e sua morte espiritual. A tentativa do homem chegar-se a Deus pelo caminho das obras é tão impossível como tentar construir uma torre até aos céus.

O apóstolo Paulo diz aos judaizantes que estavam perturbando a igreja e pervertendo o evangelho, induzindo as pessoas a praticarem as obras da lei para serem salvas, que isso é um outro evangelho, um evangelho falso, que desemboca na ruína e na perdição.

Em segundo lugar, o perigo de substituir o evangelho da cruz pelo evangelho da prosperidade. Prolifera em nossos dias os pregadores da conveniência, os embaixadores do lucro em nome da fé. Multiplicam-se neste canteiro fértil da ganância, homens inescrupulosos que mercadejam a palavra de Deus, fazendo da igreja uma empresa, do púlpito um balcão, do evangelho um produto híbrido, do templo uma praça de negócios e dos crentes consumidores.

O vetor desses obreiros da iniquidade é o lucro. Pregam para agradar. Pregam para atrair as multidões com uma oferta de riqueza na terra e não de um tesouro no céu. Torcem as Escrituras, manipulam os ouvintes, enganam os incautos, para se locupletarem. Sonegam ao povo a mensagem da cruz, a oferta da graça, a mensagem da reconciliação por meio do sangue de Cristo. Embora esses pregadores consigam popularidade estão desprovidos da verdade. Embora reúnam multidões para ouvi-los, não oferecem aos famintos o Pão do céu. Embora, se vangloriem de suas robustas riquezas acumuladas na terra, são miseravelmente pobres na avaliação do céu.

Em terceiro lugar, o perigo de se pregar o evangelho sem o poder do Espírito Santo. Se a pregação do falso evangelho das obras e da prosperidade é um negação do genuíno evangelho, a pregação do verdadeiro evangelho sem o poder do Espírito é uma conspiração contra o evangelho. O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê. Nele se manifesta a justiça de Deus. Não podemos pregá-lo sem a virtude do Espírito Santo.

O pregador precisa ser um vaso limpo antes de ser um canal de bênção. Precisa viver com Deus antes de falar em nome de Deus. O pregador precisa ser cheio do Espírito antes de ser usado pelo Espírito. Se a pregação do evangelho é lógica em fogo, a mensagem do evangelho precisa queimar no coração do pregador antes de inflamar os ouvintes. Precisamos urgentemente de um reavivamento nos púlpitos. Precisamos voltar ao evangelho!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda mais sobre o tema “De volta ao Evangelho”, participe do Culto de Missões realizado todo primeiro domingo do mês, às 19h30, na CERV (Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica).
Mais informações: (31) 3451-5956 ou contato@restaurandovidascerv.com.br

Setembro missionário

Setembro começa hoje e junto com ele inicia-se o Mês de Missões na CERV

Setembro missionário, é desta forma que é o mês de setembro na Comunidade Evangélica Restaurando Vidas (CERV).

Durante 30 dias os membros ouvirão pregações a respeito da obra missionária da Igreja de Cristo na Terra.

Por meio de pastores e missionários convidados a igreja receberá informações sobre o campo de atuação desses irmãos e Palavras vindas do coração de Deus!

A programação será especial, principalmente no último domingo, no qual todos entregarão sua oferta especial para missões.

Durante 1 ano os irmãos foram incentivados a reservar sua oferta de amor.

Entenda a Grande Comissão de Jesus Cristo

Muitos fizeram seu cofre e depositaram mensalmente um valor e outros trabalharam vendendo algo para angariar recursos.

No culto de encerramento todos entregarão seu envelope, previamente confeccionado com um tema missionário, com sua oferta especial.

Além disso, a igreja está convocada a intensificar suas orações por missões, organizações missionárias e missionários, neste mês.

A seguir, veja a nossa programação aos domingos:

Data

Preletor (a)

03/09

Pra. Maria das Graças

10/09

                                                   Pr. Mácio (JOCUM)

17/09

Pr. Jackson (JOCUM)

24/09

Pra. Gorette (JOCUM)

Participe do Mês de Missões, os cultos aos domingos iniciam-se às 19 horas. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para contato@restaurandovidascerv.com.br

Põe em ordem a sua casa

Aprenda com a mensagem “Põe em ordem a sua casa” como cuidar da sua família

Põe em ordem a sua casa. Foi essa a ordem que o Senhor deu ao rei Ezequias, por meio do profeta Isaías.

Como rei, Ezequias agia de maneira exemplar. Confiou no Senhor de todo o coração e eliminou todos altares idólatras e praticas abomináveis de Judá.

Ezequias tinha uma vida íntegra e reta, mas recebeu de Deus a Palavra: põe em ordem a sua casa.

Ao dar essa ordem podemos compreender que algo de errado estava acontecendo na família de Ezequias.

Aprenda a como batalhar pela sua família

Após receber essa ordem o rei soube que morreria. Foi então que chorou muitíssimo e pediu a Deus mais alguns anos.

Deus concedeu mais 15 anos a Ezequias e no transcorrer da história vamos ver que nesses anos acrescidos Ezequias não colocou  sua casa em ordem.

Seu primeiro erro foi receber o inimigo em sua casa (Babilônia) iludido por presentes e cartas expressando cuidados pela sua vida.

As portas da sua casa foram abertas para o inimigo. Dentro deste contexto reflita: o que você tem trazido para dentro da sua casa?

Para discernir o que entra na sua casa é necessário que você esteja muito, mas muito bem com o Senhor. Firmado na Palavra de Deus.

Perante esta atitude, o Senhor envia Isaías para transmitir a mensagem de que haveria paz no seu reinado, porém sua família pereceria nas mãos do inimigo.

Entretanto, o rei não compreendeu a Palavra de Deus, afirmando ser uma palavra boa.

Saiba qual o valor da mãe na família

A partir desta resposta é possível ver a indiferença e egoísmo do rei para com sua família, seus próprios filhos.

Homem, será que você tem sido indiferente para com o futuro da sua esposa e filhos, assim como o rei Ezequias?

De quê adianta ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma e ainda a sua família?

Ouça esta mensagem e permita que o Espírito Santo mostre ao seu coração que tipo de pai, mãe, filho você tem sido para a sua família:

Aprenda mais sobre a mensagem “Põe em ordem a sua casa”, participe dos nossos cultos neste mês da família. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Participe do II Seminário, Legislativo, Direito e Religião

As inscrições estão abertas e encerram-se dia 21 de maio

O 2º Seminário Legislativo, Direito e Religião, organizado pelo Seminário Teológico Restaurando Vidas (STRV) tratará de temáticas fundamentais que envolvem a família.

Dentre os assuntos que serão abordados estão: a ideologia de gênero, a escola sem partido, as novas decisões sobre direito e família, o plano de Deus para a família e a família de hoje.

Palestrarão a respeito destes temas o Dep. Estadual Léo portela, a advogada Mirna Alcântara e os pastores George Foster e Antônio Vianna.

O valor para participar do seminário é de R$20,00 reais (incluso o almoço e café da tarde) e deve ser pago no ato da inscrição. As inscrições encerram-se às 22 horas do dia 21 de maio. 

O seminário será realizado no dia 27 de maio, das 8 às 21 horas, na Comunidade Evangélica Restaurando Vidas (CERV), que fica à Rua Érico Verísismo, 1167 – Santa Mônica. O credenciamento inicia-se ás 8 horas.

A seguir, conheça os palestrantes do seminário:

Dep. Léo Portela – Leonardo Morreale Diniz Portela  é advogado e administrador, mestre em Direito, professor universitário e pastor. Desde fevereiro de 2015 é deputado estadual de Minas Gerais. Atua na defesa da família e na luta contra as drogas.

 

 


Mirna Alcântara – Bacharel em direito pela Faculdades Integradas do Oeste de Minas (Fadom). E especialista em Direito Processual pela PUC- Minas.

 

 


Pr .George Foster –  Trabalhou por 25 anos com a Missão Evangélica Betânia no Brasil junto com sua esposa Dolly. Atualmente é pastor internacional dos missionários de Bethany Fellowship Missions. Possui vários títulos publicados pela Editora Betânia, tais como: “O poder restaurador do perdão”, “De todo o meu coração”, “Você tem valor”, dentre outros.

 


Pr. Antônio Viana –  Há 16 anos exerce o pastorado e foi o pastor presidente e fundador da Comunidade Evangélica Palavra Viva em Paraobeba (MG). Atualmente é pastor da Igreja Batista da Lagoinha  em Belo Horizonte e líder do Culto Jeová Rafá.

 

Não perca esta oportunidade de ser edificado e abençoar a sua família!
 Mais informações ligue: (31) 99309-6957 (Tim/Whatsapp) /  3504-1341 (fale com Kátia Brito)

Menos pose mais coração

Todos nós nos ajeitamos um pouco na hora de tirar fotos. Uma pose, um sorriso e pronto: momento registrado. Seja o culto, a festa ou almoço a foto servirá para nos lembrar de tal momento. No entanto, por mais que a fotografia nos lembre do evento, nunca nos dirá como realmente foi o acontecido.  Já vi fotos de festas onde pessoas posaram com um sorriso e roupas bonitas, quando a celebração mais parecia um velório. Nesta época de redes sociais, como o facebook, vemos pessoas posarem para fotografias em lugares lindos, onde tudo parece maravilhoso. Porém, infelizmente, tudo pode não passar de mera glamourização e distorção do real.

Enquanto muitos se fotografam num palácio, o coração pode ser na verdade a imagem de um casebre. Relatam riqueza quando a realidade é miséria. Mostram sorrisos quando o interior está em lágrimas. Não se engane com multidões, beleza ou glamour, pois uma foto só mostra a aparência e não o coração. O Senhor Jesus, certa vez, ao se referir a um grupo de religiosos disse: “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim” (Mt 15.8). Diante dessa colocação podemos ver que é possível passar uma imagem a outros que não condiz exatamente com a realidade. Muitas pessoas posam não apenas nas fotos, mas na vida. Tentam esconder suas fraquezas e seus erros e não percebem que, enquanto sofrem debaixo de seus mistérios, o relógio da vida está passando há muito tempo.

Peço ao Senhor que nos livre de parecer mais do que realmente somos. Desejo que Ele possa não apenas nos fazer sorrir para um momento, mas tocar de forma eterna nossos corações. Que possamos ser radicalmente sinceros e nos entregarmos a Deus a ponto que o Senhor transforme toda mentira cativa em verdade dentro de nós. Oro a Deus para que Ele possa mudar mais corações do que rostos e assim nossas fotos serão não apenas imagens, mas retratos fiéis do que aconteceu dentro de nós. Clamo ao Senhor que haja menos pose e mais coração!

Texto adaptado de Drummond Lacerda, site ventonofogo.com

Saiba mais sobre o coração lendo o texto “Dá-me um coração igual ao Teu”

Este mês nossa igreja está aprendendo a respeito de um novo coração. Se você deseja conquistar um novo coração, venha nos fazer uma visita!

Nossa igreja fica à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Plenitude do Espírito: Ordem de Deus, necessidade da igreja

“E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito” (Ef 5.18).

​Paulo, o apóstolo da gentilidade, ensina no versículo em epígrafe, uma verdade magna do Cristianismo, a plenitude do Espírito Santo. Há no texto bíblico duas ordens: uma negativa, outra positiva. A negativa é: “não vos embriagueis com vinho”; a positiva é: “enchei-vos do Espírito”.

Entre as duas ordens há uma adversativa: “mas…”. Logo, em vez de embriagar-se com vinho, o cristão deve ser cheio do Espírito. A sobriedade não é necessariamente plenitude do Espírito. Além de ser sóbrio, o cristão precisa, também, ser cheio do Espírito. Se a embriaguez desemboca numa vida desregrada, a plenitude do Espírito conduz à comunhão, adoração, gratidão e serviço (Ef 5.19-21).

​Doravante, deter-nos-emos apenas na segunda ordem do texto: “enchei-vos do Espírito”. Essa ordem ensina-nos quatro verdades:

​Em primeiro lugar, o verbo está no imperativo. A ordem é clara: “Enchei-vos”. Isso significa que não ser cheio do Espírito é um pecado de desobediência à uma ordem expressa de Deus, assim como o é a embriaguez. Um cristão sem a plenitude do Espírito deveria ser um escândalo para nós, assim como é um escândalo um cristão embriagado. A plenitude do Espírito não é uma opção, mas um mandamento; não é uma sugestão, é uma ordem categórica. A expressa vontade de Deus para sua igreja é a plenitude do Espírito Santo. Você está cheio do Espírito?

​Em segundo lugar, o verbo está no plural. A ordem divina é insofismável: “Enchei-vos…”. Isso significa que a plenitude do Espírito não é apenas uma ordenança para um grupo seleto na igreja, mas para todos os membros da igreja. A plenitude do Espírito não deve ser uma exceção, mas a regra. Não deve ser apenas uma experiência sobrenatural, mas também a dinâmica natural da igreja. A plenitude do Espírito não apenas está à disposição de todos os salvos, mas é, também, uma ordenança a todos eles, sem exceção e sem acepção.

​Em terceiro lugar, o verbo está no presente contínuo. Na língua grega o verbo “enchei-vos”, está no presente contínuo. Isso significa que a plenitude do Espírito não é uma experiência que acontece uma única vez na vida e nunca mais se repete, mas uma ordem que deve ser obedecida continuamente. Quando Jesus ordenou aos serventes, nas bodas de Caná: “enchei d’água as talhas” tratava-se de uma ordem dada só a eles, para nunca mais ser repetida por eles; porém, quando a palavra de Deus nos ordena: “enchei-vos do Espírito” está nos orientando que a plenitude de ontem não serve para hoje. Todo dia é tempo oportuno e necessário para sermos cheios do Espírito.

Em quarto lugar, o verbo está na voz passiva. Isso significa que nenhum cristão pode produzir essa plenitude para si mesmo ou transferi-la para outrem. Muito embora a plenitude do Espírito seja uma ordem divina, somente o próprio Deus pode nos encher do seu Espírito. Para sermos cheios do Espírito é preciso primeiro esvaziar-nos do pecado que tenazmente nos assedia. Não dá para ser cheio de vinho e do Espírito ao mesmo tempo. Não dá para abrigarmos no coração avareza, mágoa, impureza, lascívia e porfia e sermos cheios do Espírito. Somente vasos vazios podem ser cheios e enquanto nosso coração for como vasilhas vazias, o Espírito jamais deixará de jorrar para nos encher até à plenitude.

​Você está cheio do Espírito? Essa não é apenas uma ordem divina, mas também a nossa maior necessidade. Sem a plenitude do Espírito Santo nós caminharemos trôpegos, em vez de fazermos uma jornada segura. Sem a plenitude do Espírito nós faremos muito esforço, mas teremos resultados pífios. Sem a plenitude do Espírito nós viveremos agarrados às coisas da terra, mas não nos deleitaremos nas glórias do céu. Sem a plenitude do Espírito nós perderemos a alegria da comunhão, da adoração, da gratidão e do serviço, mas viveremos em aberto conflito uns com os outros.

Você está cheio do Espírito Santo?

Rev. Hernandes Dias Lopes

A centralidade de Cristo

Cristo é o centro da fé, da vida e da igreja. E é isso que o apóstolo Paulo, por meio de sua carta aos Colossenses, nos ensina.

Por meio da história dessa igreja, aprenderemos que é necessário nos livrarmos dos inimigos que excluem a centralidade de Cristo.

Fomos salvos por Cristo para vivermos para a glória do seu nome!

Ouça a mensagem “A centralidade de Cristo’ e aprenda como fazer de Jesus o centro da sua vida:

Parte 1

 

Parte 2

Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica.

Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br 

Concluímos mais uma Maratona Bíblica

 Foram 12 horas ininterruptas de leitura da Palavra de Deus, de oração e de evangelismo na CERV

Evangelismo na porta da igreja

Ontem, celebramos com alegria mais um Dia da Bíblia. Durante 12 horas, integrantes da Mocidade e membros da CERV se revezaram na leitura da Bíblia, oração pela tradução e alcance da Palavra de Deus em todas as nações e evangelismo.

A maratona iniciou-se as 7 horas da

Leitura da Bíblia no templo

manhã, com revezamento de equipes a cada 1 hora. E teve seu encerramento no Culto da Mocidade às 19 horas.

A obreira Camila Brito fez o encerramento da Maratona pregando sobre o seguinte tema:  “Chamados ao entendimento e a obediência a Palavra de Deus”.

Toda a pregação foi baseada no Livro de Neemias de onde foi retirado o versículo tema do Dia da Bíblia:

 “Eles iam lendo o Livro da Lei e traduzindo; e davam explicações para que o povo entendesse o que era lido” Ne 8.8

Culto de encerramento da Maratona

Aprendemos que todo o povo de Israel, após 70 anos de cativeiro na Babilônia, receberam o ensino e instrução sobre as Sagradas Escrituras.

Além disso, fizeram um compromisso com Deus, diante do povo de obedecer fielmente todos os estatutos e decretos da Lei do Senhor.

Distribuímos folhetos evangelísticos e literatura bíblica

Assim como eles devemos buscar o conhecimento da Palavra, por meio da revelação do Espírito Santo. E também nós comprometermos a ser obedientes a essa Palavra.

Agradecemos a todos os irmãos que se envolveram nesta data especial!

Preparem-se e orem, pois em dezembro de 2017 teremos mais uma Maratona Bíblica!

Hoje tem Encontro da Mocidade

Jovens, neste sábado, às 18 horas, acontece nosso último Encontro da Mocidade do mês de Novembro, participem!

mocidade-cervNo mês de novembro, a Mocidade CERV tem se reunido, às 18 horas,  para compartilhar experiências pessoais a partir da leitura de textos encontrados da Palavra de Deus.

Todos têm a oportunidade de contar algo que estejam passando em suas vidas e de ouvir as experiências dos irmãos, o que tem sido de bênção para o fortalecimento da fé de cada um.

Tem sido um tempo especial de comunhão e crescimento da Mocidade CERV. Programe-se e esteja conosco neste sábado, pois será uma bênção!

Atenção!! A partir de Dezembro a Mocidade volta a celebrar seus cultos no horário das 19 horas!

Página 1 de 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén