Tag: Espírito Santo (Página 1 de 2)

Da Reforma à reforma

Da Reforma à reforma nos convida a passear pela história do mundo até chegarmos ao importante fato da História da Igreja: a Reforma Protestante.

A seguir, veja alguns importantes acontecimentos da história:

1450 – Ano da  importante invenção do milênio passado: a criação da imprensa, por Gutenberg. A Bíblia foi o primeiro livro impresso;

1492 – Cristóvão Colombo chegava ao continente Americano. O próprio relata, em seu diário, ter sido guiado pelo Espírito Santo;

1497- Vasco da Gama chega as Índias (importante rota comercial da época);

1500 – Descobrimento do Brasil, por Álvares Cabral;

Todos esses fatos tiveram importante contribuição para a história. Entretanto, não foram capazes de retirar o homem das trevas interior.

Apenas em 1517, as trevas humanas começam a ser dissipadas por meio da Reforma Protestante, realizada por Martinho Lutero.

Antes de entrar nesse importante acontecimento é fundamental conhecer, um pouco, da pessoa de Lutero.

Martinho Lutero tinha uma vida dedicada a Deus. Era fiel cumpridor das suas palavras e da religião que seguia.

Ele andava conforme a luz que tinha sobre o Senhor e as Sagradas Escrituras.

O seu desejo de ser correto perante a Deus fazia com que se confessasse ao padre diariamente, por seis horas.

Em 1510, Lutero realizou um sonho: conhecer Roma. O motivo era o fato de lá estarem as relíquias cristãs e as imagens dos apóstolos.

Segundo a doutrina católica, estar perto desses bens sacros o aproximaria mais de Deus.

Ao retornar dessa viagem, mudou-se para a cidade de Winterberg, na Alemanha.

Nesse local, seus questionamentos a respeito da própria fé se intensificaram.

Dentre seus questionamentos estavam: o valor sacro das relíquias, orações e missas para os mortos, a compra de um local no céu, dentre outras doutrinas católicas.

Outra questão que rondava seu coração: por quê o papa não pregava o Evangelho?

Com todas essas questões no seu coração, Lutero formulou algumas teses e decidiu que o melhor dia para divulga-las seria no dia 31 de outubro de 1517.

A razão para tal escolha estaria na presença de vários cristãos,  que vindos de outras cidades, participariam, no dia 1º de novembro, das celebrações do feriado de todos os santos.

E assim, no dia 31 de outubro daquele ano, ele pregou suas 95 teses na porta da catedral de Winterberg.

Saiba mais sobre a Reforma Protestante

A partir desse acontecimento, há uma mudança na história da humanidade e da Igreja.

Ao observarmos a vida de Lutero podemos fazer um paralelo com a vida de outro homem de Deus: o apóstolo Paulo.

Antes de ser Paulo, Saulo era judeu zeloso, dedicado a sua religião e a Deus. Buscava obedecer ao Senhor conforme o entendimento que possuía da fé.

Assim como Lutero, Saulo teve um encontro marcante com Jesus.

O mestre foi ao encontro desses homens de formas diferentes, e os alcançou.

Ambos, foram alcançados pela Graça divina e justificado pela fé em Cristo Jesus:

“Pois não me envergonho das boas-novas a respeito de Cristo, que são o poder de Deus em ação para salvar todos os que creem, primeiro os judeus, e também os gentios.

As boas-novas revelam como opera a justiça de Deus, que, do começo ao fim, é algo que se dá pela fé. Como dizem as Escrituras: “O justo viverá pela fé” (Rm 1.16 e 17).

Por meio desses versículos, mais precisamente o dezessete, Lutero foi desperto pelo Espírito Santo para ter uma nova vida e promover a Reforma da Igreja.

Hoje, por meio dessa Graça redentora, o Espírito Santo deseja fazer uma reforma no coração dos filhos de Deus.

Muitas vezes, aparentemente, o exterior parece estar bem, mas no profundo do coração, tudo vai mal.

Hoje, o Senhor concede a você a oportunidade de ser reformado por Ele.

Não adiante encobrir o pecado, uma hora ele será manifesto, porque ele está dentro do coração.

É necessário retornar ao princípio, as bases da fé e da conversão:

“Portanto, uma vez que pela fé fomos declarados justos, temos paz com Deus por causa daquilo que Jesus Cristo, nosso Senhor, fez por nós.

Foi por meio da fé que Cristo nos concedeu esta graça que agora desfrutamos com segurança e alegria, pois temos a esperança de participar da glória de Deus” (Rm 5. 1 e 2).

Retornar a essa Graça recebida e  que fez (e faz) o ser humano desfrutar de uma vida nova e cheia de esperança.

Graça essa que faz  o homem experimentar aqui nesta Terra, da glória de Deus, da presença real do Senhor.

Assim como a Reforma Protestante mudou a vida de Martinho Lutero e dos rumos da Igreja, hoje, o Senhor deseja reformar sua vida para você ser uma bênção na história da Igreja moderna!

Ouça “Da Reforma à reforma” e seja transformado pelo Espírito Santo:

 

Comunicação CERV

O que posso aprender com a igreja de Éfeso

O que posso aprender com a igreja de Éfeso? Você já se fez está pergunta?

Se não, a partir desta mensagem você será convidado a examinar a história desta igreja e aprender com seus erros e acertos.

A igreja de Éfeso, no ano de 53 d.C, foi fundada pelo apóstolo Paulo em sua terceira viagem missionária.

Vejamos o que acontece assim que Paulo chega a cidade:

“Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo viajou pelas regiões do interior até chegar a Éfeso, no litoral, onde encontrou alguns discípulos.

 Ele lhes perguntou: “Vocês receberam o Espírito Santo quando creram?”. “Não”, responderam eles. “Nem sequer ouvimos que existe o Espírito Santo.”

“Então que batismo vocês receberam?”, perguntou ele. “O batismo de João”, responderam.

Paulo disse: “João batizava com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que viria depois, isto é, em Jesus”.

Assim que ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus.

Paulo lhes impôs as mãos e o Espírito Santo veio sobre eles, e falaram em línguas e profetizaram.

Eram ao todo uns doze homens.

Em seguida, Paulo foi à sinagoga e ali pregou corajosamente durante três meses, argumentando de modo convincente sobre o reino de Deus.” (Atos 19.1 -8)

Para compreender  de forma ampla a história desta igreja é fundamental saber a sua história e contexto da época.

Éfeso era a principal igreja da Ásia menor, região pertencente ao Império Romano.

Era a capital, e seu território fazia parte de várias rotas comerciais, por isso, muito rica e avançada.

Para se ter uma ideia da sua importância, para entrar na cidade o visitante deveria pagar.

A riqueza de Éfeso era visível em um tour pela sua avenida principal. Suas construções eram belíssimas e de grande porte.

Ao final desta avenida o visitante encontrava um teatro no qual cabia 25 mil pessoas.

Entretanto, a atração principal da cidade era o templo dedicado a deusa Diana, pois a economia local girava em torno desta deusa.

Paulo pregou e ensinou em Éfeso por 2 anos e 3 meses e o número de conversões genuínas foi grande:

“Muitos dos que creram confessaram suas obras pecaminosa.

Vários deles, que haviam praticado feitiçaria, trouxeram seus livros de encantamentos e os queimaram publicamente. O valor dos livros totalizou cinquenta mil moedas de prata.

Assim, a mensagem a respei­to do Senhor se espalhou amplamente e teve efeito poderoso.” (At 19.18,19 e 20)

Tamanha era a convicção de pecados que os novos convertidos confessavam publicamente suas mazelas e atos pecaminosos.

Pessoas abriam mão das magias, feitiçarias e levavam seus livros de magia em praça pública para serem queimados.

Estas atitudes começaram a mexer na economia da cidade, ao ponto da população ter o desejo de expulsar o apóstolo Paulo de lá.

E no capítulo seguinte, em Atos 20-25,-32, é possível ver a despedida de Paulo, mas antes deixa um alerta para a igreja, a respeito das falsas doutrinas e dos falsos mestres:

“Agora sei que nenhum de vocês, a quem anunciei o reino, me verá outra vez.

Por isso, declaro hoje que, se alguém se perder, não será por minha culpa,

pois não deixei de anunciar tudo que Deus quer que vocês saibam.

“Portanto, cuidem de si mesmos e do rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos, a fim de pastorearem sua igreja, comprada com seu próprio sangue.

Sei que depois de minha partida surgirão em seu meio falsos mestres, lobos ferozes que não pouparão o rebanho.

Até mesmo entre vocês se levantarão homens que distorcerão a verdade a fim de conquistar seguidores.

Portanto, vigiem! Lembrem-se dos três anos que estive com vocês, de como dia e noite nunca deixei de aconselhar com lágrimas cada um de vocês.

“E, agora, eu os entrego a Deus e à mensagem de sua graça que pode edificá-los e dar-lhes uma herança junto com todos que ele separou para si.”

No ano de 62 d.C, Paulo está em sua prisão domiciliar, em Roma, e escreve uma carta para a igreja de Éfeso.

É uma carta que não apresentava correções severas, acusações ou apontamento de práticas de pecado.

A todo momento o apóstolo os exortava que se mantivessem no que foram ensinados.

E também a viverem em novidade de vida, em Cristo Jesus. Outros assuntos que estavam escritos eram sobre a comunidade da fé e os novos padrões de relacionamento.

Após a morte de Paulo, Timóteo assume o pastorado da igreja até que é direcionado a outras missões.

Passados alguns líderes, no ano de 81 d.C, o apóstolo João, o discípulo amado de Cristo, é quem assumia a liderança da igreja.

Neste período, João é exilado na Ilha de Patmos e lá  tem a experiência sobrenatural descrita no livro de Apocalipse.

No inicio do livro, dentre as cartas escritas a igrejas, há uma direcionada a igreja de Éfeso. Quarenta anos depois da fundação da igreja, no ano de 95 d.C, esta carta chega a liderança da igreja.

Agora atente-se com o que aconteceu com esta igreja, com o passar dos anos, e faça um paralelo com a sua vida, desde quando foi salvo até a presente data.

Vamos ver o que Jesus fala sobre esta igreja:

 “Escreva esta carta ao anjo da igreja em Éfeso. Esta é a mensagem daquele que segura na mão direita as sete estrelas, daquele que anda entre os sete candelabros de ouro:

“Sei de tudo que você faz. Vi seu trabalho árduo e sua perseverança, e sei que não tolera os perversos. Examinou as pretensões dos que se dizem apóstolos, mas não são, e descobriu que são mentirosos.

Sofreu por meu nome com paciência, sem desistir

“Contudo, tenho contra você uma queixa: você abandonou o amor que tinha no princípio.

Veja até onde você caiu! Arrependa-se e volte a praticar as obras que no início praticava. Do contrário, virei até você e tirarei seu candelabro de seu lugar entre as igrejas

Mas há isto a seu favor: você odeia as obras dos nicolaítas, como eu também odeio.

“Quem tem ouvidos para ouvir, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vitorioso, darei o fruto da árvore da vida que está no paraíso de Deus.” (At 2.1-7).

A partir da leitura desta carta, pense: hoje, depois de (coloque os anos que você já se converteu), o que Jesus tem para falar a seu respeito?

Como foi possível ler, o alerta que Paulo deu a igreja permaneceu sendo cumprindo: a reprovação de falsas doutrinas e ensinos.

Éfeso era uma igreja que servia, trabalhava em favor do Reino de Deus, uma igreja que tinha discernimento.

Portanto, tudo que ouviam do seu líder, a respeito destes assuntos, praticavam.

E você? Tem ouvido seu líder? Tem dado a devida importância as instruções dele?

Ainda na fala de Jesus, sobre esta igreja, após exaltar seus bons atributos o Senhor alerta, que havia um problema: eles abandonaram o primeiro amor.

E é neste ponto que é necessário refletir: Qual é a motivação que está no seu coração?

Será que você não está automatizado suas ações para Deus?

Parafraseando o que Jesus disse para a igreja de Éfeso: você guarda a Palavra e trabalha, mas o que o motiva a fazer isto?

O que o motiva se você já abandounou o primeiro amor? (se for este o seu caso)

Se não é o amor que o motiva a servir a Deus e a adorá-Lo, o que te motiva, então?

A igreja de Éfeso tinha uma habilidade grande olhar para os outros e detectar o erro, entretanto, não olhava para si.

E, hoje, no meio da igreja, há pessoas que se comportam da mesma maneira.

Examine a si mesmo, abra seus ouvidos para o quê o Espírito Santo ministra nesta Palavra.

Como você está? Quais têm sido as suas motivações?

Assim como Jesus disse a Éfeso: “Lembra-te de onde caíste”. Ele também diz para você.

Faça uma autoavaliação. Será que houve algum tempo na sua vida que você orou, estudou a Palavra, jejuou e participou dos cultos e programações da igreja mais do que hoje?

E o Senhor diz mais: “Arrependa-se!”

Então, tenha coragem de, após se examinar, de se arrepender do seus erros e pecados.

E por último Jesus diz: prática!

Não basta apenas identificar os erros e se arrepender deles, é necessário ter uma nova postura, voltar ao primeiro amor.

A partir desta leitura, portanto, convidamos a você a ouvir esta mensagem e avaliar o que pode aprender com a igreja de Éfeso!

Ouça a mensagem ‘O que posso aprender com a igreja de Éfeso’ e permita o Espírito Santo falar ao seu coração sobre como está o seu amor por Jesus Cristo:

 

Comunicação CERV

De volta ao Evangelho

O evangelho é a melhor notícia que já ecoou nos ouvidos da história. É a boa nova da salvação vinda de Deus a pecadores perdidos. É o transbordamento do amor divino aos filhos da ira. É a graça sem par a pessoas indignas. É a misericórdia estendida a indivíduos arruinados. O evangelho é o novo e vivo caminho que Deus abriu desde o céu para o céu. Esse não é o caminho das obras, mas da graça. Não é o caminho do mérito, mas da oferta gratuita. Não é o caminho da religião, mas da cruz. A salvação é uma obra monergística de Deus, trazendo libertação aos cativos, redenção aos escravos e vida aos mortos.

Com respeito ao evangelho, precisamos estar alertas sobre alguns perigos. Tanto no passado como no presente, ataques frontais foram e ainda são feitos para esvaziar o evangelho, distorcer o evangelho e substituir o evangelho por outro evangelho, que em essência, não tem nada de evangelho. Quais são esses perigos?

Saiba mais sobre evangelização e missões

Em primeiro lugar, o perigo de substituir o evangelho da graça pelo evangelho das obras. O mundo odeia o evangelho, porque este é um golpe fatal em seu orgulho. O evangelho anula completamente qualquer possibilidade do homem vangloriar-se. Reduz o homem à sua condição de completo desamparo. Mostra sua ruína absoluta, sua depravação total, sua escravidão ao diabo, ao mundo e à carne, sua corrupção moral e sua morte espiritual. A tentativa do homem chegar-se a Deus pelo caminho das obras é tão impossível como tentar construir uma torre até aos céus.

O apóstolo Paulo diz aos judaizantes que estavam perturbando a igreja e pervertendo o evangelho, induzindo as pessoas a praticarem as obras da lei para serem salvas, que isso é um outro evangelho, um evangelho falso, que desemboca na ruína e na perdição.

Em segundo lugar, o perigo de substituir o evangelho da cruz pelo evangelho da prosperidade. Prolifera em nossos dias os pregadores da conveniência, os embaixadores do lucro em nome da fé. Multiplicam-se neste canteiro fértil da ganância, homens inescrupulosos que mercadejam a palavra de Deus, fazendo da igreja uma empresa, do púlpito um balcão, do evangelho um produto híbrido, do templo uma praça de negócios e dos crentes consumidores.

O vetor desses obreiros da iniquidade é o lucro. Pregam para agradar. Pregam para atrair as multidões com uma oferta de riqueza na terra e não de um tesouro no céu. Torcem as Escrituras, manipulam os ouvintes, enganam os incautos, para se locupletarem. Sonegam ao povo a mensagem da cruz, a oferta da graça, a mensagem da reconciliação por meio do sangue de Cristo. Embora esses pregadores consigam popularidade estão desprovidos da verdade. Embora reúnam multidões para ouvi-los, não oferecem aos famintos o Pão do céu. Embora, se vangloriem de suas robustas riquezas acumuladas na terra, são miseravelmente pobres na avaliação do céu.

Em terceiro lugar, o perigo de se pregar o evangelho sem o poder do Espírito Santo. Se a pregação do falso evangelho das obras e da prosperidade é um negação do genuíno evangelho, a pregação do verdadeiro evangelho sem o poder do Espírito é uma conspiração contra o evangelho. O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê. Nele se manifesta a justiça de Deus. Não podemos pregá-lo sem a virtude do Espírito Santo.

O pregador precisa ser um vaso limpo antes de ser um canal de bênção. Precisa viver com Deus antes de falar em nome de Deus. O pregador precisa ser cheio do Espírito antes de ser usado pelo Espírito. Se a pregação do evangelho é lógica em fogo, a mensagem do evangelho precisa queimar no coração do pregador antes de inflamar os ouvintes. Precisamos urgentemente de um reavivamento nos púlpitos. Precisamos voltar ao evangelho!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda mais sobre o tema “De volta ao Evangelho”, participe do Culto de Missões realizado todo primeiro domingo do mês, às 19h30, na CERV (Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica).
Mais informações: (31) 3451-5956 ou contato@restaurandovidascerv.com.br

Participe do II Seminário, Legislativo, Direito e Religião

As inscrições estão abertas e encerram-se dia 21 de maio

O 2º Seminário Legislativo, Direito e Religião, organizado pelo Seminário Teológico Restaurando Vidas (STRV) tratará de temáticas fundamentais que envolvem a família.

Dentre os assuntos que serão abordados estão: a ideologia de gênero, a escola sem partido, as novas decisões sobre direito e família, o plano de Deus para a família e a família de hoje.

Palestrarão a respeito destes temas o Dep. Estadual Léo portela, a advogada Mirna Alcântara e os pastores George Foster e Antônio Vianna.

O valor para participar do seminário é de R$20,00 reais (incluso o almoço e café da tarde) e deve ser pago no ato da inscrição. As inscrições encerram-se às 22 horas do dia 21 de maio. 

O seminário será realizado no dia 27 de maio, das 8 às 21 horas, na Comunidade Evangélica Restaurando Vidas (CERV), que fica à Rua Érico Verísismo, 1167 – Santa Mônica. O credenciamento inicia-se ás 8 horas.

A seguir, conheça os palestrantes do seminário:

Dep. Léo Portela – Leonardo Morreale Diniz Portela  é advogado e administrador, mestre em Direito, professor universitário e pastor. Desde fevereiro de 2015 é deputado estadual de Minas Gerais. Atua na defesa da família e na luta contra as drogas.

 

 


Mirna Alcântara – Bacharel em direito pela Faculdades Integradas do Oeste de Minas (Fadom). E especialista em Direito Processual pela PUC- Minas.

 

 


Pr .George Foster –  Trabalhou por 25 anos com a Missão Evangélica Betânia no Brasil junto com sua esposa Dolly. Atualmente é pastor internacional dos missionários de Bethany Fellowship Missions. Possui vários títulos publicados pela Editora Betânia, tais como: “O poder restaurador do perdão”, “De todo o meu coração”, “Você tem valor”, dentre outros.

 


Pr. Antônio Viana –  Há 16 anos exerce o pastorado e foi o pastor presidente e fundador da Comunidade Evangélica Palavra Viva em Paraobeba (MG). Atualmente é pastor da Igreja Batista da Lagoinha  em Belo Horizonte e líder do Culto Jeová Rafá.

 

Não perca esta oportunidade de ser edificado e abençoar a sua família!
 Mais informações ligue: (31) 99309-6957 (Tim/Whatsapp) /  3504-1341 (fale com Kátia Brito)

Receba um novo coração

Quero plantar em seu coração uma promessa do Senhor:

“E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis” Ezequiel, capítulo 36, versos 26 e 27.

Essa passagem bíblica nos traz uma promessa aparentemente estranha, diferente. Ela é como se fosse uma cirurgia de transplante de coração.

Você precisa compreender que a nossa fé não é uma religião ou um conjunto de doutrinas. Ela é um relacionamento de intimidade com Deus, o qual nos permitirá andar segundo Sua vontade para nossa vida. Não conseguiremos andar na vontade do Senhor pelos nossos próprios esforços, mas somente por meio do nosso relacionamento com Ele.

E isso acontecerá quando recebermos Dele um novo coração, conforme registrado em Sua palavra: “Dar-vos-ei um coração novo”. E por que precisamos de um coração novo? Porque o próprio Deus declarou que não existe nada mais corrupto, podre, mal cheiroso do que o coração do homem. Ele não tem conserto e, é por isso que todo homem precisa passar por essa cirurgia de transplante. Nessa cirurgia o Senhor arrancará o coração velho e podre e colocará Seu próprio coração no lugar.

Um coração podre, repleto de pecados faz com que nosso espírito permaneça separado do espírito de Deus. Porém, quando Jesus torna-se nosso Senhor e Salvador, nosso espírito, que estava separado de Deus, passa a ter comunhão com o Senhor e nos tornamos morada do Espírito Santo.

O coração de pedra é frio, insensível, duro e ninguém pode ser feliz ou ter uma vida com sentido enquanto tiver um coração de pedra.

Como é bom saber que o Senhor pode arrancar de dentro de nós um coração de pedra e nos dar um coração de carne.

O coração de pedra é frio, insensível, duro e ninguém pode ser feliz ou ter uma vida com sentido enquanto tiver um coração de pedra.

Talvez, seu coração de pedra ainda não foi arrancado; por isso, suas palavras são tão duras e sua vida tão marcada pela dificuldade de perdoar as pessoas, de amar e de ser amado.

Permita-se receber um novo coração do Pai. Com esse  novo coração você verá coisas maravilhosas acontecerem não só na sua vida, mas na  de outras pessoas também.

Não sei qual é a sua idade, mas isso não importa. O que realmente importa é a sua decisão de clamar por um coração novo crendo que o receberá

O apóstolo Paulo traduziu essa experiência em Gálatas 2.20, dizendo:

“Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”.

A vida de Paulo foi mudada a partir do momento em que o coração de Jesus passou a pulsar dentro do seu peito.

Essa transformação fez dele o homem que mudou não apenas a própria história, mas a da humanidade, ao pregar o Evangelho, levando as pessoas a desfrutarem de uma nova vida e com um novo coração.

Guarde essa verdade e permita receber das mãos do Senhor um novo coração.

Pr. Márcio Valadão

Reuniões da campanha encerram-se hoje

Lembre-se de levar seu coração de papel com seus pedidos para receber a última unção

As reuniões da campanha: “Senhor dá-me um coração novo”, encerram-se neste sábado, 25 de março,  às 19 horas, na igreja.

Os irmãos devem estar no horário marcado, no templo da igreja, e  levar seus pedidos de oração. Pois será realizada a última unção.

Além do seus pedidos de oração, leve também um coração aberto para receber a Palavra de Deus e a ministração dos louvores.

Creia que o Senhor preparou uma unção gloriosa para este dia. Tome posse de que até o término desta campanha você terá um coração novo, em nome de Jesus!

É importante ressaltar que a campanha encerra-se oficialmente no dia 31 de março. Hoje apenas as reuniões no templo que estão sendo encerradas.

Ore para que tudo aconteça debaixo do poder e autoridade do nosso Deus, pois Ele é poderoso e fiel para realizar o impossível na sua vida!

O devocional diário (Parte 2)

Na última semana, iniciamos um estudo a respeito da importância de desenvolvermos um devocional diário com o Senhor.

Entendemos que sem a presença de Deus em nossas vidas somos como cisternas rotas, que não retêm água. E para que a nossa vida espiritual seja bem sucedida e abençoe as pessoas ao nosso redor é necessário empenho em nosso devocional com Deus.

Hoje, finalizaremos esse estudo aprendendo que a nossa prioridade esmero deve de estar em buscar ao Senhor. Isso nos garantirá uma vida feliz e abençoada e um serviço de excelência a Deus.

Bom estudo e que o Senhor Jesus te abençoe!

PRECISAMOS DE TEMPO AOS PÉS DO SENHOR

Muitas vezes estamos tentando agradar a Deus com nosso trabalho, mas, o mais importante para Ele é quando nos assentamos aos Seus pés. Nosso serviço é importante, porém estar com o Senhor, gastar tempo em Sua presença é muito mais. Além de que, depois de um tempo de comunhão o serviço se torna mais eficaz. Observe um episódio que Deus fez questão que fosse registrado para nosso ensino:

“Ora, quando iam de caminho, entrou Jesus numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa. Tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, sentando-se aos pés do Senhor, ouvia a sua palavra. Marta, porém, andava preocupada com muito serviço; e aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá que minha irmã me tenha deixado servir sozinha? Dize-lhe, pois, que me ajude. Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas; entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada”. (Lucas 10.38-42)

Enquanto Marta corria, Maria estava aos pés do Senhor. Todos conhecemos a história, mas fazemos questão de permitir que ela continue se repetindo… Muitos de nós só conseguimos pensar nos compromissos diários, na agenda cheia, em como fazer tudo etc… Preocupamo-nos com coisas que não mereciam tanta atenção. Deixamos que o “urgente” tome o lugar do “importante”.

Sei muito bem do que estou falando não só pelo convívio com outras pessoas, mas por mim mesmo. Por natureza sou alguém agitado, que não gosta de ficar parado. Se deixar, não paro um instante, sou como Marta. Mas tenho aprendido que na vida com Deus, as coisas são diferentes.

Aprendi desde o início da minha caminhada com Ele, que a chave de tudo é o tempo investido em relacionamento com o Pai. E apesar, de por temperamento ser uma pessoa mais parecida com Marta, por princípio bíblico tenho forçado meu comportamento a se ajustar ao de Maria.

Às vezes tenho as minhas recaídas, mas luto comigo mesmo, pois quero o melhor de Deus! Ninguém tem o direito de se desculpar dizendo: “Este é o meu jeito de ser”! Se Deus nos fizesse de modo diferente uns dos outros no que diz respeito a buscá-Lo, estaria sendo injusto conosco; estaria dando a um condições de agrada-Lo e a outro não.

Mas isto não é mera questão de temperamento, e sim de comportamento. Precisamos aprender as prioridades corretas para crescer espiritualmente. Falta de tempo com Deus é o maior obstáculo ao crescimento do crente.

Costumamos permanecer tão cegos em nosso comportamento errado que às vezes tentamos até convencer Deus de que estamos certos. Marta foi pedir a Jesus que fizesse Maria se levantar e ajudar, e estava certa de que Jesus agiria de forma justa, mas não esperava que naquela situação a errada fosse ela. Tentou convencer até o próprio Jesus da importância de sua “correria”. De modo semelhante, muitas vezes estamos errados e tentando convencer-nos (e aos outros) do contrário.

Contudo, as palavras de Jesus são muito fortes, contundentes: “…poucas coisas são necessárias, ou mesmo uma só…” O que Ele estava dizendo a Marta? Que de toda a nossa correria, poucas coisas são realmente uma necessidade. Muito do que julgamos ser necessário, na verdade não é. Agimos assim na administração de nossa agenda diária; assimilamos muita coisa que poderia esperar como se o mundo fosse acabar em dois dias. E o resultado não é só estresse, mas falta de poder espiritual. A presença de Deus é um refrigério, e devemos cultivá-la com dedicação.

O Senhor Jesus declarou: “poucas coisas são necessárias, ou mesmo uma só”. Penso que com esta frase Ele na verdade estava dizendo: “Pode enxugar sua agenda que a maioria de seus compromissos não são assim tão importantes. E se tiver que escolher uma única coisa para fazer, fique em minha presença”.

Não estou dizendo que ninguém deva parar de trabalhar, estou falando principalmente de coisas que não precisam necessariamente acontecer naquele momento. Por exemplo, muitos de nós “precisamos” assistir ao noticiário todos os dias. Será que precisamos mesmo? Muitos de nós “precisamos” nos divertir com um bom filme. Mas será que não dá para dar um intervalo maior de dias entre um entretenimento e outro?

Você pode se questionar sobre muita coisa que faz, mas o fato é que se você tivesse que fazer restar uma única atividade em seu dia, por ser a mais importante, ou a única que verdadeiramente possa ser chamada de necessidade, deveria ser a de estar aos pés do Senhor.

O evangelista Moody, defensor deste tipo de pensamento (como todo homem que Deus já pôde usar de modo especial), declarou o seguinte: “Um dos mais claros sinais dos tempos é que muitos cristãos, em nossas associações de moços e igrejas, estão guardando diariamente a ‘hora tranquila’. Nesta era de correria e incessantes atividades, precisamos de algum chamado especial para nos retirarmos e nos colocarmos a sós com Deus por um tempo, todos os dias. Qualquer homem ou mulher que assim proceder, não conseguirá passar mais que vinte e quatro horas longe de Deus”.

Moody chamava o momento devocional de “a hora tranquila”. Mesmo que nossa vida se resuma em muita correria, deve haver um momento quando consigamos desacelerar para estar a sós com Deus.

AFIANDO O MACHADO

A falta de tempo com Deus impede-nos de servi-Lo melhor. E atualmente até mesmo muitos ministérios estão sendo formados de maneira errada! São ensinados a fazer, fazer e fazer, mas quando investimos tempo a sós com o senhor, aumentamos o proveito do serviço depois. Veja este princípio bíblico:

“Se estiver embotado o ferro, e não se afiar o corte, então se deve por mais força; mas a sabedoria é proveitosa para dar prosperidade”. (Eclesiastes 10.10)

Quando o rei Salomão foi inspirado pelo Espírito Santo a escrever estas palavras, não nos deixou apenas um princípio natural, mas, paralelamente estabeleceu um fundamento espiritual. Assim como a sabedoria de afiar o corte do machado no rachar lenhas torna o trabalho mais eficaz, também há recursos espirituais que tornarão nosso andar em Deus mais frutífero.

Se o machado de um lenhador encontra-se embotado, sem corte, ele tem que empreender muito mais força e energia em seu trabalho, consumindo assim mais do seu tempo. Mas ao investir uma parte do seu tempo afiando o corte do machado, no fim terá economizado tempo e energia. A partir do momento que a ferramenta tem melhor corte, será o corte que determinará o resultado, e não a força do golpe na lenha. Resumindo: Se tentarmos economizar o tempo que usaríamos dando manutenção à ferramenta, acabaremos perdendo mais tempo ainda no trabalho que executamos.

O povo de Deus precisa aprender urgentemente esta lição! O que precisamos aprender e provar na prática, é que o tempo gasto com Deus é o machado sendo afiado. Se economizarmos nesta prática, perderemos muito mais tempo e energia depois e não conseguiremos fazer tão bem o serviço.

NOSSA PRIORIDADE DIÁRIA

Agora chegamos num ponto importante. Sabemos que precisamos estar com Deus. E que isto deve acontecer todos os dias. E que este encontro não precisa durar o dia todo. E que a maior desculpa que damos é que, em meio à correria, não nos sobra tempo para isto. Portanto, o melhor remédio é fazer de seu período devocional com Deus a primeira atividade do dia. Se você o faz antes das outras coisas, não corre o risco de acabar ficando sem fazer.

O que fazemos quando nos encontramos financeiramente “apertados”, e temos várias contas a pagar, sabendo que talvez naquele dia ou semana não haja recursos suficientes para pagar tudo? A maioria de nós tem experiência nisto. Começamos pagando as contas mais importantes, as prioritárias. E o resto ajusta-se depois. Se conseguirmos transferir a mesma mentalidade e raciocínio para a prática do devocional, tudo será diferente. Estar com Deus é a conta prioritária a ser paga a cada dia, portanto, devemos começar por ela, e o resto vai ajustando-se como der!

No início deste estudo usamos o exemplo do maná como uma figura desta busca diária. E o maná tem uma figura que se encaixa bem naquilo que estamos falando. Se ele não fosse colhido logo cedo, se derretia com o Sol. Em outras palavras, ou a pessoa começava seu dia com aquela atividade prioritária, ou acabava ficando sem ele. Com nosso devocional não deve ser diferente. Jesus nos deixou o exemplo:

“De madrugada, ainda bem escuro, levantou-se, saiu e foi a um lugar deserto, e ali orava”.  (Marcos 1.35)

De modo semelhante ao ato dos israelitas de colher o maná antes do sol se levantar, Jesus muitas vezes saía cedo de casa a fim de estar a sós com o Pai Celeste. Aqui ainda vemos outro princípio importante para nosso devocional. O texto diz que Cristo “foi a um lugar deserto”, o que fala da importância de estarmos a sós com Deus neste momento. Estou convicto de que não há hora melhor para se ter o devocional do que ao amanhecer do dia. Lemos no Velho Testamento: “De manhã, Senhor, ouves a minha voz; de manhã te apresento a minha oração e fico esperando”. (Sl 5.3).

A oração sempre será algo abençoador, mas quando Deus dá ênfase ao fato de buscá-Lo logo de manhã, está valorizando aqueles que decidiram estar com Ele como a sua prioridade do dia. Buscar ao Senhor no início do dia é honrá-Lo como o que de mais importante temos. E Deus está realmente interessado nisto! Veja o que o profeta Isaías declarou:

“O Senhor Deus […] me desperta todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que eu ouça como os eruditos”.   (Isaías 50.4)

Se dermos esta liberdade ao Senhor, priorizando o tempo com Ele, certamente perceberemos que o maior interesse neste tempo de qualidade ao início do dia, é do próprio Deus. Isaías afirmou que o Senhor o despertava para ter este tempo de comunhão. Para Moisés, Deus também fez este tipo de convite: “Subas pela manhã e põe-te diante de mim no cume do monte” (Êx 34.2). Qual era a importância de subir ao monte pela manhã? A única que temos enxergado em cada versículo até agora: dar ao Senhor as primícias do dia.

RAÍZES SANTAS

“E, se forem santas as primícias da massa, igualmente o será a sua totalidade; se for santa a raiz, também os ramos o serão”.  (Romanos 11.16)

Com base nesta afirmação bíblica, Andrew Murray declara em seu livro “A Vida Interior” o seguinte: “Se as primeiras horas da manhã forem consagradas ao Senhor, o restante do dia com as suas diversas tarefas também o será”. Ele chamava a prática deste princípio de “a hora matinal”. Acredito piamente neste princípio. Se santificarmos as primícias do dia, santificamos o dia todo!

Assim como nosso corpo despoja-se de seu cansaço na noite de sono, levantando-se renovado ao amanhecer, também algo precisa acontecer com nosso espírito. Não podemos ignorar o fato de que o crente precisa de renovação diária em seu relacionamento com Deus. É como no caso do maná. O que se colhe num dia, dura só para aquele dia. E a cada novo dia temos que buscar ao Senhor novamente. Quando aprendemos a prática do devocional diário, estamos dando um passo vital para andar em renovação espiritual:

“Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia”.  (2 Coríntios 4.16)

Ao usar a expressão “nosso homem interior se renova de dia em dia”, a Bíblia está nos apresentando a visão de que na vida cristã todos precisamos de RENOVAÇÃO DIÁRIA. Por outro lado, ao afirmar “mesmo que o homem exterior se corrompa”, penso que as Sagradas Escrituras estavam falando de duas coisas: da deterioração física do envelhecimento natural, e também da corrupção do pecado. Tanto em uma como em outra, a idéia é a de que dia após dia estamos nos “estragando” por fora, em nossa carne. É por isso que precisamos passar por um processo de renovação diária em nosso íntimo, no homem espiritual. E se investimos nesta prática, não seremos tão duramente afetados pela força do pecado.

Nosso espírito e nossa carne combatem entre si (Gl 5.16), e quanto mais fortalecemos a um deles, maior a probabilidade de vitória nesta luta. Portanto, precisamos alimentar diariamente nosso espírito em momentos de devoção ao Senhor. Por isso é tão importante que tenhamos um tempo diário meditando na Palavra, orando, adorando ao Senhor.

COMO FAZER O DEVOCIONAL?

 Muitos nos perguntam como podem conduzir seu tempo devocional. Isto é algo pessoal, e acima de tudo, devemos ser sensíveis ao Espírito Santo. Mas há algumas coisas que precisam estar presentes neste momento, e queremos dar algumas sugestões quanto a estas práticas indispensáveis para o momento devocional. São elas: a meditação bíblica, a oração e a adoração.

Meditação Bíblica – Nos dias do Antigo Testamento (e mesmo até séculos recentes) as pessoas não dispunham de cópias das Escrituras. Alguns – como os sacerdotes e escribas, por exemplo – tinham acesso diário às Escrituras, mas a maioria não. Eles dependiam das reuniões públicas para semanalmente ter algum contato com a Palavra. Penso que esta foi a única razão pela qual Deus não exigiu de todos a leitura diária das Escrituras, mas ainda assim, de alguns isto era exigido, como no caso dos reis:

“Também, quando se assentar no trono de seu reino, escreverá para si um traslado desta lei num livro, do que está diante dos levitas e sacerdotes. E o terá consigo e o lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer ao Senhor, seu Deus, a fim de guardar todas as palavras desta lei e estatutos, para os cumprir”.   (Deuteronômio 17.18,19)

Foi por ter este contato diário com as Escrituras, que Davi pôde escrever um Salmo tão belo como o 119. Creio que Deus espera daqueles que desejam viver próximos dEle, um tempo diário com sua Palavra, que envolve pelo menos três atividades distintas além da leitura em si: falar (confissão e testemunho aos outros); meditar (refletir, analisar cuidadosamente); praticar (viver o que está escrito, obedecer). Veja o que Deus disse a Josué:

“Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas o cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o seu caminho e serás bem-sucedido”.   (Josué 1.8)

Oração – Já vimos que Jesus nos ensinou em Seu modelo de oração a estarmos diariamente perante Deus. Esta deve ser uma prática diária, o que percebemos na frase “o pão nosso de cada dia…”; portanto, também deve estar em nosso momento devocional diário. Este tempo deve envolver os diferentes tipos de oração, como por exemplo: confissão (tanto de nossos pecados como também das promessas bíblicas que nos dizem respeito); súplica (aqui se enquadram nossas petições); intercessão (quando oramos por outros – nossos familiares, discípulos, vizinhos etc…); ações de graça; oração no Espírito (em outras línguas).

A oração do “Pai-Nosso” é um excelente modelo de oração; suas frases nos dão uma direção para as áreas importantes a serem abordadas em nossa oração diária.

Louvor e Adoração – Esta também é uma prática diária. Davi declarou:

“Todos os dias te bendirei e louvarei o seu nome para sempre”.   (Salmos 145.2)

O tempo de adoração pode envolver cânticos conhecidos e espontâneos, bem como declarações de amor e exaltação. Alguns gostam de utilizar músicas gravadas num CD nestes momentos, o que também deve ser visto como um acréscimo ao momento de adoração. Ouvir louvores não substitui o louvar; são duas coisas distintas. Mas acompanhar o louvor gravado não deixa de ser um bom recurso.

CONCLUINDO

Além de saber que devemos ter nosso período devocional diário (e matinal) com Deus, e conhecer algumas das práticas indispensáveis a este momento, penso que devemos também compreender a quietude e privacidade que devem estar presentes neste momento. Acredito que há algo poderoso na oração coletiva, e devemos aprender a orar com outros irmãos, bem como com a Igreja toda reunida. Mas a força do período devocional com Deus reside no princípio de estar a sós com Deus. Isto não só nos ajuda a cultivar a intimidade com o Senhor, como também é um mandamento de Cristo:

“Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará”.   (Mateus 6.6)

Estar à portas fechadas com Deus, é uma necessidade de cada um de nós. Ali não só pedimos, mas adoramos e nos rendemos com total liberdade de rasgar o coração. Assim como um casal tem seus momentos de privacidade longe da vista de todos, penso que devemos cultivar momentos de comunhão com o Noivo que também sejam marcados pela privacidade.

Se você não tem meios de se trancar, pelo menos procure se afastar das demais pessoas para ter este momento. Certamente esta prática diária te levará a um novo nível de relacionamento com Deus!

Pr. Luciano Subirá

Se você deseja estudar e conhecer mais a Palavra de Deus, acesse nossa página de estudos, e cresça em intimidade com o Senhor!

Menos pose mais coração

Todos nós nos ajeitamos um pouco na hora de tirar fotos. Uma pose, um sorriso e pronto: momento registrado. Seja o culto, a festa ou almoço a foto servirá para nos lembrar de tal momento. No entanto, por mais que a fotografia nos lembre do evento, nunca nos dirá como realmente foi o acontecido.  Já vi fotos de festas onde pessoas posaram com um sorriso e roupas bonitas, quando a celebração mais parecia um velório. Nesta época de redes sociais, como o facebook, vemos pessoas posarem para fotografias em lugares lindos, onde tudo parece maravilhoso. Porém, infelizmente, tudo pode não passar de mera glamourização e distorção do real.

Enquanto muitos se fotografam num palácio, o coração pode ser na verdade a imagem de um casebre. Relatam riqueza quando a realidade é miséria. Mostram sorrisos quando o interior está em lágrimas. Não se engane com multidões, beleza ou glamour, pois uma foto só mostra a aparência e não o coração. O Senhor Jesus, certa vez, ao se referir a um grupo de religiosos disse: “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim” (Mt 15.8). Diante dessa colocação podemos ver que é possível passar uma imagem a outros que não condiz exatamente com a realidade. Muitas pessoas posam não apenas nas fotos, mas na vida. Tentam esconder suas fraquezas e seus erros e não percebem que, enquanto sofrem debaixo de seus mistérios, o relógio da vida está passando há muito tempo.

Peço ao Senhor que nos livre de parecer mais do que realmente somos. Desejo que Ele possa não apenas nos fazer sorrir para um momento, mas tocar de forma eterna nossos corações. Que possamos ser radicalmente sinceros e nos entregarmos a Deus a ponto que o Senhor transforme toda mentira cativa em verdade dentro de nós. Oro a Deus para que Ele possa mudar mais corações do que rostos e assim nossas fotos serão não apenas imagens, mas retratos fiéis do que aconteceu dentro de nós. Clamo ao Senhor que haja menos pose e mais coração!

Texto adaptado de Drummond Lacerda, site ventonofogo.com

Saiba mais sobre o coração lendo o texto “Dá-me um coração igual ao Teu”

Este mês nossa igreja está aprendendo a respeito de um novo coração. Se você deseja conquistar um novo coração, venha nos fazer uma visita!

Nossa igreja fica à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

“É Jesus, é Jesus e é Jesus”

Meu nome é Robson de Almeida Lage Junior, tenho 21 anos e há 1 ano e 2 meses sou membro da CERV. Antes de conhecer a Jesus Cristo, eu era um jovem irado que facilmente se enraivecia. Xingava palavrões e utilizava palavras ásperas de forma muito natural, pois me sentia no direito de agir dessa maneira.

Meu relacionamento com meus pais era muito difícil. Não os respeitava de forma alguma e constantemente discutia com eles por motivos banais. Um dos assuntos que geravam brigas era a constante cobrança a respeito de estudos e trabalho. Não tinha interesse algum em estudar e menos ainda em trabalhar. Meu projeto era ficar em casa sem fazer nada e curtir a vida com meus “amigos”. A relação com meu irmão mais velho era péssima, não conversávamos e quando tínhamos algum diálogo logo aconteciam discussões. Os motivos? Sempre fúteis. A única pessoa com quem convivia bem era minha irmã de 7 anos. E as vezes com meus pais, principalmente quando não estavam me cobrando de alguma coisa.

Por não ter paz dentro do meu lar preferia passar horas fora de casa. Me sentia melhor na rua, na companhia dos meus “amigos”, e fazendo tudo que tinha vontade. Enquanto estávamos juntos falávamos e fazíamos muitas besteiras, tínhamos comportamentos e atitudes que nem vale a pena mencionar. Nossos lugares preferidos eram os bares ou os estádios de futebol ou ficar na rua, perto de casa. Não tinha o hábito de consumir bebida alcoólica, raramente consumia. O que valia a pena era ficar longe de casa, pois não haveria cobranças e nem brigas.

Entretanto, em meio a tanta euforia e curtição, no meu interior, dentro do meu coração, havia apenas vazio e tristeza. Quando esses sentimentos ruins aumentavam, o meu desejo era ficar isolado, não queria falar com ninguém, queria ficar sozinho. Em meio a essa situação, meus vizinhos, que são evangélicos e membros da CERV, falaram comigo a respeito de Jesus e da Palavra. Foi a primeira vez que realmente me interessei em aprender sobre o Evangelho, pois já havia ido a  cultos em outras igrejas, porém não tive vontade de permanecer nessas igrejas.  Recebi desses vizinhos o convite para participar do Culto de Ano Novo 2015-2016, na CERV.

Realmente gostei muito da CERV, pois vi nas pessoas sinceridade e nas palavras pregadas a verdade sobre o pecado. Passei a frequentar a igreja aos domingos. Ficava admirado em ver como pessoas tão diferentes podiam viver tão unidas, falando a mesma língua, sendo gentis e amorosas. Continuei a frequentar a igreja até que chegou o Acampadentro de 2016. Participei das pregações pelas manhãs e nos períodos da noite.

Quando cheguei a igreja no domingo à noite, 7 de fevereiro, estava pensativo a respeito da minha vida. Não me recordo muito da pregação do pastor Rafael, mas me lembro de ter, naquela noite, olhado bem para quem eu era, para as minhas atitudes, e compará-las com a verdade que ouvia dentro da igreja. A pregação acabou e permaneci assentado, pensando, até que uma irmã da igreja chegou até mim e perguntou se eu já havia entregado a minha vida a Jesus. Respondi que não. A partir daí ela contou um pouco seu testemunho e falou do amor de Jesus pela minha vida. Em meio à conversa comecei a chorar, pois senti algo no meu coração, hoje sei que era o Espírito Santo me tocando, e percebi que precisava tomar uma atitude e mudar de vida.

Nesse dia entreguei meu coração a Jesus Cristo e me senti uma pessoa melhor, mais leve, diferente. Muitos comportamentos mudaram, entretanto, havia pecados na minha vida que não tinha forças para abandonar. Mas à medida que buscava o Senhor e frequentava os cultos da igreja Ele foi me ajudando a vencê-los. O Espírito Santo me dava, a cada dia, convicção de que Deus tinha um plano para a minha vida e minha família. E para que esse plano se cumprisse, precisaria verdadeiramente me consagrar a Ele e ter um relacionamento íntimo com Cristo.

Passei a orar e a jejuar diariamente, a me separar do pecado e a buscar a santidade no Senhor. Além disso, iniciei aconselhamentos semanais que me ajudaram e ajudam muito a ficar mais firme e forte no Senhor. A pastora Graça, líder da CERV, também conversou muito comigo e me orientou a respeito de muitos assuntos, o que foi de bênção para mim.

Iniciei uma busca incessante pelo batismo com o Espírito Santo, orando, jejuando, estudando a Palavra e participando dos cultos. E também comecei a orar clamando pela salvação da minha família e a interceder pela igreja e meus irmãos em Cristo. Todos os eventos da igreja e cultos sempre clamava a Deus pelo Batismo com o Espírito Santo, queria muito ser batizado.

Após 1 ano, desde a minha conversão, se aproximava mais uma vez o Acampadentro. Minha expectativa era grande, queria muito participar, mas não tinha recursos financeiros. Comecei a orar e a pedir a Deus essa provisão. Dois dias antes de iniciar o Acampadentro recebi a boa notícia de que um irmão da igreja havia me abençoado. Fiquei muito feliz e grato!

Assim que recebi essa notícia a minha oração para Deus foi: “Senhor, que aconteça tudo conforme a sua vontade”. Eu sabia que Deus tinha algum propósito para minha vida neste Acampadentro, pois havia respondido minhas orações a respeito do dinheiro para participar. Permaneci em jejum durante o Acampadentro e orando para ser batizado.

Na segunda, 27 de fevereiro, no período da manhã, o Senhor realizou uma obra de libertação na vida de vários irmãos. Logo em seguida uma unção gloriosa foi derramada na igreja. Nessa hora clamei: “Me batiza, Senhor, me batiza”. E nada aconteceu. Comecei a chorar pensando que devia haver algo errado comigo. Porém, o Senhor usou a vida da pastora Deuslira para me mostrar que precisava continuar buscando e sem desanimar.

No mesmo dia à noite, na vigília, fomos orientados a orar em duplas. Estava orando com um irmão, e enquanto orávamos podia ouvir as pessoas orando em línguas, sapateando, e queria que Deus me tocasse para que acontecesse o mesmo comigo.  Minha dupla de oração estava pulando no Espírito, orando em línguas e segurando as minhas mãos e eu não sentia absolutamente nada. Permanecia orando: “Senhor me batiza, me batiza”. Nesse momento uma obreira da igreja chegou perto de mim e começou a orar batendo na minha cabeça e dizia: “Fala só glória, fala só glória”.

Teve um momento que estava ficando cansado de falar tanta glória. Então a obreira colocou a mão no meu pescoço e repreendeu o Inimigo. Quando ela colocou a mão na minha cabeça novamente veio uma vontade forte de gritar “glória”. Subiu um calor inexplicável. Senti meu rosto queimar e minhas mãos também de forma que não conseguia senti-las.  Enquanto falava “glória” ouvi a irmã dizer: “Você foi batizado, Robson, a língua é sua, a língua é sua”.  Não tinha percebido, mas já estava falando em línguas. De repente caiu um fogo tão grande que não conseguia ficar parado, apenas sapateava e rodava. Foi maravilhoso, foi muito, muito bom!

Deitei no chão, pois não conseguia ficar em pé, de tanto poder. Quando abri os olhos pensei: “Meu Deus o que será que aconteceu comigo, será que já acabou a vigília? ” Não sei dizer quanto tempo fiquei deitado. Assim que levantei me assentei, porque não conseguia ficar em pé. Depois levantei novamente e encostei na parede, e Deus derramou mais fogo sobre mim e sapateei e falei em línguas mais uma vez.

Quando parei de falar em línguas me ajoelhei e comecei a declarar: “É Jesus, é Jesus, é Jesus” e o tempo todo tinha vontade de declarar essa verdade. Não estava preocupado, muito menos com vergonha de estar ali e as pessoas me verem.  Só tinha vontade de dizer: “É Jesus, é Jesus e é Jesus” (assista ao vídeo que registrou esse momento tão especial na vida de Robson). Algumas vezes falava sorrindo, outras chorando, às vezes mais sério, às vezes mais alto, não importava, só queria declarar: “É Jesus! ” Naquele dia fui dormir quase amanhecendo o dia, pois não conseguia parar de falar em línguas e de sentir aquele poder de Deus na minha vida.

Depois dessa experiência gloriosa, me sinto uma pessoa muito mais feliz, principalmente por saber que agora estou revestido de poder do Espírito Santo, e isso é maravilhoso! Sou muito grato a Cristo por ter me salvado, libertado e batizado. Sou um novo Robson Junior, para a glória de Deus, e a cada dia, sempre melhorando na presença do Senhor!

Robson Almeida Lage Junior

Assista ao vídeo que registrou uma porção do que foi o glorioso batismo com o Espírito Santo, recebido por Robson:

Conheça o nosso ministério, faça-nos uma visita! Estamos localizados à Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica.
Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

Você é capaz de eliminar o medo e estabelecer a conquista?

Ao fim de quarenta dias, Josué, Calebe e os demais espias retornaram da terra de Canaã, apresentaram-se a Moisés, a Arão e a todo o povo de Israel, e lhes contaram o que haviam visto. Dez desses espias foram tomados pelo temor e, movidos pelo medo, se viram e foram vistos como gafanhotos (Nm 13.33). Josué e Calebe, ao contrário dos demais, foram possuídos por um espírito de conquista (Nm 14.6-10).

O medo anestesia nossa consciência, silencia nosso testemunho, enfraquece nossa fé, nos impede de conseguir, nos emperra, nos torna prisioneiros, tolhe a nossa liberdade, inibe o nosso potencial, tira o nosso sono, rouba nossa paz e nos faz perder oportunidades. De modo que deixar-se dominar pelo medo é algo extremamente desastroso, como podemos observar na Parábola dos Talentos. Eis o relato de um daqueles servos: “Por fim, veio o que tinha recebido um talento e disse: Eu sabia que o senhor é um homem severo, que colhe onde não plantou e junta onde não semeou. Por isso, tive medo, saí e escondi o seu talento no chão. Veja, aqui está o que lhe pertence” (Mt 25. 24,25).

Dez espias contaminaram uma nação pelo sentimento de medo, mas dois escolheram confiar no Senhor. Além desses, aprendemos, por meio da Bíblia, a história de outros homens que não se permitiram deter diante de situações ameaçadoras: o pequeno Davi colocou o gigante Golias por terra; Gideão com apenas 300 homens derrotou um exército de 135 mil midianitas armados; Elias derrotou sozinho 400 profetas de Baal; Daniel na cova dos leões ficou toda a noite no meio das feras e saiu ileso; Pedro, um humilde pescador, enfrentou corajosamente os membros do sinédrio dos judeus que tinham poder para entregá-lo à morte; Paulo, como prisioneiro, deu testemunho diante de reis e governadores.

Portanto, você e eu, podemos padronizar uma linguagem com a nossa atitude. Confiemos no Senhor, vejamos além do medo e conquistemos a terra que nos foi prometida!

Página 1 de 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén