Tag: andar juntos

Uma amizade perigosa

Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tg 4.4).

O mundo, kosmos, aqui, não é o mundo físico, geográfico ou habitado pelo homens, mas um sistema de valores que está em aberta oposição a Deus e à sua palavra.

Não se trata de algo material, mas espiritual. Não se refere à criação, mas à cosmovisão que conspira contra os preceitos de Deus.

É uma maneira ver a vida, a família, a sociedade, a igreja, o dinheiro, o sexo, os prazeres, as oportunidades, o tempo e a eternidade deixando de lado a realidade de Deus e de sua Palavra.

Ser amigo desse sistema é um ato de infidelidade a Deus. É como um adultério espiritual.

Deus firmou um pacto conosco, onde somos o seu povo e ele é o nosso Deus. Estamos numa relação de aliança com ele. Devemos a ele fidelidade e obediência.

Portanto, ser amigo do mundo, amar o mundo e conformar-se com o mundo, é virar as costas para Deus, repudiá-lo e ser infiel a ele.

Consequentemente, a amizade do mundo é inimiga de Deus. Não dá para ser amigo de Deus e do mundo ao mesmo tempo.

É impossível viver enamorado do mundo e ter comunhão com Deus. A amizade do mundo exclui a amizade com Deus e a amizade com Deus impede a amizade com o mundo.

Esse sistema chamado “mundo” é governado por um ser maligno. O mundo tem um príncipe que está em oposição a Deus. O príncipe deste mundo é o Diabo.

Ele é mentiroso, ladrão e assassino. Ele é enganador, tentador e destruidor. Veio para roubar, matar e destruir.

Entenda a importância das escolhas para ter uma vida feliz

Este príncipe das trevas mantém as pessoas cativas em sua casa, na sua potestade e no seu reino lúgubre e lôbrego. Ser amigo do mundo é viver debaixo desse influência maligna.

O mundo tem o seu glamour. Suas ofertas são sedutoras. Suas propostas são aparentemente vantajosas.

O Diabo é um embusteiro. Oferece o que não pode dar. Seus banquetes têm muitas taças transbordantes de prazer, mas ao fim são taças cheias de veneno.

Ao mesmo que oferecem prazer, trazem desgosto; ao mesmo tempo que fazem promessas de liberdade, escravizam. Ao mesmo tempo que anunciam vida, pagam com a morte.

Oh, Deus é a fonte da vida! Na sua presença há plenitude de alegria. Ele é a fonte de todo o bem. Só ele pode trazer alegria para a alma, descanso para a mente, alívio para o coração.

Só ele pode tirar o fardo pesado da dor, perdoar os pecados e fazer novas todas as coisas em nossa vida. A amizade de Deus é o mais sublime privilégio da vida. Ser amigo de Deus é desfrutar de alegria indizível e cheia de glória.

Desfrutar da intimidade de Deus é beber as taças da verdadeira felicidade. Obedecer a Deus é a essência do nosso verdadeiro prazer. Só quando conhecemos a amizade de Deus, temos pleno discernimento de quão enganoso é o mundo.

Só quando saboreamos a alegria da vida eterna e os privilégios que ela traz temos uma noção cristalina de quão perverso é o mundo, quão iníquos são seus valores e quão terrível é o Diabo.

É tempo de rompermos com a amizade do mundo. É tempo de olharmos para a vida na perspectiva de Deus e quebrarmos todos os vínculos que ainda tentam nos prender ao mundo.

Saiba mais sobre as amizade offline e online

O caminho do mundo é largo, mas leva à perdição. A porta do mundo é espaçosa, mas conduz à morte. O mundo é uma mentira. Suas vantagens são pura perda. Seus prazeres são notórios pesados. Seu caminho leva ao inferno. Sua amizade é inimiga de Deus.

Porém, a amizade de Deus é o caminho mais seguro para a nossa plena felicidade aqui e por toda a eternidade, uma vez que a própria essência da vida eterna é conhecer a Deus e deleitarmo-nos nele para sempre e sempre.

 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda sobre o tema ‘Uma amizade perigosa’, participe dos cultos da Mocidade Restaurando Vidas, aos sábados, às 19 horas.
Mais informações ligue: (31) 98425-5591 (Raquel Almeida)

Seguindo Jesus Cristo juntos

Seguindo Jesus Cristo juntos convida  você a refletir sobre a importância da família seguir ao Senhor em comunhão.

Entretanto, o que pode se observar no meio cristão é a falta de unidade entre os membros da família.

Em João, capítulo 14, verso 6, Jesus afirma:

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém pode vir ao Pai senão por mim”

Jesus é o caminho no qual a família deve andar unida.

Se cada pessoa decidir andar em seus próprios caminhos e vontades, trará consequências ruins para o seio familiar.

A seguir, vejamos algumas atitudes de coração que devem fazer parte da família:

1) Fidelidade (Rt 1.16-18)

Rute, nora de Noemi, demonstrou fidelidade a sogra. Foi com ela morar em outro lugar e servir um Deus que ainda não conhecia.

Infelizmente, nas relações familiares (esposo e esposa, irmãos, pais e filhos) não há fidelidade.

Não há fidelidade a Deus e muitos menos as relações estabelecidas.

E essa fidelidade deve começar com o casal e depois com os filhos.

Saiba qual deve ser a base do seu casamento

2) Andar ombro a ombro (Êx 32.26-28)

Nesse texto apenas os levitas ficaram ao lado de Moisés e fizeram o que o Senhor ordenou.

Deus ofereceu oportunidade ao povo de obedecê-lo, mas apenas os levitas fizeram essa escolha.

Na família todos devem seguir na mesma direção, ter o mesmo pensamento e falar a mesma língua.

Porém, como muitos dos israelitas, na família há também aqueles membros que não querem seguir o caminho correto, mas fazem o que desejam.

E a partir dessa escolha dá-se inicio aos desentendimentos e as diferenças.

A família não é abençoada porque os membros não fazem o que é correto, andam segundo os propósitos da própria carne.

3) Andar na certeza da vitória da família (Jz 7.17 e 18)

Nessa referência bíblia é possível notar a certeza que o povo tinha na vitória, por isso seguiam a Gideão.

A vitória chega a família por meio da unidade entre os membros e a confiança de todos na vitória que Jesus concede aos obedientes.

A família só não é vitoriosa porque não permanece seguindo Jesus Cristo juntos.

4) A família precisa tomar decisões juntos (2 Sm 15.19-22)

Davi fugiu do filho para não ser morto.

E encontrou com um jovem e sua família que escolheram, juntos servir ao rei na batalha.

A decisão foi tomada por toda a família do moço. Eles fizeram uma escolha correta.

Raramente a família se reúne para resolver questões de relacionamento e até mesmo questões financeiras.

Cada um faz as suas escolhas sem consultar os outros.

A família precisa dialogar, entretanto, cada um vive no seu universo: seja no celular, na tv, dormindo ou na companhia de ímpios.

Por isso, há tantos problemas dentro do lar.

5) A família precisa perseverar (2 Rs 2. 1-6)

Eliseu perseverou em seguir Elias.

Infelizmente, nas famílias os homens não têm exercito o papel de sacerdote.

Não oram pelas esposas e muito menos pelos seus filhos. Delegam suas responsabilidades para as esposas.

Porém, o sacerdote e o cabeça do lar não é a mulher, mas o homem.

Mas, não é isso que tem se testemunhado nas famílias evangélicas.

Leia como o marido deve amar sua mulher

6) Confiança (At 12.8 e 9)

Pedro estava preso e a igreja orando pela sua libertação. Deus enviou um anjo em seu auxílio.

E Pedro seguiu exatamente cada instrução dada pelo anjo e conquistou a liberdade.

A falta de confiança tem acometido muitos casamentos.

E onde não há confiança, há desconfiança e isso tem destruído muitos matrimônios.

Com isso, surge a confusão, a degradação e a destruição dos relacionamentos no lar.

Se todos os membros da família dedicar-se em observar cada um dos pontos acima apresentados, com perseverança, verá a mudança que deseja ver no seu lar.

Portanto, examine seu coração e avalie se você tem sido o esposo ou a esposa ou o filho ou o pai ou a mãe que tem sido diligente na prática da Palavra de Deus.

Ouça a mensagem ‘Seguindo Jesus Cristo juntos’ e seja edificado pela Palavra de Deus:
Parte 1:
Parte 2:
Aprenda mais sobre o tema ‘Seguindo Jesus Cristo juntos’, participe do Culto da Família no dia 29 de abril, às 19 horas, na CERV.

Comunicação CERV

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén