O encontro com a Rocha destrói o que éramos e nos torna pedras vivas. Quando alguém bate à porta, a pergunta que normalmente se faz é esta: “Quem é”? O mesmo acontece nos contatos telefônicos.

A identificação é muito importante porque está relacionada ao caráter e à expectativa que se pode ter.

O que a pessoa fala, faz, possui ou oferece é secundário. Precisamos saber quem ela é.

Vemos esse tipo de cuidado na Bíblia:

Quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? (…) Assim dirás aos filhos de Israel: “Eu Sou me enviou a vós (…) O Senhor, Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós (Ex 3.13-15).

A preocupação de Moisés era pertinente. Não podemos ter uma ideia vaga ou indefinida sobre Deus. Não servimos a um “deus” qualquer, mas ao único criador de todas as coisas.

Conheça Jesus Cristo, nosso pastor

Da mesma forma, quando Jesus se manifestou, seus milagres chamaram a atenção de muita gente e a pergunta inevitável era: “Quem é este”?

E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem? (Mc.4.41).

O ápice do questionamento encontra-se no evangelho de Mateus: “E, chegando Jesus às partes de Cesareia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem? E eles disseram: Uns, João o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou um dos profetas. Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.

E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus” (Mt 16.13-17).

Depois de um tempo caminhando com os discípulos, o Mestre pediu um feedback, como se dissesse: “Vamos ver qual é o resultado do discipulado até este ponto”.

Não basta ser abençoado e aprender boas lições para a vida. Precisamos saber quem é Jesus e tomar uma posição a respeito Dele.

Havia muitas opiniões sobre a identidade de Cristo. Seu caráter e suas obras ligavam sua figura aos grandes profetas de Deus. Se fizermos uma pesquisa de opinião pública sobre nós mesmos, qual será o resultado? As respostas serão reflexos do nosso testemunho, bom ou mau.

Alguns diziam que Jesus era um dos profetas que ressuscitou (Lc 9.18-19). Temos nesta afirmação um exemplo admirável de fé sem conhecimento espiritual.

Eles conheciam as Escrituras e os profetas, mas não sabiam quem era Jesus. Algumas pessoas naquele tempo já acreditavam em ressurreição!

Isto era muito avançado para a época. Contudo, de nada adiantam doutrinas corretas sem o conhecimento da pessoa de Jesus.

Elias, Jeremias e João Batista foram lembrados, mas nenhum deles alcançava a grandeza de Cristo.

Assim também, de nada adiantará a veneração a tantos personagens da história, pois só Jesus é o salvador.

Nenhum dos profetas antigos ressuscitou, mas Jesus ressuscitaria em breve. Depois de tomar conhecimento acerca da opinião popular, Jesus perguntou:

“E vós, quem dizeis que eu sou”? Cada um de nós precisa posicionar-se sobre Jesus. As opiniões sobre ele continuam variadas e geralmente equivocadas ou incompletas. Seria ele um filósofo, revolucionário, apenas mais um mestre ou espírito iluminado?

Saiba como conhecer a Deus

Pedro disse: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.

Este reconhecimento é a porta da salvação. Como disse João: “Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (Jo 20.31).

Então, Jesus declarou: “Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus”.

Aqui está a fronteira entre o conhecimento natural e o espiritual. Podemos evangelizar e devemos fazê-lo, mas a consciência sobre a identidade de Cristo vem de uma revelação de Deus.

Por isso, os debates com ateus são sempre infrutíferos. A argumentação intelectual não alcança o coração.

A pregação, contudo, não é a exposição de um tratado teológico, mas uma semeadura.

A semente lançada, mesmo caindo em boa terra, ainda depende de Deus para germinar. A conversão não é uma adesão religiosa, mas uma experiência sobrenatural.

Depois do “eu sou” vem o “tu és”. Jesus disse: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja” (Mt.16.18).

Temos uma brusca mudança de foco no episódio. O assunto muda da “identidade de Jesus” para a “identidade de Pedro”. O discípulo, depois de reconhecer o Mestre, é levado a olhar para si mesmo em busca do autoconhecimento.

Apenas diante da luz podemos nos enxergar plenamente. Diante do evangelho reconhecemos nossa condição. Mas, além de tudo isso, o encontro com Jesus é transformador.

O contraste imediato inicia a mudança em direção à semelhança (Rm 8.29). Simão Barjonas torna-se Pedro. Este foi o nome que Jesus lhe deu, conforme Lucas 6.14. O Mestre mudou o nome de Simão, mas não foi só isso.

Transformou também seu caráter, seu rumo e sua história. O encontro com a Rocha destrói o que éramos e nos torna pedras vivas (Rm 9.33; 1Co 10.4; 1Pd 2.5). A instabilidade dá lugar à firmeza e à utilidade.

Novamente, Jesus altera o tema da conversa ao dizer: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja” (Mt.16.18). O propósito divino para os séculos seguintes estava colocado diante dos apóstolos. Foi assim que a igreja começou: encontro com Jesus, reconhecimento, fé e transformação. O povo de Deus é constituído por pessoas transformadas. Contra elas, as portas do inferno não prevalecerão.

Pr. Anísio Renato de Andrade

Aprenda mais sobre “Quem é Jesus e quem sou eu?” participe do Culto das Causas Impossíveis. Toda sexta, às 19:30, na CERV. Mais informações ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br