É mais fácil discutir teologia do que fazer a obra de Deus. Essa foi a tendência dos fariseus que estavam sempre interessados nas discussões, agarrados às tradições dos anciãos, e faziam disso um fim em si mesmo, em vez de fazerem a obra de Deus ou, no mínimo, deixar que a obra fosse feita.

Essa mesma tendência era vista nos discípulos. Ao verem um homem cego de nascença, aproveitaram o ensejo para entrar num território fértil de discussão das causas dessa enfermidade. Queriam discutir opiniões. Queriam debater as causas daquela tragédia pessoal.

Jesus, porém, não alimentou esse viés hermenêutico nem nos seus opositores fariseus nem mesmo nos seus discípulos. Ao contrário, mostrou que a obra de Deus é para ser feita e não discutida. O sofrimento alheio não é para ser especulado e sim aliviado.

Mesmo depois que Jesus ressuscitou dentre os mortos, os discípulos alimentando ainda expectativas messiânicas políticas.

Perguntaram a Jesus se seria no cumprimento da promessa do Pai, com o derramamento do Espírito, que ele restauraria o reino a Israel. Nutriam o desejo de serem os homens de vanguarda nesse reino e de fazer de Jerusalém a capital desse reino.

Jesus, porém, põe o machado da verdade na raiz dessa aspiração equivocada, mostrando a eles, que não lhes competia saber tempos ou épocas, que o Pai havia reservado para sua exclusiva autoridade.

Entenda a força que seu testemunho tem nas mãos do Senhor

Antes, eles deviam receber poder, ao descer sobre eles o Espírito Santo, a fim de se fixarem naquilo que era sua responsabilidade, ou seja, ser suas testemunhas até aos confins da terra.

A igreja recebe poder para fazer a obra e não para discutir a obra. A igreja recebe poder para sair da especulação teológica para o campo da ação missionária. É óbvio que há espaço para a apologética cristã. A defesa da fé é fundamental quando a integridade das Escrituras é atacada. Mas, a igreja viver o tempo todo discutindo e rediscutindo os mesmos assuntos, deixando de lado a agenda da proclamação do evangelho é uma perda de foco.

Precisamos estar atentos para não sermos arrastados para essa agenda da especulação.

Quando Davi estava na eminência de enfrentar o gigante Golias, seu irmão Eliabe quis desviá-lo do foco, fazendo-lhe pesadas críticas. Davi ao perceber sua intenção, deixou-o de lado e concentrou-se no seu alvo, ou seja, vencer o gigantes.

Mais tarde, Neemias, impelido pelo senso de dever e amor ao seu povo, colocou-se nas mãos de Deus para restaurar a cidade de Jerusalém, há cento e quarenta e dois anos debaixo de escombros. Seus opositores tentaram de diversos modos e em diversas circunstâncias paralisar a obra, mas Neemias, com os olhos fixos no alvo, respondeu: “Estou fazendo uma grande obra e não posso descer”. Neemias, não estava disposto a parar a obra para discutir a obra.

Quando os discípulos de Jesus, no sopé do monte da Transfiguração, foram procurados por um pai aflito, rogando-lhes que curasse seu filho lunático, eles não puderam. Estavam desprovidos de poder. Em vez de orar e jejuar, de exercer fé e libertar o jovem endemoninhado pelo poder de Deus, estavam discutindo com os escribas. Desprovidos de poder, haviam perdido o foco. Em vez de fazer a obra, estavam discutindo a obra.

O grande pregador Charles Haddon Spurgeon, disse que o evangelho não é tanto para ser discutido, mas, sobretudo, para ser proclamado.

 

O evangelho é como um leão. Um leão não precisa de defesa, basta soltá-lo. Hoje, nos esmeramos mais em discutir o evangelho do que em pregar o evangelho. Hoje gastamos mais tempo com discussões, algumas empolgantes, outras até mesmo fúteis, do que proclamando o evangelho, que é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.

Erguemos os estandartes de nossas opiniões com zelo incomum, ao mesmo tempo que calamos nossa voz, covardemente, deixando de anunciar aos perdidos o evangelho. Atravessamos mares para fazer um discípulo de nossas ideias, mas não cruzamos a rua para anunciar Cristo aos nossos vizinhos.

Oh, que Deus nos dê discernimento e nos leve ao Cristianismo puro e simples, a fim de que a ação missionária da igreja não seja sepultada debaixo de nossas tradições religiosas nem retardada pelas nossas especulações teológicas.

 

Rev. Hernandes Dias Lopes