O culto que Deus quer vai além dos cultos que as pessoas participam semanalmente na igreja que congregam.

Em Hebreus, capítulo 9, dos versos 1 ao 7, o autor trata sobre o culto praticado no Antigo Testamento:

“A primeira aliança tinha regras para a adoração, bem como um santuário terreno.

Esse tabernáculo era dividido em duas partes. Na primeira, ficava o candelabro e a mesa com os pães da presença. Essa parte era chamada lugar santo.

Depois, havia uma cortina e, atrás dela, a segunda parte, chamada lugar santíssimo.

Nessa parte ficava o altar de ouro para o incenso e a arca da aliança, inteiramente coberta de ouro. Dentro da arca havia um vaso de ouro contendo maná, a vara de Arão que floresceu e as tábuas de pedra da aliança.

Sobre a arca ficavam os querubins da glória divina, cuja sombra se estendia por cima do lugar de expiação. Mas agora não é o momento de explicar essas coisas em detalhes.

Quando tudo estava preparado, os sacerdotes entravam regularmente no lugar santo para cumprir seus deveres sagrados.

Mas apenas o sumo sacerdote, e só uma vez por ano, entrava no lugar santíssimo. Ele sempre apresentava o sangue do sacrifício pelos próprios pecados e pelos pecados que o povo havia cometido por ignorância”

Esse culto foi instituído por Deus no livro de Levíticos. Ele instruiiu como deveria ser o culto, os sacrifícios, as ofertas e os responsáveis por executar cada parte do culto.

E após abordar a respeito de como era o culto no passado, o autor de Hebreus escreve que tudo isso se cumpriu na pessoa de Jesus Cristo.

Isso por que a antiga forma de adoração e purificação apresentava problemas:

“A lei constitui apenas uma sombra, um vislumbre das coisas boas por vir, mas não as coisas boas em si mesmas. Os sacrifícios são repetidos todos os anos, mas nunca puderam purificar inteiramente aqueles que vêm adorar.

Se tivessem esse poder, já não precisariam existir, pois os adoradores teriam sido purificados de uma vez por todas, e a consciência de seus pecados teria desaparecido.

Em vez disso, esses sacrifícios os lembravam de seus pecados todos os anos.

Pois é impossível que o sangue de touros e bodes remova pecados” (Hb 10.1-4).

Portanto, esse culto apresentava dois problemas:

Não purificava do pecado (v. 1 e 4)

Rememorava os pecados e não acabava com a consciência de pecado (v.3)

Ouça nossas mensagens e seja edificado

E o culto que Deus quer, começa na cruz do calvário, o que a carta de Hebreus denomina como “tempo da correção”.

“Com essas regras, o Espírito Santo mostra que o caminho para o lugar santíssimo não havia sido aberto enquanto o primeiro tabernáculo continuava em uso.

Essa é uma ilustração que aponta para o tempo presente, pois as ofertas e os sacrifícios que os sacerdotes apresentam não podem criar no adorador uma consciência totalmente limpa.

Tratava-se apenas de alimentos e bebidas e várias cerimônias de purificação; eram regras externas, válidas apenas até que se estabelecesse um sistema melhor.

Cristo se tornou o Sumo Sacerdote de todos os benefícios agora presentes. Ele entrou naquele tabernáculo maior e mais perfeito no céu, que não foi feito por mãos humanas nem faz parte deste mundo criado.

Com seu próprio sangue, e não com o sangue de bodes e bezerros, entrou no lugar santíssimo de uma vez por todas e garantiu redenção eterna.

Se, portanto, o sangue de bodes e bezerros e as cinzas de uma novilha purificavam o corpo de quem estava cerimonialmente impuro,

imaginem como o sangue de Cristo purificará nossa consciência das obras mortas, para que adoremos o Deus vivo. Pois, pelo poder do Espírito eterno, Cristo ofereceu a si mesmo a Deus como sacrifício perfeito” (Hb 9.8-15).

Por meio de Jesus, o véu foi rasgado para que hoje, os filhos de Deus, possam ter um relacionamento íntimo com Ele.

Cristo deseja retirar qualquer impedimento para que cada ser humano, convertido, possa se relacionar com Deus.

Além dessa relação, Jesus deseja purificar a consciência dos filhos de Deus das obras mortas.

Sem esse relacionamento íntimo e sem a consciência limpa do pecado é impossível viver o culto que Deus quer.

O Senhor, na Nova Aliança, está instituindo um novo culto que vai além de rituais.

O desejo de Deus é que seus filhos o cultuem, a todo momento, em todo o lugar. E que tudo o que fizerem adore ao Senhor.

A partir do momento que Jesus passa a ser o único Senhor e Salvador da vida do homem, a sua vida passa a ser um eterno culto a Deus.

“Portanto, irmãos, por causa do sangue de Jesus, podemos entrar com toda confiança no lugar santíssimo,

Por sua morte, Jesus abriu um caminho novo e vivo através da cortina que leva ao lugar santíssimo.

E, uma vez que temos um Sumo Sacerdote que governa sobre a casa de Deus,

entremos com coração sincero e plena confiança, pois nossa consciência culpada foi purificada, e nosso corpo, lavado com água pura.

Apeguemo-nos firmemente, sem vacilar, à esperança que professamos, porque Deus é fiel para cumprir sua promessa” (Hb 10.19-23).

Reflita sobre o culto que agrada a Deus

O propósito de Deus é que cada filho preste a Ele um culto perfeito de louvor e adoração.

O culto que Deus quer é a experiência fundamental de uma vida genuinamente cristã.

Entretanto, muitos, durante a caminhada no Evangelho, percebem que não têm prestado um verdadeiro culto a Deus.

Acreditam que o verdadeiro culto é o que acontece nas igrejas, porém, o culto vai além, ele deve acontecer a todo momento.

Será que você consegue identificar se a sua vida tem sido, realmente, um culto a Deus?

Vejamos Hebreus, capítulo 5, versos 1 e 2:

“Todo sumo sacerdote é um homem escolhido para representar outras pessoas nas coisas referentes a Deus. Ele apresenta ofertas e sacrifícios pelos pecados

e é capaz de tratar com bondade os ignorantes e os que se desviam, pois está sujeito às mesmas fraquezas”.

E também 1 Pedro, capítulo 2, versos  9 e 10:

“Vocês, porém, são povo escolhido, reino de sacerdotes, nação santa, propriedade exclusiva de Deus. Assim, vocês podem mostrar às pessoas como é admirável aquele que os chamou das trevas para sua maravilhosa luz.

Antes vocês não tinham identidade como povo, agora são povo de Deus. Antes não haviam recebido misericórdia, agora receberam misericórdia de Deus”.

Observando os versículos acima você consegue responder se sua vida está sendo um culto a Deus.

No trecho de Hebreus é possível compreender que, no passado, os sacerdotes preocupavam-se com o povo.

E no trecho de Pedro entende-se que, hoje, o povo de Deus,  são os sacerdotes e devem se preocupar com o chamado que têm de servir a Deus e ao próximo.

Se os filhos de Deus têm vivido um culto diário, em seus corações haverá o desejo de servir a Deus e ter compaixão do próximo.

Ouça “O culto que Deus quer” e reflita se o seu culto tem agradado a Deus:

 

Comunicação CERV