Tag: fe (Página 1 de 2)

Perseverança para 2018

Perseverança para 2018 nos propõe uma reflexão bíblica de como podemos permanecer crendo no Senhor e nas suas promessas para o novo ano!

Talvez você esteja frustrado por achar que Deus está demorando em responder à sua oração, mas saiba que Ele está interessado no desenvolvimento da fé e da perseverança de seu caráter.

Veja a passagem de Romanos 15.4:

Pois tudo o que foi escrito no passado foi escrito para nos ensinar, de forma que, por meio da perseverança e do bom ânimo procedentes das Escrituras, mantenhamos a nossa esperança

Nossa esperança em Jesus não pode estar limitada ao aqui e agora, pois, se o nosso foco de esperança se limita apenas ao que vemos aqui, ou naquilo que podemos colocar em nosso bolso, como diz a Palavra, somos os mais infelizes de todos os homens.

Este ano foi um ano difícil para o Brasil, um tempo de crise, desemprego, as notícias não são boas; por isso precisamos focar na esperança de que tudo será diferente e melhor no novo ano.

Saiba como buscar um ano realmente novo

A Bíblia é o livro da esperança, é a fonte da esperança. Já o nosso maior inimigo é a ignorância, tanto que a Escritura registra:

O meu povo está sendo destruído porque lhe falta o conhecimento (Oseias 4.6).

E a falta desse conhecimento pode ser também o da esperança. A Bíblia é a Palavra do Senhor, e a Palavra do Senhor se resume em esperança.

Entenda o valor inestimável das Sagradas Escrituras

Fé e esperança têm que ter o mesmo peso, porque é a esperança que alimenta a fé.

Do momento da promessa ao tempo do cumprimento da promessa precisamos ter perseverança e encher o coração de esperança.

A perseverança está diretamente ligada à força que somos capazes de alcançar quando temos raízes consolidadas na Palavra.

Quando somos cristãos que realmente disseminam as boas novas do Evangelho, com testemunho singelo, regado de amor, não abalados facilmente, mas produzindo frutos para a eternidade.

Dessa forma alcançaremos, juntos, de joelhos no chão, um 2018 cheio de esperança e fé.

“Sede fortes, e revigore-se o vosso coração, vós todos que esperais no Senhor” (Salmo 31.24).

Pr. Márcio Valadão

Saiba mais sobre ‘Perseverança para 2018’ participe do nosso primeiro culto de 2018. A celebração acontecerá na terça, às 19:30, na CERV (fica à Rua Érico Veríssimo, 1167- Santa Mônica). Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

A graça e a estação

A Graça e a estação. São duas palavras diferentes, mas que fazem parte da vida de todo filho de Deus.

A graça ela vem da parte do próprio Senhor, é um favor, um presente que o ser humano não merece.

Entretanto, mesmo não merecendo o Deus concede esse presente.

Na vida há várias situações nas quais a pessoa pede a Deus respostas e muitas vezes elas não chegam.

O apóstolo Paulo experimentou isso e como resposta ouviu do Senhor: “A minha graça te basta”

Paulo tinha um espinho na carne e clamou para que fosse retirado, mas recebeu de Deus graça.

Por meio deste exemplo podemos compreender algo: o mais importante em nossa vida é a graça de Deus.

Por isso, faz-se necessário que, diariamente clamemos pela graça do Senhor.

Na Palavra há homens de Deus que receberam do Pai graça: Moisés, Daniel, José, dentre outros.

Saiba como conquistar a sua vitória em Cristo Jesus

Então, ore pedindo a graça do Pai, pois por meio desta graça concedida o nome do Senhor seja honrado por meio da nossa vida.

É importante enxergar a graça em tudo, na vida espiritual, emocional, familiar, financeira, no físico, dentre outras.

Já a estação, tem relação com o tempo no qual as promessas de Deus se cumprem na vida do filho de Deus.

Há muitas orações que ainda não foram respondidas porque ainda não chegou a estação certa, não chegou o tempo.

Um bom exemplo disso é o ministério do Senhor Jesus.

Antes de nascer Maria ouviu do Anjo que estava grávida do Filho de Deus e que Ele faria grandes obras em nome do Pai.

Entretanto, Maria só viu a concretização desta promessa quando Jesus atingiu a idade de 30 anos.

A partir disso é possível compreender que há tempo para certas experiências.Existe um tempo e uma estação própria para que as coisas aconteçam em nossa vida.

existe um tempo para termos experiências e cumprirmos os propósitos de Deus em nossa vida.

Há uma estação para todas as coisas que Deus planejou na sua vida, portanto seja paciente e aguarde por Ele!

Se você tem vivido em obediência a Palavra e buscado a Deus de todo o seu coração, creia que a estação da bênção e da cura chegará!

Talvez há algo na sua vida que você sabe que depende exclusivamente de um milagre.

Então, não deixe de crer continue, pois Deus tem uma estação especial para este milagre chegar!

 

Não desista!

Persevere na oração e creia no poder de Deus, poder que se manifesta por meio da Palavra falada e destrói as obras do Diabo feitas contra a sua vida!

Jesus é o mesmo que opera ontem, hoje e eternamente. Portanto, não seja incrédulo para que as promessa de Deus se cumpram em sua vida!

Ouça esta mensagem e permita que Deus encha seu coração de fé e esperança:
Aprenda mais sobra A graça e a estação, participe do Culto das Causas Impossíveis, às sextas, às 19h30, na CERV. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

Simplesmente obedeça

​A fé não é cega, pois está edificada sobre Deus. Por isso, a fé não discute, apenas obedece. Abraão foi chamado o pai da fé e ele demonstrou essa verdade em sua vida. A fé em Deus é provada pela obediência.

Não somos o que falamos nem o que sentimos. Somos o que fazemos.

Destacaremos, aqui, três episódios na vida de Abraão:

​Em primeiro lugar, Abraão sai de sua terra para ir para uma terra que Deus lhe mostraria. Abraão não discutiu com Deus, não avaliou os riscos nem adiou a decisão. Simplesmente obedeceu.

Tinha setenta e cinco anos, quando começou uma nova empreitada em sua vida, movido pela fé. Precisava romper laços, deixar para trás sua terra, seu povo, sua cultura, sua religião.

Movido, entretanto, pela confiança em Deus, obedece sem tardança, para formar uma nação e ser o pai de uma grande multidão. A fé é certeza e convicção.

Não está edificada sobre sentimentos, mas sobre a maior de todas as realidades, o caráter de Deus.

Você tem obedecido a Deus? Tem andado pela fé? Tem descansado no cuidado divino?

Onde está sua segurança: em sua nação, em sua família, em sua cultura, em seus bens? Ponha seus olhos em Deus e viva pela fé!

Saiba como obedecer a Deus totalmente

​Em segundo lugar, Abraão, sendo o líder da família, dá a Ló a liberdade de escolha. Houve um conflito entre os pastores de Abraão e os pastores de Ló. Não podiam viver em harmonia mais.

Abraão poderia ter despedido Ló, mas deu a ele a liberdade de escolher para onde queria ir. Ló escolheu as campinas verdejantes e deixou para Abraão os lugares secos.

A confiança de Abraão não estava na geografia de suas terras, mas em Deus. Não confiava na provisão, mas no provedor.

Não tinha seus olhos postos nos campos da terra, mas no Senhor do céu. Foi nesse momento que Deus prometeu dar a ele tudo quanto podia avistar no Norte e no Sul, no Leste e no Oeste.

Mais tarde, Ló foi capturado e levado cativo pelos reis daquela terra e Abraão não hesitou em sair em sua defesa.

Enfrentou riscos para salvar seu sobrinho e sua família. Obteve retumbante vitória. Foi-lhe oferecido despojos, mas Abraão recusou.

Ele não queria nenhuma riqueza que não viesse das mãos do próprio Deus. Seus olhos não estavam na recompensa dos homens, mas na dádiva de Deus. Coisas materiais não seduziam o coração deste homem, cujo coração estava em Deus.

​Em terceiro lugar, Abraão atende a voz de Deus e oferece a ele seu filho amado. Abraão abriu mão de sua terra, de seus bens e agora, abre mão de seu filho Isaque.

Deus ordena Abraão a ir ao monte Moriá, para ali oferecer Isaque em holocausto. Abraão não argumenta com Deus nem adia a viagem de três dias rumo ao monte do sacrifício.

Aquele supremo sacrifício era para o pai da fé um ato de adoração. Havia no seu coração a plena convicção de que Deus providenciaria um cordeiro para o sacrifício.

Acreditava até mesmo que Deus poderia ressuscitar seu filho. Sua fé não é vacilante. Sua confiança é inabalável. Seus olhos não estão nas circunstâncias nem depende de seus sentimentos.

Abraão tem seus olhos em Deus e vive pela fé. Renuncia tudo por Deus. Entrega tudo a Deus. Confia plenamente em Deus.

Então, Deus poupa seu filho, providencia um substituto para o holocausto e amplia ainda mais suas promessas e bênçãos a esse veterano da fé.

Saiba como obedecer a Deus totalmente

Oh, que Deus nos faça conhece-lo na intimidade! Que Deus nos capacite a viver nessa absoluta dependência!

Que tenhamos total desapego das coisas para dependermos plenamente de Deus!

Que tenhamos a coragem de entregar tudo a Deus, inclusive nossa vida, nossos bens, nossa família, nossos filhos, nosso futuro.

Deus jamais desampara aqueles que nele esperam. Ele jamais fica em dívida com aqueles que nele confiam. Em Deus podemos confiar!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda mais sobre o tema Simplesmente Obedeça, participe do Culto da Restauração, hoje, às 19:30, na CERV.
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Você não está vendo?

“Vejam, estou fazendo uma coisa nova! Ela já está surgindo! Vocês não o percebem?” Isaías 43.19

No contexto deste versículo o Senhor está usando o profeta Isaías para falar ao seu povo a respeito de duas obras que faria no futuro: os libertaria do jugo da Babilônia e proporcionaria um novo tempo em Jerusalém para os israelitas.

O futuro de paz e de novidade aconteceria de forma tão extraordinária quanto foi o êxodo do Egito rumo a Canaã, a terra prometida. Porém, Deus estava falando de futuro, algo que ainda não era uma realidade para Israel.

A realidade espiritual, política e social de Israel era terrível. Não havia nada de novo, belo, feliz ou perfeito, entretanto, O Senhor declara: “Vejam, estou fazendo uma coisa nova”.

Fiquei a meditar nesta parte do versículo:

Vejam, estou fazendo uma coisa nova

Há versões que digam: olhem ou percebam, que são sinônimas da palavra “ver”. Porém, o dicionário ainda acresce a palavra “perceber” um significado importante: compreender. Mas como compreender o que não se pode ver? Se pudéssemos perguntar a um morador de Jerusalém, enquanto Isaías profetizava, se ele conseguia ver essa coisa nova da qual o profeta dizia, provavelmente escutaríamos um sonoro NÃO.

Porém, Deus não estava dizendo a respeito de algo que seria possível vislumbrar a olho nu. Ou algo palpável, audível ou que envolvessem qualquer um dos nossos sentidos. O Senhor estava conclamando o seu povo a ter fé, a viver pela fé, a olhar pela fé e andar pela fé. E não seria necessário um poder extraordinário para assim agirem.

Primeiro, porque quem estava falando com eles era o Grande EU SOU ou o EU SOU O QUE SOU. Um Deus poderoso, e que já havia demonstrado ao longo da história de seu povo, feitos inexplicáveis. E segundo, Ele é o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. E era do conhecimento de todos que Abraão foi amigo de Deus e um homem de fé.

Abraão é um grande exemplo de homem de fé, pois acreditou, mesmo sem ver com seus olhos naturais as promessas que Deus havia feito.

Levando-o para fora da tenda, disse-lhe: “Olhe para o céu e conte as estrelas, se é que pode contá-las. E prosseguiu:Assim será a sua descendência. Gênesis 15.5

Abraão não conseguiu contar quantas estrelas há no céu. Você pode contar? Conhece alguém que definiu com exatidão quantas estrelas estão na imensidão do céu?

Aprenda como ter um coração que toca o coração de Deus

O pai da fé não pôde contar as estrelas e não se apegou a isso e nem mesmo ao pensamento: “Mas será mesmo que Deus fará isso? Eu? Ter tantos descendentes assim?”. A Bíblia afirma que Ele creu e ponto final.

Considerem o exemplo de Abraão: “Ele creu em Deus, e isso lhe foi creditado como justiça”. Gálatas 3:6

E anos e anos mais tarde Deus estava falando a descendência de Abraão: “Vejam, estou fazendo uma coisa nova! Ela já está surgindo! Não percebem?”. O que O Senhor estava querendo com isso era resgatar no coração de seus filhos a fé, a trazerem a existência aquilo que seus olhos não poderiam ver, mas que se acreditassem veriam acontecer exatamente como Deus estava determinando: UMA COISA NOVA!

 A seguir Ele pergunta: Vocês não o percebem? Ou em outras palavras, vocês não entendem?

E você entende? Consegue não olhar para as circunstâncias, mas sim andar pela fé e com os olhos da fé? Deus disse, Ele cumprirá! Quando? Não cabe a você ou a mim determinar, a nós cabe crer, confiar, acreditar, ter fé!

O novo está sendo gerado, está surgindo e nós podemos ver se acreditarmos até o fim. Se não nos apegarmos ao mundo natural que nos cerca, afinal o justo vive e viverá pela fé.

Enquanto escrevia este texto me recordei de Tomé, um dos 12 discípulos de Jesus. Quando os outros discípulos contaram que viram Jesus, que há três dias havia sido crucificado, Tomé não acreditou e disse:

“Se eu não vir as marcas dos pregos nas suas mãos, não colocar o meu dedo onde estavam os pregos e não puser a minha mão no seu lado, não crerei”. João 20.25

Tomé estava apegado ao natural, mesmo ouvindo o testemunho de fé dos seus companheiros de três anos de ministério não acreditou.  E por causa disso ouviu de Jesus:

Coloque o seu dedo aqui; veja as minhas mãos. Estenda a mão e coloque-a no meu lado. Pare de duvidar e creia. João 20.27

Ao ver, Tomé creu e imagino eu (a Bíblia não diz isso) que boquiaberto declarou: “Senhor meu e Deus meu! “João 20.28. Sim, realmente era verdade, Jesus havia ressuscitado, como lhe contaram! Ele precisou ver primeiro para depois crer! E a vida com Jesus é justamente o contrário: CRER PARA VER.

Então Jesus lhe disse: “Porque me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram“. João 20.29

Nós que cremos em Jesus como Senhor e Salvador não convivemos com Ele pessoalmente e intimamente. Não estávamos presentes na ocasião da sua crucificação, mas cremos que Ele é o Filho de Deus e que por meio da sua morte e ressurreição temos vida!

Não vimos, mas cremos. Percebe como a nossa fé não trabalha com circunstâncias e questões naturais?

Você não está vendo? Entenda, Deus está agindo no sobrenatural para que em breve você possa ver, com seus olhos, o que de novo Ele está gerando para abençoar a sua vida no âmbito natural!

Kátia Brito

Aprenda mais a respeito do tema “Você não está vendo?”, participe do Culto das Causas Impossíveis, às sextas, às 19h30, na CERV. Mais informações: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Não tenha medo 2

Não tenha medo 2, segunda parte do estudo, nos ensinará a partir da perspectiva do apóstolo Paulo, a confiar em Deus, não dando espaço para o medo

Não tenha medo 2 é a segunda parte do nosso estudo, iniciado na sexta passada.

Na primeira parte aprendemos as definições de medo e a respeito da grandeza e poder do Deus que cuida de nós.

Hoje, no estudo “Não tenha medo 2”, o apóstolo Paulo  nos ensina sobre confiar em Deus e não ter medo.

O apóstolo foi um homem de Deus profundamente experimentado na fé.

Sua confiança no Senhor era muito grande e, por isso, pôde escrever:

Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?
Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?
Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica.
Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.
Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?
Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro.
Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Romanos 8.31-37

Leia a primeira parte do estudo “Não tenha medo”

O soberano poder do amor de Deus nos protege e nos preserva COMPLETAMENTE! Em toda e qualquer situação podemos contar com a proteção divina.

Vejamos agora o que podemos aprender com cada versículo acima.

V. 31 – Não há inimigo que resista ou saia vitorioso perante o Deus Todo-Poderoso. O nosso Deus nos dá força e poder para resistir às investidas do inimigo:

Eis que hoje te ponho por cidade fortificada, por coluna de ferro e por muros de bronze, contra todo o país, contra os reis de Judá, contra os seus príncipes, contra os seus sacerdotes e contra o seu povo.
Pelejarão contra ti, mas não prevalecerão; porque eu sou contigo, diz o SENHOR, para te livrar. Jeremias 1.18,19

O próprio apóstolo Paulo nos relata em sua carta ao jovem Timóteo que Deus o deu grande livramento perante seus acusadores:

Na minha primeira defesa, ninguém foi a meu favor; antes, todos me abandonaram. Que isto não lhes seja posto em conta!
Mas o Senhor me assistiu e me revestiu de forças, para que, por meu intermédio, a pregação fosse plenamente cumprida, e todos os gentios a ouvissem; e fui libertado da boca do leão.
O Senhor me livrará também de toda obra maligna e me levará salvo para o seu reino celestial. A ele, glória pelos séculos dos séculos. Amém! 2 Timóteo 4.16-18

V. 32 Recebemos de Deus toda espécie de provisões para suprir todas as nossas necessidades.

Quem experimentou desta provisão e relatou isso no Salmo 23 foi o pastor e rei de Israel, Davi:

O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará.
Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso;
refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.
Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam.
Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda.
Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre. Salmo 23
V. 1, 2 e 5 – Deus garante abundante provisão e fartura, o excelente.
V. 1, 3, 4 e 6 – Provisão como socorro na adversidade, no dia mau e em situações de perda.
Retornando aos versículos de Romanos, vejamos o que é possível assimilar no versículo 33:
Somos feitos justiça de Deus e livres de toda e qualquer acusação (apontamento de um erro, culpa ou crime).
A justiça de Deus em nós nos coloca num relacionamento correto com Deus:
Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus. 2 Coríntios 5.21
E que relacionamento é esse?

Antes, a nossa relação com Deus era de Criador e criatura. Mas, por meio de Cristo, nossa relação passa a ser de Pai e filho(a) (Romanos 8.15,17).

Antes, enquanto escravos do pecado, tínhamos medo do castigo, da pessoa de Deus. Hoje, por meio de Jesus, libertos e justificados de todo pecado, vivemos uma relação de amor com Deus (1 João 4.18).

Agora, portanto, num relacionamento de amor e obediência a Deus, ninguém e nem mesmo Satanás pode nos acusar (1 João 5.3).

V. 34 – Somos livres da condenação e ‘ganhamos’ um fiel intercessor

mas, visto que vive para sempre, Jesus tem um sacerdócio permanente.
Portanto, ele é capaz de salvar definitivamente aqueles que, por meio dele, aproximam-se de Deus, pois vive sempre para interceder por eles. Hebreus 7. 24 e 25
Jesus é quem intercede por nós perante Deus, o Pai. E isso só acontece porque o Senhor Jesus nos livrou do castigo que merecíamos e nos deu a vida eterna (Romanos 6.23).
V. 35 – Se não há inimigo que nos vence, se temos provisão, justiça e nenhuma condenação, nada pode nos separar do amor de Cristo.
A justiça e a absolvição de Deus denota que já não há mais pecado em nossa vida, a única coisa que poderia nos separar Dele:
Mas as suas maldades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto dele, e por isso ele não os ouvirá.
Isaías 59.2
De modo que todas as outras coisas precisam se tornar secundárias, sem força de expressão, por mais difíceis e assustadoras que nos pareçam:
– Tribulação
– Angústia
– Perseguição
– Fome
– Nudez
– Espada
V. 37 – Jesus pode nos fazer vencedores sobre qualquer medo!
Existe algo que o amedronta, hoje? 
Jesus o convida a segui-Lo e a confiar totalmente Nele. A Bíblia afirma que:
 “Todo o que nele crê jamais será decepcionado”. Romanos 10 .11
O Senhor Jesus não nos decepciona, mas você precisa crer e confiar que Ele está com você! Siga-O sem medo, livre e totalmente entregue nas mãos do Senhor!

Portanto, aprendemos com este estudo “Não tenha medo 2” que não é necessário ter medo. É necessário ter fé e crer que o Senhor Jesus nos guarda e nos livra de todo mal.

Que o Espírito Santo o abençoe e encha o seu coração de fé e coragem, em nome de Jesus!
Pra. Camila Brito
Aprenda mais sobre “Não tenha medo 2”, participe da Escola Bíblica Dominical, todos os domingos, às 9 horas, na CERV (Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica).
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para contato@restaurandovidascerv.com.br 

 

Não tenha medo

Não tenha medo! Você já deve ter ouvido essa frase de alguém. Ela é sempre dita com o intuito de encorajar a pessoa que se encontra com medo.

Mas você sabe o que é o medo? Em quais situações ele aparece? E quais são os medos mais frequentes que as pessoas têm?

E o que a Bíblia nos diz a respeito do medo?

Por meio deste estudo responderemos essas e outras questões que o ajudarão a vencer o medo e a ter uma vida de fé e coragem no Senhor!

Bom estudo!

Conceitos básicos:

Ter – possuir, pertencer a, trazer consigo ou em si, sofrer de, sentir, experimentar;

Medo – Estado emocional resultante da consciência de perigo ou ameaça, real ou imaginária; ausência de coragem; preocupação com determinado fato ou possibilidade;

Outra definição de medo – Resposta fisiológica (reação de luta ou fuga). Nesse caso há:

Aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial;

As pupilas se dilatam para receber mais luz;

Os vasos da pele se contraem para enviar mais sangue aos grupos musculares maiores (calafrios);

Por ação da adrenalina e da glicose os músculos enrijecem (arrepio);

Sistemas não essenciais (como o digestivo e o imunológico) são “desligados” para poupar energia para as funções de emergência;

A musculatura lisa relaxa e mais sangue oxigenado entra nos pulmões;

Há dificuldade para se concentrar em pequenas tarefas (cérebro focado na ameaça).

Objetivo dessas reações fisiológicas – tanto nos humanos como nos animais é a promoção da sobrevivência.

Quando o organismo reage de forma exagerada ao medo, o estado de alerta benéfico ao indivíduo transforma-se em um estado patológico (fobia).

A fobia é uma antecipação do medo que não prepara o individuo para decidir entre lutar ou fugir. Há uma “paralisia”, um impedimento de que o individuo se relacione com o objeto ou situação que lhe causa medo.

Consequentemente, há um comprometimento da relação que a pessoa estabelece com o mundo que a cerca.

Do quê as pessoas têm medo?

  • Animais: aranha, escorpião, cobra, barata, rato, lagartixa, lagarta, leão e etc;
  • Altura
  • Avião
  • Doenças
  • Morte
  • Dor/ sofrimento
  • Assalto, roubo, sequestro (violência)
  • Escuro
  • Fome
  • Ficar sozinho
  • Envelhecer
  • Não se casar
  • Falar em público
  • Tempestade
  • Rejeição
  • Água
  • Fracasso

Logo, existem medos universais – Fatos que em algum momento da história apresentaram um perigo real para a sociedade, tal como desastres naturais, epidemias, pragas e etc.

E medos específicos – Presentes apenas em certos indivíduos, comunidades, regiões ou culturas.

Muitos dos medos que as pessoas apresentam estão relacionados a experiências passadas.  Experiências essas acumuladas ao longo da vida a partir de situações inesperadas e/ ou adversas.

O medo, como podemos ver, de forma sucinta, pode se apresentar de várias formas e  em ocasiões distintas. Entretanto, diante desses quadros como devemos reagir?

Como filho de Deus, como devo responder ao medo?

A resposta a essa pergunta está na Palavra de Deus. Naquilo que o próprio Deus afirma: “Não tenha medo, EU estou com você” (Is.43.5).

Portanto, não é necessário viver com medo, sofrer ou carregar esse sentimento no coração. Pela fé é importante crer que:

DEUS ESTÁ COMIGO!

Leia mais artigos sobre o tema medo

E quem é Deus?

Vejamos o que está escrito em Isaías 43.13: “Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa escapar das minhas mãos operando eu, quem impedirá?”

Antes que houvesse dia – Voltemos ao primeiro dia da criação (Gn 1.1-5). Antes que tudo recebesse forma, Deus já existia. E por meio da sua Palavra tudo passou a existir. Portanto, se tenho ao meu lado um Deus que é poderoso e criador do universo, por quê sentir medo?

Em Isaías 40.25 e 26 o Senhor declara:

“A quem, pois, me fareis semelhante, para que eu lhe seja igual? diz o Santo.
Levantai ao alto os vossos olhos, e vede quem criou estas coisas; foi aquele que faz sair o exército delas segundo o seu número; ele as chama a todas pelos seus nomes; por causa da grandeza das suas forças, e porquanto é forte em poder, nenhuma delas faltará.”

Deus conhece todas as estrelas do céu e as chama pelo nome. E à sua ordem todas executam a Sua vontade.

Se Deus as conhece assim, será que não conhece você? Sim, certamente Ele o conhece. Afinal, você foi criado à imagem e semelhança Dele (Gn 1.27). E após a criação do homem, Deus viu que tudo o que havia criado era muito bom!

Portanto, Deus é poderoso, Rei do universo, o seu criador que te ama e cuida de você com zelo. Por isso, não tenha medo!

Em Êxodo capítulo 3 verso 14, Deus declara quem Ele é:

EU SOU O QUE SOU

Sim, o Eu Sou está com você e com todos aqueles que são seus filhos. E, se de fato crermos que Ele está conosco, não precisamos ter medo. E sabe por quê? Porque agindo Deus, quem pode impedi-lo? (Is 43.13).

Pra. Camila Brito

Na próxima sexta daremos continuidade ao estudo “Não tenha medo”. Medite e releia os versículos desta primeira parte!
Deseja aprender a como vencer o medo? Participe da Escola Bíblica Dominical realizada todos os domingos, às 9 horas, na CERV (Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica).
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com

Retratos de um novo coração

De acordo com a Bíblia, o coração não é simplesmente um órgão que pulsa no nosso peito, mas o centro da nossa própria vida. Dentro de nós existe uma fonte impura. Dela procedem “os maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias” (Mt 15.19).

Por isso, precisamos ter o coração firme nas promessas do Senhor, nas misericórdias do Pai, na bondade e na fidelidade de Deus. Afinal, as Escrituras nos falam de algo maravilhoso, o coração novo, verdadeiramente convertido ao Senhor:

“Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne” (Ez 36.26).

É a vida do Senhor na nossa vida! Assim, quando este é o desejo mais sincero do homem, Deus pode manifestar o Seu poder e mover o coração imóvel de pedra, transformando-o num coração de carne. Deus o muda de uma forma gloriosa! E o transforma:

Num coração quebrantado e contrito (Sl 51.17) – mais sensível à Palavra de Deus. Ainda que inúmeras coisas possam acontecer e tentar distraí-lo, ele não se perde, pois seu foco está no Senhor.

Num coração limpo e santo – que está sempre dizendo: “Purifica-me, Senhor”, que sempre procura se acertar diante de Deus, disposto a perdoar e pedir perdão.

Num coração reto e íntegro (Sl 119.80) – marcado pela justiça e por um caráter sem curvas ou desvios.

Num coração firme e confiante – sabedor da fidelidade de Deus, de convicções inabaláveis: “Eu sei em quem tenho crido”.

Num coração sábio (Pv 16.21) – haja vista que a sabedoria não está no cérebro, mas no coração. Razão pela qual existem pessoas analfabetas e sábias; outras, a despeito da sua inteligência, incapazes de compreenderem o significado da salvação por meio de Jesus Cristo.

Num coração misericordioso (Mt 5.7) – pronto a dividir a graça, o amor, a misericórdia, o carinho.

Num coração alegre – cuja alegria pode ser refletida na aparência física: “O coração alegre aformoseia o rosto”.

Num coração manso e humilde – demonstrado pelas atitudes e disposto a viver a simplicidade, a submissão e a bondade.

Esses são alguns retratos do novo coração que precisa pulsar em nós. Portanto, clamemos ao Senhor, humilhemo-nos diante Dele, permitamos o trabalhar do Seu Santo Espírito em nossas vidas!

 Texto adaptado do e-book Retratos do Coração, do Pr. Márcio Valadão

Você é capaz de eliminar o medo e estabelecer a conquista?

Ao fim de quarenta dias, Josué, Calebe e os demais espias retornaram da terra de Canaã, apresentaram-se a Moisés, a Arão e a todo o povo de Israel, e lhes contaram o que haviam visto. Dez desses espias foram tomados pelo temor e, movidos pelo medo, se viram e foram vistos como gafanhotos (Nm 13.33). Josué e Calebe, ao contrário dos demais, foram possuídos por um espírito de conquista (Nm 14.6-10).

O medo anestesia nossa consciência, silencia nosso testemunho, enfraquece nossa fé, nos impede de conseguir, nos emperra, nos torna prisioneiros, tolhe a nossa liberdade, inibe o nosso potencial, tira o nosso sono, rouba nossa paz e nos faz perder oportunidades. De modo que deixar-se dominar pelo medo é algo extremamente desastroso, como podemos observar na Parábola dos Talentos. Eis o relato de um daqueles servos: “Por fim, veio o que tinha recebido um talento e disse: Eu sabia que o senhor é um homem severo, que colhe onde não plantou e junta onde não semeou. Por isso, tive medo, saí e escondi o seu talento no chão. Veja, aqui está o que lhe pertence” (Mt 25. 24,25).

Dez espias contaminaram uma nação pelo sentimento de medo, mas dois escolheram confiar no Senhor. Além desses, aprendemos, por meio da Bíblia, a história de outros homens que não se permitiram deter diante de situações ameaçadoras: o pequeno Davi colocou o gigante Golias por terra; Gideão com apenas 300 homens derrotou um exército de 135 mil midianitas armados; Elias derrotou sozinho 400 profetas de Baal; Daniel na cova dos leões ficou toda a noite no meio das feras e saiu ileso; Pedro, um humilde pescador, enfrentou corajosamente os membros do sinédrio dos judeus que tinham poder para entregá-lo à morte; Paulo, como prisioneiro, deu testemunho diante de reis e governadores.

Portanto, você e eu, podemos padronizar uma linguagem com a nossa atitude. Confiemos no Senhor, vejamos além do medo e conquistemos a terra que nos foi prometida!

Quando DEUS nos poda

“Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não dá fruto, ele corta; e todo que dá fruto ele poda, para que dê mais fruto ainda.”  (Jo 15.1,2)

Este texto nos ensina que o ramo que não dá fruto o Senhor corta, mas o que está dando fruto Ele poda. O ramo que frutifica é aquele que está na igreja e vive o evangelho. Para esse Deus tem mais. Não importa o quanto você é frutífero no Reino, por meio da poda do Agricultor, você pode dar mais fruto.

Em paisagismo e jardinagem, a poda é a prática de remover partes doentes, não produtivas ou indesejadas de uma planta. A proposta é dar forma à planta, controlando ou direcionando o seu crescimento, mantendo sua saúde ou aumentando o rendimento e qualidade das flores e frutos. É interessante pensar que, mesmo dando fruto, galhos e partes doentes se desenvolvem num ramo de forma que ele necessite de poda. Se a poda não for feita, essas partes poderão impedi-lo de dar mais fruto.

Pedro experimentou isso ao ser alertado por Jesus acerca de sua negação. Contudo, afirmou sua autossuficiência dizendo que jamais O negaria. Sobre isso Jesus disse:

“Simão, Simão, Satanás pediu vocês para peneirá-los como trigo. Mas eu orei por você, para que a sua fé não desfaleça. E quando você se converter, fortaleça os seus irmãos” (Lc 22 31,32).

Observe que Jesus não orou para que a situação não acontecesse, mas para que a fé de Pedro não desfalecesse. Veja também a expressão “peneirar como trigo”. Na peneira há uma seleção: retira-se do trigo o que não é bom, restando ao final apenas o grão puro. Logo, a peneira nos traz a mesma ideia da poda. Pedro não seria destruído pela situação, mas peneirado ou podado para que pudesse ser um excelente grão de trigo e assim fortalecesse os seus irmãos.

No processo de amadurecimento espiritual passamos por “peneiras” que, embora num primeiro momento pareça nos destruir, ao final, será apenas uma poda de impurezas que redundarão em um cristão melhor e mais maduro, capaz de frutificar e abençoar a muitas vidas!

Drummond Lacerda

O que podemos aprender com a palmeira

“O justo florescerá como a palmeira…” (Sl 92.12).

A Bíblia está cheia de metáforas. São figuras e imagens que nos apresentam lições morais e espirituais. Aqui, no texto em tela, o justo é comparado com a palmeira. É claro que, no caso de Israel, o escritor está falando da tamareira, pois é a árvore mais conhecida na região e uma das primeiras fontes de renda na agricultura.

Vejamos que lições podemos aprender com a palmeira:

Em primeiro lugar, o justo cresce verticalmente. A tamareira cresce para cima, para o alto, para o céu. Assim é o justo. Sua vida é reta e cresce verticalmente. Isso fala de sua retidão e integridade. O justo não tem em seu caráter sinuosidades. Sua vida é reta. Sua conduta é ilibada. Seu testemunho é irrepreensível. Seu crescimento é para o alto!

Em segundo lugar, o justo tem uma vida útil. Tudo na tamareira é útil. Suas raízes, seu caule, suas folhas e seus frutos. Assim é o justo. Sua vida é uma bênção para a família e para a sociedade. Sua presença no mundo é abençoadora. Suas palavras são terapêuticas e suas obras são marcadas pela bondade. Seus frutos são doces e nutritivos.

Em terceiro lugar, o justo tem uma vida bela aos olhos de Deus e dos homens. A palmeira ou a tamareira enfeita o ambiente hostil onde cresce. No meio do deserto ela desfralda suas folhas robustas. No meio da seca severa, ela mantém seu verdor. Sua folhagem não murcha nem perde a sua beleza. Assim é o justo. Ele é belo aos olhos de Deus e seu testemunho é reconhecido na terra.

Em quarto lugar, o justo mantém-se firme mesmo em tempos de duras provas. A tamareira cresce no deserto, floresce em lugares áridos, frutifica em ambientes hostis. Suas raízes são castigadas pelo tropel de camelos e feras. Seu caule e suas folhas são surradas por rajadas dos ventos quentes do deserto. Seus frutos suculentos são amadurecidos sob o calor implacável, imposto pelo sol causticante. Assim é o justo, mesmo sendo duramente provado, permanece firme, pois está plantado em Deus, é sustentado por Deus e frutifica para a glória de Deus.

Em quinto lugar, o justo produz frutos que exaltam a Deus e abençoam o próximo. As tâmaras são apreciadas no mundo inteiro. É um fruto doce, nutritivo e nobre. É o mais importante produto da agricultura de Israel. É um importante fator da economia da região árida do deserto da Judeia. O justo produz, também, frutos dignos de arrependimento. O fruto do Espírito pode ser encontrado em sua vida. Não tem apenas folhas, mas frutos, muitos frutos que glorificam a Deus e abençoam o próximo.

Em sexto lugar, o justo aponta para a verdadeira fonte da vida. Onde o viajor cansado, pelos desertos áridos, vislumbra uma tamareira, sabe que ali existe um oásis, lugar de abrigo e refrigério. A tamareira é um ponto de referência no meio do deserto inóspito. Assim é o justo. Ele é plantado junto à fonte e sua vida aponta para Deus, o verdadeiro manancial da vida. Aqueles que andam errantes pelos desertos da vida, olham para ele, e podem encontrar a fonte da vida, um lugar de abrigo sob as asas do Onipotente Deus.

Em sétimo lugar, o justo é vitorioso em sua jornada. A folha da palmeira ou da tamareira é um símbolo de vitória. Quando erguida e acionada, com uma bandeira no mastro, ela proclama a vitória daqueles que a ostentam. Assim é a vida do justo. Ele é mais do que vencedor em Cristo. Sua vitória não decorre de sua beleza intrínseca nem de sua força pessoal. Sua vitória vem de Deus. Apesar de sua fraqueza, triunfa. Apesar de habitar numa tenda rota, será revestido com um corpo de glória! O justo florescerá como a palmeira!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Página 1 de 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén