Categoria: Artigos (Page 1 of 5)

Como evangelizar uma pessoa?

Como evangelizar uma pessoa? Qual seria a melhor maneira de compartilhar sobre Cristo e seu Evangelho?

Muitos evangélicos levantam esses questionamentos quando são convidados a participar de evangelismo ou ações evangelísticas da igreja.

 

Por isso, para sanar suas dúvidas a respeito de como evangelizar uma pessoa, buscamos na Palavra de Deus a resposta.

 

 

Contudo, é importante entender algo fundamental:

valor desta missão

 

Jesus disse: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.” (Mc 16.15,16).

Afinal, para quem Jesus disse isso? Para os discípulos de ontem, para os discípulos de hoje (você) e para os discípulos de amanhã.

A ordem de IR é para todas as pessoas que foram salvas por meio de Jesus e fazem parte do Seu Corpo, a igreja.

Portanto, evangelizar é uma missão deixada por Cristo a todos os filhos de Deus e não fazê-la é negligenciar, desobedecer a uma ordem divina.

E para quem devo pregar? Para todas as pessoas, não importa classe, raça, credo ou língua. Todos devem conhecer o Evangelho do Senhor.

Agora que você já compreende o valor desta missão, vamos a pergunta que originou este texto:

Como evangelizar uma pessoa?

Enumeramos quatro pontos, baseados na bíblia, para o leitor compreender como evangelizar uma pessoa:

1) Apresentando a ela a pessoa do Senhor Jesus
As pessoas precisam entender quem é Jesus, de onde veio e qual o propósito da sua vinda.
A Bíblia afirma que:
Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho Unigênito para que todo aquele que Nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.
Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele” (Jo 3.16 e 17).
Deus demonstrou seu amor ao ser humano, criado por Ele, ao enviar Jesus para morrer na cruz.
Jesus obedeceu ao chamado Deus, deixando sua glória como Deus e se tornando homem para salvar os homens.
Mas salvar os homens de quê? Aqui entra o segundo passo:
2) Mostrando que todos estão no pecado e precisam de Jesus

“Pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus.” (Romanos 3.23).

Todos os seres humanos escolheram pecar, todos têm sua responsabilidade pessoal e individual em relação ao pecado.

O pecado é a transgressão da Lei de Deus é viver segundo a sua própria vontade ignorando o Senhor e os seus mandamentos.

Pecado é tudo que não agrada a Deus, pode-se enumerar alguns, lembrando que não existe pecado maior ou menor, tudo é pecado aos olhos do Senhor.

Pecado é mentir, adulterar, pensar o que é mau, desejo de vingança, ódio, raiva, mágoa, vícios, dentre outros.

E são esses pecados que separam o ser humano de Deus, que o impedem de ter plena comunhão com o criador.

Entenda sobre o tempo de evangelizar

Mas como sair da condição de pecador para não pecador? A resposta vem no tópico a seguir:

3) Sendo aceito por Cristo por meio do seu sacrifício salvífico

“Sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus” (Romanos 3.24).

O ser humano recebe perdão em Cristo ao crer que seu sacrifício na cruz foi realizado em seu favor, para livrá-lo do pecado e da condenação a morte.

Esse sacrifício, é gratuito, ninguém precisa pagar, pois Jesus já pagou tudo em sua morte.

A salvação é graça, favor de Deus a todos, ainda que ninguém mereça!

Esse é o verdadeiro amor de Deus!

Mas como ter acesso a essa graça? Como ser aceito por Cristo?

4) Arrependendo-se e confessando JESUS COMO SENHOR
“Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo.
Pois com o coração se crê para justiça, e com a boca se confessa para salvação.
Como diz a Escritura: “Todo o que nele confia jamais será envergonhado.” (Rm 10.9-11).
A Bíblia também afirma que sem arrependimento não há perdão de pecados.
Por isso, a pessoa  deve reconhecer seus pecados e pedir que Jesus a perdoe e limpe seu coração de todo o mal.
Além disso é importante declarar com palavras e fé que Jesus é o Filho de Deus.
Que Jesus é o Filho de Deus que tira, perdoa os pecados e concede nova vida!
E, por meio de Jesus, a pessoa deixa de ser criatura e passa a ser filha de Deus, reconciliada com o Pai por meio do Filho.

É importante lembrar que evangelizar não é obra humana

 

O filhos de Deus são usados por Ele como o meio de alcançar vidas, mas a glória não é do homem e o poder não é do homem, mas sempre do Senhor!
Por isso é importante lembrar o que Jesus disse aos seus discípulos em Atos:
“Não saiam de Jerusalém, mas esperem pela promessa de meu Pai, da qual lhes falei.
Pois João batizou com água, mas dentro de poucos dias vocês serão batizados com o Espírito Santo” (At 1.4,5).
É importante ser cheio do Espírito Santo, pois foi após os discípulos serem revestidos de poder é que puderam ser testemunhas e pregar o Evangelho.
E é o Espírito Santo que convence o homem!
“Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (Jo 16.8).
Além disso, a oração não pode faltar!
Ore, ore e ore.
Antes, durante e depois do evangelismo, pois a oração alcança lugares que nossas palavras não alcançam.
Portanto, você que chegou até aqui querendo saber como evangelizar uma pessoa, leia e releia os tópicos aqui abordados.
Medite nos versículos e principalmente tenha uma vida cheia do Espírito Santo, uma vida de oração.
 SAIBA mais sobre Como evangelizar uma pessoa. Fale conosco:

contato@restaurandovidascerv.com.br ou (31) 345-5956/ 35041341/99309-6957

Comunicação CERV

Mães sábias

Possivelmente, na 1ª viagem missionária de Paulo, durante sua estadia na cidade de Listra, a família de Lóide tenha se convertido.

Já em sua segunda viagem missionária, quando o apóstolo regressa àquela cidade, leva consigo o jovem Timóteo. Paulo investiu em Timóteo, preparando-o para ser líder e continuar sua missão naquela geração.

E em sua última carta, encorajou o jovem a perseverar e prosseguir na jornada até o fim.

Paulo escreveu dizendo que orava por Timóteo dia e noite, trazendo à memória sua fé não fingida, que habitara primeiro em sua avó Lóide e em sua mãe Eunice (2Tm 1.3-5).

Entenda o valor incomparável de uma mãe

Eunice era uma jovem judia, que se casara com um grego. A Bíblia não nos fala a respeito de seu esposo. Não sabemos como era o seu relacionamento com ele, mas podemos perceber a sua influencia dentro do lar ao observarmos que Timóteo não era circuncidado.

Eunice e Lóide tornam-se símbolos cristãos na educação dos filhos.

Contudo, sobre a vida desse jovem, prevaleceram as orações e a firmeza da fé de Eunice. Conforme podemos inferir pelos escritos de Paulo (2Tm 3.14,15).

Certamente, a fé de Eunice e sua mãe marcou o apóstolo. Afinal, dentre tantas judias que ele conhecera, foi a elas que destinou seus elogios. Eunice e Lóide tornam-se símbolos cristãos na educação dos filhos.

Timóteo crescera “respirando Bíblia”. Sua mãe e avó presentearam-lhe com a semente da Palavra de Deus, que brotou em sua vida e fez dele um continuador da obra de Paulo.

Na família, em geral, é a mulher que passa mais tempo em casa, o que lhe propicia o maravilhoso privilégio de ministrar e ensinar a Palavra de Deus aos filhos.

A mãe de Wesley, por exemplo, teve dezenove filhos e os levou a decorar textos bíblicos e as letras dos hinos que cantavam na igreja, desde pequeninos.

Aprenda mais sobre a importância da maternidade

Dois de seus filhos tornaram-se grandemente usados pelo Senhor como avivalistas. Estes foram John Wesley, que evangelizou milhares, pregando a Palavra com poder e Charles Wesley, que compôs inúmeros hinos avivados.

Isso somente é possível quando mães se colocam verdadeiramente na posição de mulheres sábias e prudentes. Você tem tirado tempo para meditar na Palavra de Deus e para ensiná-la aos seus filhos?

 

Texto adaptado da Pra. Ângela Valadão, portal lagoinha.com

Aprenda mais sobre ‘Mães sábias’ participe hoje do culto, às 19 horas, na CERV (R. Érico Veríssimo, 1167- Santa Mônica – BH/MG).

Uma amizade perigosa

Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tg 4.4).

O mundo, kosmos, aqui, não é o mundo físico, geográfico ou habitado pelo homens, mas um sistema de valores que está em aberta oposição a Deus e à sua palavra.

Não se trata de algo material, mas espiritual. Não se refere à criação, mas à cosmovisão que conspira contra os preceitos de Deus.

É uma maneira ver a vida, a família, a sociedade, a igreja, o dinheiro, o sexo, os prazeres, as oportunidades, o tempo e a eternidade deixando de lado a realidade de Deus e de sua Palavra.

Ser amigo desse sistema é um ato de infidelidade a Deus. É como um adultério espiritual.

Deus firmou um pacto conosco, onde somos o seu povo e ele é o nosso Deus. Estamos numa relação de aliança com ele. Devemos a ele fidelidade e obediência.

Portanto, ser amigo do mundo, amar o mundo e conformar-se com o mundo, é virar as costas para Deus, repudiá-lo e ser infiel a ele.

Consequentemente, a amizade do mundo é inimiga de Deus. Não dá para ser amigo de Deus e do mundo ao mesmo tempo.

É impossível viver enamorado do mundo e ter comunhão com Deus. A amizade do mundo exclui a amizade com Deus e a amizade com Deus impede a amizade com o mundo.

Esse sistema chamado “mundo” é governado por um ser maligno. O mundo tem um príncipe que está em oposição a Deus. O príncipe deste mundo é o Diabo.

Ele é mentiroso, ladrão e assassino. Ele é enganador, tentador e destruidor. Veio para roubar, matar e destruir.

Entenda a importância das escolhas para ter uma vida feliz

Este príncipe das trevas mantém as pessoas cativas em sua casa, na sua potestade e no seu reino lúgubre e lôbrego. Ser amigo do mundo é viver debaixo desse influência maligna.

O mundo tem o seu glamour. Suas ofertas são sedutoras. Suas propostas são aparentemente vantajosas.

O Diabo é um embusteiro. Oferece o que não pode dar. Seus banquetes têm muitas taças transbordantes de prazer, mas ao fim são taças cheias de veneno.

Ao mesmo que oferecem prazer, trazem desgosto; ao mesmo tempo que fazem promessas de liberdade, escravizam. Ao mesmo tempo que anunciam vida, pagam com a morte.

Oh, Deus é a fonte da vida! Na sua presença há plenitude de alegria. Ele é a fonte de todo o bem. Só ele pode trazer alegria para a alma, descanso para a mente, alívio para o coração.

Só ele pode tirar o fardo pesado da dor, perdoar os pecados e fazer novas todas as coisas em nossa vida. A amizade de Deus é o mais sublime privilégio da vida. Ser amigo de Deus é desfrutar de alegria indizível e cheia de glória.

Desfrutar da intimidade de Deus é beber as taças da verdadeira felicidade. Obedecer a Deus é a essência do nosso verdadeiro prazer. Só quando conhecemos a amizade de Deus, temos pleno discernimento de quão enganoso é o mundo.

Só quando saboreamos a alegria da vida eterna e os privilégios que ela traz temos uma noção cristalina de quão perverso é o mundo, quão iníquos são seus valores e quão terrível é o Diabo.

É tempo de rompermos com a amizade do mundo. É tempo de olharmos para a vida na perspectiva de Deus e quebrarmos todos os vínculos que ainda tentam nos prender ao mundo.

Saiba mais sobre as amizade offline e online

O caminho do mundo é largo, mas leva à perdição. A porta do mundo é espaçosa, mas conduz à morte. O mundo é uma mentira. Suas vantagens são pura perda. Seus prazeres são notórios pesados. Seu caminho leva ao inferno. Sua amizade é inimiga de Deus.

Porém, a amizade de Deus é o caminho mais seguro para a nossa plena felicidade aqui e por toda a eternidade, uma vez que a própria essência da vida eterna é conhecer a Deus e deleitarmo-nos nele para sempre e sempre.

 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda sobre o tema ‘Uma amizade perigosa’, participe dos cultos da Mocidade Restaurando Vidas, aos sábados, às 19 horas.
Mais informações ligue: (31) 98425-5591 (Raquel Almeida)

Sexta: é o fim

Sexta: é o fim

A esperança de libertação do jugo romano se dissipava na cruz do Calvário

A promessa de uma nova vida de paz estava chegando ao fim

O inicio de um novo reinado, com um rei judeu, estava frustrado

A fome não seria mais saciada

Pessoas não seriam mais libertas

A salvação estava se acabando ali, naquele madeiro

Os sonhos de um novo tempo escorriam pela cruz, junto com o sangue de Jesus Cristo de Nazaré

Saiba mais sobre o dia da crucificação de Cristo

Os céus tornaram-se trevas

Lágrimas escorriam pelos olhos de Maria

Desesperança enchia o coração dos discípulos

Eles não entenderam, ainda havia uma cortina sobre seus olhos e seus corações

Pedro disse: Vou pescar! Outros o seguiram

Alguns dispersos outros escondidos em casa

O sonho acabou …

sexta: é o fim …

Porém, é certo que o domingo chegará!

As palavras ditas sobre Jesus Cristo se cumprirão!

As palavras que Jesus disse sobre si mesmo acontecerão!

O fim, não é o fim, é o começo do novo tempo que Ele prometeu

Esse novo tempo chegaria para os discípulos daquela época

Esse novo tempo chega hoje, para os discípulos da atualidade

A cruz é fim, mas da dor, da enfermidade, das transgressões, dos pecados

Na cruz se morre para renascer, nascer para uma nova vida em Cristo

Sexta: é o fim

Medite na importância da crucificação para a sua vida

O fim da velha natureza pecaminosa, o fim do ego, o fim da doença, o fim da perdição, o fim do pecado

Na cruz que Jesus morreu é onde o seu eu deve morrer

 

Na cruz foi o “fim” de Jesus e também deve ser seu fim

A cruz é fim, o meio pelo qual o ser humano recebe o perdão dos pecados e a salvação

Hoje, olhe para cruz

Ela está vazia

Jesus não está lá

Ele ressuscitou!

Ele vive para o Pai para todo o sempre

Olhe para você

Seu eu está na cruz?

Você vive uma nova vida?

Vive para o Pai para todo o sempre?

Jesus, na cruz, orou ao Pai dizendo:

“Pai, perdoa essa gente, eles não sabem o que fazem”

Jesus não está mais na cruz, mas ao lado direito do Pai

E ainda intercede pelos seus irmãos

Sexta: é o fim

Então ore, peça a intercessão de Jesus junto ao Pai

Ore pelo fim do seu EU, para que você realmente viva para Deus e assim como Jesus, a partir da sua morte, possa nascer para uma nova vida!

Sexta: é o fim

Será também o seu fim e o inicio de uma nova vida?

A escolha é sua!

Kátia Brito

Saiba mais sobre o assunto do texto “Sexta: é o fim”, participe do Culto da Ressurreição, dia 1º de abril, às 6 da manhã, na CERV!

De volta ao Evangelho

O evangelho é a melhor notícia que já ecoou nos ouvidos da história. É a boa nova da salvação vinda de Deus a pecadores perdidos. É o transbordamento do amor divino aos filhos da ira. É a graça sem par a pessoas indignas. É a misericórdia estendida a indivíduos arruinados. O evangelho é o novo e vivo caminho que Deus abriu desde o céu para o céu. Esse não é o caminho das obras, mas da graça. Não é o caminho do mérito, mas da oferta gratuita. Não é o caminho da religião, mas da cruz. A salvação é uma obra monergística de Deus, trazendo libertação aos cativos, redenção aos escravos e vida aos mortos.

Com respeito ao evangelho, precisamos estar alertas sobre alguns perigos. Tanto no passado como no presente, ataques frontais foram e ainda são feitos para esvaziar o evangelho, distorcer o evangelho e substituir o evangelho por outro evangelho, que em essência, não tem nada de evangelho. Quais são esses perigos?

Saiba mais sobre evangelização e missões

Em primeiro lugar, o perigo de substituir o evangelho da graça pelo evangelho das obras. O mundo odeia o evangelho, porque este é um golpe fatal em seu orgulho. O evangelho anula completamente qualquer possibilidade do homem vangloriar-se. Reduz o homem à sua condição de completo desamparo. Mostra sua ruína absoluta, sua depravação total, sua escravidão ao diabo, ao mundo e à carne, sua corrupção moral e sua morte espiritual. A tentativa do homem chegar-se a Deus pelo caminho das obras é tão impossível como tentar construir uma torre até aos céus.

O apóstolo Paulo diz aos judaizantes que estavam perturbando a igreja e pervertendo o evangelho, induzindo as pessoas a praticarem as obras da lei para serem salvas, que isso é um outro evangelho, um evangelho falso, que desemboca na ruína e na perdição.

Em segundo lugar, o perigo de substituir o evangelho da cruz pelo evangelho da prosperidade. Prolifera em nossos dias os pregadores da conveniência, os embaixadores do lucro em nome da fé. Multiplicam-se neste canteiro fértil da ganância, homens inescrupulosos que mercadejam a palavra de Deus, fazendo da igreja uma empresa, do púlpito um balcão, do evangelho um produto híbrido, do templo uma praça de negócios e dos crentes consumidores.

O vetor desses obreiros da iniquidade é o lucro. Pregam para agradar. Pregam para atrair as multidões com uma oferta de riqueza na terra e não de um tesouro no céu. Torcem as Escrituras, manipulam os ouvintes, enganam os incautos, para se locupletarem. Sonegam ao povo a mensagem da cruz, a oferta da graça, a mensagem da reconciliação por meio do sangue de Cristo. Embora esses pregadores consigam popularidade estão desprovidos da verdade. Embora reúnam multidões para ouvi-los, não oferecem aos famintos o Pão do céu. Embora, se vangloriem de suas robustas riquezas acumuladas na terra, são miseravelmente pobres na avaliação do céu.

Em terceiro lugar, o perigo de se pregar o evangelho sem o poder do Espírito Santo. Se a pregação do falso evangelho das obras e da prosperidade é um negação do genuíno evangelho, a pregação do verdadeiro evangelho sem o poder do Espírito é uma conspiração contra o evangelho. O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê. Nele se manifesta a justiça de Deus. Não podemos pregá-lo sem a virtude do Espírito Santo.

O pregador precisa ser um vaso limpo antes de ser um canal de bênção. Precisa viver com Deus antes de falar em nome de Deus. O pregador precisa ser cheio do Espírito antes de ser usado pelo Espírito. Se a pregação do evangelho é lógica em fogo, a mensagem do evangelho precisa queimar no coração do pregador antes de inflamar os ouvintes. Precisamos urgentemente de um reavivamento nos púlpitos. Precisamos voltar ao evangelho!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Aprenda mais sobre o tema “De volta ao Evangelho”, participe do Culto de Missões realizado todo primeiro domingo do mês, às 19h30, na CERV (Rua Érico Veríssimo, 1167 – Santa Mônica).
Mais informações: (31) 3451-5956 ou contato@restaurandovidascerv.com.br

Aprendi

Aprendi… e, ao olhar para o ano que se passou, agradeço. Pois vivi experiências que me marcaram e agregaram valores inesquecíveis…

Aprendi que esperar é difícil quando se quer ter o controle de tudo. Mas quando se entrega tudo nas mãos de Deus fica bem mais fácil.

Aprendi que orar é mais do que remédio de última hora, mas de todas as horas.

Aprendi que na Palavra de Deus encontro mais respostas do que minha mente humana consegue formular.

Aprendi que ninguém precisa conhecer e se relacionar com Cristo pela dor. Mas que, ainda assim, é nesse momento que muitos O têm conhecido.

Aprendi que as pessoas gostam de julgar pela aparência. Mas, quando se tem a convicção de quem se é em Cristo, isso não faz diferença.

Aprendi que diploma e carreira são importantes.

Porém, há situações em que eles não farão diferença, mas sim o Cristo que carrego no coração.

Saiba como ser perseverante em 2018

Aprendi que as pessoas sempre questionam as boas ações.

Isso acontece por causa do curso deste mundo. Então, elas estão ficando desacostumadas a ouvir:

“Bom dia!”, “Obrigada” ou “Deixe-me te ajudar!”.

Aprendi que há pessoas que se importam com as suas lutas e dificuldades.

E elas têm sempre a mão estendida, o afago do abraço e palavras de sabedoria.

Aprendi que muitas vezes não serão as suas palavras a consolar alguém, mas a sua presença.

Aprendi que quando faltar palavras, segurar a mão de alguém significa: “Ei, eu estou aqui, conte comigo!”.

Aprendi que todo dia tem muita gente morrendo.

E, ao mesmo tempo, tem muita gente nascendo. E isso torna a criação de Deus ainda mais bela e misteriosa.

Aprendi que quando se esgotam as ações humanas, é aí que Deus entra na história e faz o impossível acontecer.

Aprendi que é preciso acreditar até o fim, mesmo que o fim não aconteça conforme as minhas orações.

Faça metas para 2018

Aprendi que quando se está longe de casa o que mais desejamos é estar lá. Não pela estrutura física, mas pelo aconchego e amor das pessoas que nela moram.

Aprendi que não vale a pena perder tempo com raiva, mágoa e com o passado.

A vida passa tão rápido e o tempo que se perde com esses sentimentos poderia ser investido em perdão, amor e em viver um hoje diferente.

Aprendi que uma lágrima no fim da vida não é só tristeza pela partida, mas a certeza de missão cumprida e carreira percorrida.

Aprendi que nenhum dinheiro nesta terra se compara a alegria de estar no lugar certo e fazendo exatamente o que Deus queria.

Aprendi que amar vai além de dizer: “Eu te amo!”.

Amar é verbo de ação, é presença, é negar a si mesmo.

É muitas vezes ir além dos limites físicos e ainda assim ficar contente porque o outro está bem e feliz.

Aprendi que juntando todos os “aprendis” escritos aqui, mais outros que não couberam, poderia resumir na seguinte sabedoria:

Só vale a pena viver e aprender porque Jesus vive em mim!

Saiba mais sobre os assuntos tratados no texto “Aprendi”, participe dos nossos cultos!
Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Kátia Brito

Perseverança para 2018

Perseverança para 2018 nos propõe uma reflexão bíblica de como podemos permanecer crendo no Senhor e nas suas promessas para o novo ano!

Talvez você esteja frustrado por achar que Deus está demorando em responder à sua oração, mas saiba que Ele está interessado no desenvolvimento da fé e da perseverança de seu caráter.

Veja a passagem de Romanos 15.4:

Pois tudo o que foi escrito no passado foi escrito para nos ensinar, de forma que, por meio da perseverança e do bom ânimo procedentes das Escrituras, mantenhamos a nossa esperança

Nossa esperança em Jesus não pode estar limitada ao aqui e agora, pois, se o nosso foco de esperança se limita apenas ao que vemos aqui, ou naquilo que podemos colocar em nosso bolso, como diz a Palavra, somos os mais infelizes de todos os homens.

Este ano foi um ano difícil para o Brasil, um tempo de crise, desemprego, as notícias não são boas; por isso precisamos focar na esperança de que tudo será diferente e melhor no novo ano.

Saiba como buscar um ano realmente novo

A Bíblia é o livro da esperança, é a fonte da esperança. Já o nosso maior inimigo é a ignorância, tanto que a Escritura registra:

O meu povo está sendo destruído porque lhe falta o conhecimento (Oseias 4.6).

E a falta desse conhecimento pode ser também o da esperança. A Bíblia é a Palavra do Senhor, e a Palavra do Senhor se resume em esperança.

Entenda o valor inestimável das Sagradas Escrituras

Fé e esperança têm que ter o mesmo peso, porque é a esperança que alimenta a fé.

Do momento da promessa ao tempo do cumprimento da promessa precisamos ter perseverança e encher o coração de esperança.

A perseverança está diretamente ligada à força que somos capazes de alcançar quando temos raízes consolidadas na Palavra.

Quando somos cristãos que realmente disseminam as boas novas do Evangelho, com testemunho singelo, regado de amor, não abalados facilmente, mas produzindo frutos para a eternidade.

Dessa forma alcançaremos, juntos, de joelhos no chão, um 2018 cheio de esperança e fé.

“Sede fortes, e revigore-se o vosso coração, vós todos que esperais no Senhor” (Salmo 31.24).

Pr. Márcio Valadão

Saiba mais sobre ‘Perseverança para 2018’ participe do nosso primeiro culto de 2018. A celebração acontecerá na terça, às 19:30, na CERV (fica à Rua Érico Veríssimo, 1167- Santa Mônica). Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

O sentido do Natal

O sentido do Natal se encontra no nascimento de Cristo no seu coração

Todos sabem que, no natal, comemora-se o nascimento de Jesus Cristo. Mas, quem é Jesus e para que ele nasceu?

Para responder esta pergunta vejamos o que o apóstolo Paulo escreveu para seu filho na fé, Timóteo:

Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal (1Timóteo 1.15)

Que Jesus veio ao mundo, ninguém duvida. A própria historia geral cita esse fato. Alias, todos os outros fatos históricos ficaram divididos entre antes e depois de Cristo.

Ele se tornou um ponto de referência universal. Quanto a veracidade de sua existência, existe comum acordo. Mas, quanto ao propósito da sua vinda, começam as polêmicas, que se originam em meras opiniões humanas.

O que o texto bíblico diz é que Jesus veio para salvar os pecadores. Ele não veio fundar uma nova religião, nem criar uma nova linha de pensamento filosófico. Ele veio salvar os pecadores.

Saiba um pouco mais sobre o Natal

O que é salvação? Libertação e livramento. Libertação no sentido presente: Quando alguém se entrega a Cristo, ele o liberta dos vícios, das angustias existenciais, da infelicidade, e das opressões espirituais.

A salvação é também livramento no sentido futuro. Os que aceitam a Cristo ficam livres da condenação eterna que sobre eles recairia no juízo final.

O apóstolo Paulo termina o versículo com as seguintes palavras :

dos quais eu sou o principal

Ele disse que a salvação era para os pecadores e que ele se considerava o principal deles. Isto é reconhecimento do estado pecaminoso.

A parte de Deus na obra da salvação foi enviar Jesus para morrer em nosso lugar, recebendo sobre si o castigo que seria nosso. A nossa parte é reconhecer que somos pecadores e que precisamos do perdão que Cristo oferece.

Jesus é o medico espiritual que atende com amor a todos os que reconhecem a doença do pecado. Ele ama a todos e diz: “Vinde a mim todos vos que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei.” (Mateus 11.28)

Reconheçamos pois nossa situação e oremos :

Senhor Jesus, sou pecador. Estou perdido e condenado. Preciso de ti. Eu creio que tu morreste em meu lugar. Tu assumiste a minha culpa e o castigo que seria meu. Agora, eu te aceito como meu Senhor e suficiente Salvador. Entrego a ti a minha vida e tudo que sou. Perdoa todos os meus pecados e ajuda-me a evita-los. Transforma-me para que eu possa viver para a tua honra e morar contigo na eternidade, Amém!

Entenda o significado do Natal

Você pode falar com Cristo agora mesmo onde você estiver. Se você o fizer com fé e com um sincero desejo de ter uma experiência real com ele, sua vida será transformada.

Só assim você poderá ter um FELIZ NATAL, pois, dessa forma, o nascimento de Jesus fará diferença para a sua vida, como fez para mim e para milhares de pessoas em todo o mundo.

Pr. Anísio Renato de Andrade

Aprenda sobre “O sentido do Natal” participe dos nossos cultos. Para saber sobre e dias e horários de celebração ligue: (31) 3451-5956 ou envie e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

Crianças não são mini adultos

Crianças não são mini adultos, porém por muitos anos na história, juntamente a mulheres e idosos, elas foram tratadas à margem da civilização.

Esses grupos não possuíam:  título de cidadãos, direitos e não participavam das decisões da polis (cidade).

Até a metade do século XVIII, as crianças eram tratadas como mini adultos.

Elas eram vistas desta forma por que a única diferença consistia nos aspectos físicos relacionados ao seu crescimento e desenvolvimento.

Saiba como proteger seu filho das investidas do Inimigo

Inclusive, o próprio termo “infância” somente foi inventado anos mais tarde, a partir da percepção de que a criança possui necessidades diferentes dos adultos, e que são seres que precisam de mais atenção e cuidados especiais, além de melhores condições de vida para o seu desenvolvimento saudável.

Atualmente, apesar das diversas normativas de proteção à infância e a adolescência, temos visto muitos ataques a esse público.

Músicas explicitamente pornográficas, desenhos, filmes, jogos e séries com conteúdos impróprios. Além disso, exposições culturais que induzem a criança ao toque à nudez.

Esses são alguns dos meios que têm sido usados para influenciar nossas crianças e adolescentes, expondo-os a universos destrutivos para suas formações psíquicas.

Diante desse cenário caótico, cabe a todos nós o compromisso da proteção da infância e do cuidado com o outro.

Se você é pai, atente-se ao que o seu filho tem visto na TV, às músicas que ele ouve e aos lugares que frequenta.

Leia as mensagens do WhatsApp, assista com seu filho a série que ele mais gosta e tenha um olhar crítico sobre a mensagem que ela passa.

Traga seu filho a nossa igreja no mês de outubro

Estimule as crianças com brincadeiras e jogos saudáveis, e preencha o seu tempo com leitura da Bíblia e músicas cristãs. Esteja atento aos ataques malignos: eles são sutis!

Texto adaptado de Aléxia Duarte, portal lagoinha.com

Aprenda mais sobre “Crianças são mini adultos”, participe da Escola Bíblica Dominical realizada aos domingos, ás 9 horas, na CERV.
Mais informações ligue (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

A morte do EU

A morte do EU é explicada por Jesus através da parábola que encontra-se em Marcos 4. 26-29.

Nesta ilustração o Reino dos Céus é comparado a uma semente que é lançada na terra e por si só cresce, desenvolve e gera frutos.

É como se você plantasse um grão na terra e sem fazer esforço ele germinasse e produzisse frutos de forma sobrenatural.

Para compreendermos melhor esta parábola, recordo-me de um fato ocorrido há cerca de 5 anos.

Pesquisadores encontraram um sarcófago antigo e junto a múmia havia alguns grãos. Após estudos constataram  que a múmia tinha mais de 3000 anos.

Então, os cientistas resolveram plantar os grãos encontrados e para surpresa de todos, apesar do tempo de existência, os grão germinaram.

E não apenas germinaram como multiplicaram em grande quantidade.

Por meio desta experiência científica e por meio das palavras de Jesus podemos compreender algo importante para nossa caminhada cristã:

Alguém só pode gerar frutos se primeiro morrer

Ainda no capítulo 4 de Marcos, nos versos 30-32, Jesus apresenta o grão de mostarda, que é a menor de todas as sementes da Terra.

A partir do momento que essa semente é colocada na terra produz de tal forma que se torna a maior de todas as hortaliças, capaz de oferecer sombra para as aves.

Da mesma maneira deve acontecer para com os filhos de Deus:

Para frutificar para o Senhor é necessário morrer!

Deus deseja produzir e multiplicar por meio dos seus filhos, mas isso só acontecerá a partir da escolha da pessoa de morrer para o EU.

A morte do EU significa:

Morrer para o sistema pecaminoso do mundo, para as minhas vontades, desejos carnais, sonhos pessoais e ações e reações egoístas.

E o exemplo de escolha de morrer para o EU pode ser visto na vida do próprio Senhor Jesus.

Em João 12.23-28  Jesus declara a sua missão de morrer para que a humanidade pudesse ser livre da escravidão do pecado.

Se Cristo não tivesse escolhido morrer nenhum ser humano estaria sobre a face da Terra.

Portanto, morrer é uma questão de escolha e com o propósito primordial de salvar vidas.

Jesus morreu e ressuscitou para para que todos viessem a alcançar o Reino, uma nova vida Nele.

Seguindo este exemplo, os discípulos do Senhor devem escolher morrer para que outras pessoas tenham vida em Cristo Jesus.

Entretanto, infelizmente, muitos que se encontram dentro da igreja não morrem.

Não desejam abrir mão de planos pessoais, trabalho, estudo, casamento, dentre outras coisas, para servir a Deus.

Há pessoas que gostam de estar na igreja, não perdem um culto, mas não morrem para si mesmas, para que a vida de Deus possa nascer, frutificar e outras pessoas venham a conhecer ao Senhor

Há também pessoas que têm chamado missionário, porém não querem abrir mão de suas vidas em favor do Evangelho. Permanecem vivos e sós.

Deus conta conosco para proclamar o nome Dele a toda criatura, mas é necessário morrer!

Em 2016, no Brasil, mais de 50 mil pessoas morreram vítimas de armas de fogo.  Para se ter uma ideia da gravidade desta estatística, em 10 anos de guerra no Vietnã morreram 46 mil soldados norte americanos.

E será que essas vidas que se perderam no Brasil tinham salvação, será que alguém falou de Jesus para elas?

Muitos crentes ouvem esta estatística e não se importam, pensam o seguinte: se eu e minha família estivermos bem o mundo pode acabar que não há problema algum.

E não foi esse o exemplo que Cristo nos deixou. Em João 10. 17,18, Jesus declara que por espontânea vontade escolheu morrer para dar a vida a muitos.

Um bom exemplo para compreendermos a morte do eu encontramos na série televisiva norte americana Band of Brothers (traduzido como Irmão de Guerra).

Num dos episódios,  um dos soldados estava passando por um grande problema: não sentia-se preparado para ir a batalha, pois tinha medo.

De repente, no meio da guerra, seu sargento direciona a tropa da qual esse soldado faz parte para o topo de uma montanha.

Para chegar ao cume, no trajeto, seria necessário utilizar armas e eliminar os inimigos.

E aquele soldado despreparado se depara com uma situação na qual deveria matar e por causa disto se esconde numa valeta, por ter medo.

O soldado se colocou em uma situação complicada e se não fosse seu sargento teria morrido. Diante desta semana o sargento chega a seguinte conclusão: o seu homem não estava preparado para morrer.

De forma semelhante, muitos iniciam bem a caminhada com Jesus, mas no meio do caminho retornam para as velhas práticas.

Infelizmente as pessoas não têm verdadeiramente se lançado ao Senhor, entregado suas vidas a Cristo.

Essa atitude faz com que o Evangelho seja superficial e não mais como no período apostólico, da igreja primitiva.

As pessoas querem um Evangelho de facilidades sem a exigência da  morte do eu e abandono do pecado.

Voltando para a ilustração do soldado, certa noite ele resolve conversar com o sargento na tentativa de explicar seu comportamento:

Acho que fiquei com medo porque a pílula que tomei me deu sono…

Como resposta ele ouve do seu sargento:

Sua única esperança e aceitar o fato de que esta morto!” Você teve medo porque tinha esperança de sair ileso e de que não mataria ninguém. Sabe porque me tornei sargento? porque quando entrei para o exército aceitei o fato de que já tinha morrido

Esse homem havia morrido para aquilo que ele queria e escolheu servir o exército americano.

Da mesma maneira deve ocorrer com os filhos de Deus. Quando têm a convicção de que morrem para viver para Deus.

A partir do momento que a pessoa escolhe não mais viver para si, deve permanecer firme na fé  (1Co 16.13).

Além disso é fundamental ter vigilância e estar preparado para cada batalha, pois situações difíceis surgirão (1 Co 10.12; 1 Co 15.1-2; 58).

Paulo não se importava com os sofrimentos e situações difíceis, pois pregar o Evangelho era mais importante (At 20.22).

Ele sofreu por amor ao Senhor porque escolheu morrer para si e engrandecer a vida de Deus (2 Co 11.23-29).

Após o diálogo entre o soldado e o sargento, os dias avançam e a série mostra a transformação daquele soldado.

Ele enfrenta situações de risco e salva seus companheiros de guerra, pois finalmente compreendeu que era necessário estar morto.

Que assim como este soldado e o apóstolo Paulo você verdadeiramente escolha morrer para si e viver para Cristo.

Pois, somente assim, o Evangelho pode ser pregado e você frutificará na obra do Deus vivo!

Pr. Rafael Pitzer

Saiba mais sobre “A morte do EU”, participe da EBD realizada aos domingos, às 9 horas, na CERV. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br

 

Page 1 of 5

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén